As minhas cachadas no Geocaching

Profile for jpngi

quinta-feira, 9 de abril de 2009

À minha maneira

Hoje vamos tratar de coisas polémicas, por isso referencio este blogue que fala per si... ou seja de polémicas incómodas
http://polemicasincomodas.blogspot.com/
Caros Bloguistas Militantes
Ohayo Gozaimasu ou seja Bom Dia em Japonês
Estamos em crise.
É oficial, estamos em crise.
Que se lixem os sinais evidentes que já há muito se faziam sentir e que nós também há muito já sentimos no nosso bolso.
Estamos em crise, ponto.
Assim o disseram o INE, o Banco de Portugal, o mundo inteiro e o nosso Governo depois acompanhou.
Estamos em crise, é um facto, e portanto há que tomar medidas.
Estamos com uma situação excepcional e em tempos excepcionais, ter-se-à de tomar medidas excepcionais.
Mundialmente isto andava tudo em roda livre e urge colocar um travão nisto tudo.
Neste momento, por artificialidade ou seja lá qual for a razão, não existe uma adequação dos preços de mercado versus o custo de vida.
A especulação, foi e é um dos factores que contribuiem para que a economia esteja pelas ruas da amargura.
Portanto isto tem de ser resolvido, bem e depressa, e depressa e bem só há uma maneira ou seja isto tem de ser resolvido à minha maneira.
É que ou à moralidade ou comem todos... como não há moralidade...
Hoje estou numa de "Eu é que sei, mai nada"... também tenho direito... ou acham que não?
E pelo facto de que eu é que sei, vou retomar uma ideia que já publiquei aqui no blogue:fazer e por a circular a NOTA DE UM EURO.
Analisemos o seguinte: Os Americanos, tem como base o Dólar, e, esse Dólar, apresenta-se de duas maneiras: em Nota, ou seja em papel moeda, apelidado de "One Buck" com a figura de George Washington,

e menos comummente em moeda metal com a figura de Sacagawea .
Se bem reflectirmos, quando temos dinheiro no bolso, damos mais importância material ao dinheiro em papel do que ao dinheiro em metal... provavelmente porque nos pesa mais.
Psicologicamente, quando os Americanos, pagam algo com uma nota de dólar, esperam sempre o respectivo troco em moedas, pelo contrário se pagarem algo com moedas, já poucos são os que esperam o troco.
Cá pelo burgo e julgo que por essa Europa também, quando alguém tem algumas moedas dis "Quero livrar-me deste cascalho", ouvimos isto com frequência, o mesmo não se passa com as notas... é, portanto, psicológico...
Vem por isso à guiza, a transição que se efectuou das moedas nacionais dos países membros da U.E. para o Euro.
Todos os Europeus notaram, e queixaram-se, mesmo os que tinham uma moeda forte, que o dinheiro agora se esvai muito mais depressa.
Cá pelo burgo, a nossa antiga unidade monetária base era o escudo.
Um escudo era a moeda de referência, algo quase insignificante quando só uma moeda se tem, mas bastante significativo quando tínhamos muitas.
Nas Gorjetas, esmolas, etc... que nós deixávamos, eram em moedas, geralmente de um escudo ou de vinte e cinco tostões ou até de cinco escudos,

e quando o dia era de alegria, era para a desgraça...lá sacáva-mos uma moeda de vinte e cinco paus, e dávamos aos pobrezinhos... agora se damos 50 centimos a um "carocho" o tipo ainda refila... são os novos tempos.
Lembram-se da nota de 100 escudos?
Bem ... ela existia... garanto-vos. Não me vou referir ao que se comprava com uma nota de cem paus, o certo é que quando pagávamos algo com aquela nota esperávamos troco.

100 escudos, hoje em dia, equivale no Euro a uma moeda de 50 Cêntimos, ou seja quando damos a um carocho 50 centimos estamos a dar um nota de 100 paus.
Quando paga um café com sessenta cêntimos,

a maioria não quer... (ou não queria) os cinco cêntimos de troco... são moedas pequenas... só pesam, e não valem quase nada.
É natural, por isso , que o dinheiro se vá esvaindo, como um sangria lenta que não damos por ela, só nos apercebemos que estamos mais pobres e não sabemos a razão.
Bom esta é uma de várias razões, a das moedas.
O que aconteceu quando foi implementado o Euro, foi que os fornecedores de bens de consumo, tiveram de adaptar os preços ao euro, ou seja, a unidade passou a ser o 1 Euro.
E consciente ou inconscientemente, arredondaram os produtos para a unidade base ou seja para o euro... e se iessa mudança não aconteceu mesmo logo de início, já alguns anos passaram do facto de estarmos com o Euro em pleno, este rapidamente passou a ser preço base... logo tudo se tornou assim mais caro...
Ora 1 Euro, comparando com a moeda antiga;
são 200$00, ou seja duas notas de 100$00,
200 moedas de 1 escudo,
40 moedas de 5 escudos,
8 moedas de 25 escudos.
Resumindo 1 Euro é algo com significado comparado com o escudo, e, até, comparado com a Lira Italiana, com o Franco Francês, ou com o Marco Alemão.
Os italianos já deram por esta realidade e propuseram ao BCE a nota de UM EURO.
Esta deveria ser a primeira medida a ser tomada para o retomar da economia, esta é a minha maneira...medida a medida até á medida final.
A segunda medida a ser tomada para evitar a especulação e a carestia de vida, seria os governos da U.E., pelo período de um ano, fazerem o que faziam antigamente, tabelar os preços todos.
Voltar a colocar o preço justo nos alimentos, nas casas, nos carros, em tudo.
Tabelando o preço evitar-se-iam os abusos. Seria uma medida artificial, mas quanto a nós seria justa e adequava-se assim o mercado ao custo de vida, evitavam-se os abusos a que nós hoje em dia estamos a assistir.
Isto muito por culpa da inoperância e nabice das entidades reguladoras, pois parece que são comandadas pelas grandes corporações.
Estas são as duas medidas que eu recomendo, mas como eu percebo tanto de economia como sei falar japonês... por isso...
Domo arigatoo gozaimasu por me terem lido, sayonara, até à próxima.
Esta é a minha maneira de dizer adeus até ao próximo post e de fazer as coisas... assim desbocado... em Japonês porque realmente este assunto deixa-nos de olhos em bico.

À Minha Maneira - Xutos & Pontapés
A qualquer dia,
A qualquer hora,
Vou estoirar pra sempre.
Mas entretanto,
enquanto tu duras,
Tu pões-me tão quente.
Já sei que hei-de arder na tua fogueira,
mas será sempre, sempre à minha maneira.
E as forças que me empurram
E os murros que me esmurram
Só é para lutar,
À minha maneira (à minha maneira)
À minha maneira
Por essa estrada,
Por esse caminho
A noite, de sempre
De queda em queda,
Passo a passo,
Vou andando, prá frente
Já sei que hei-de arder na tua fogueira
Mas será sempre, sempre à minha maneira
E as forças que me empurram
E os murros que me esmurram
Só me farão lutar
À minha maneira (à minha maneira)
À minha maneira
À minha maneiraaaaa
À minha maneira!
ELE HÁ CARGAS FANTÁSTICAS, NÃO HÁ? TANTO ESTA, COMO AS OUTRAS CARGAS, SÃO À MINHA MANEIRA... MAI NADA... E NÃO ESTAMOS À VENDA PORTANTO NÃO HÁ DINHEIRO QUE NOS COMPRE...

Sem comentários: