As minhas cachadas no Geocaching

Profile for jpngi

quarta-feira, 26 de setembro de 2007

TEMPUS FUGIT - Actualizado

Caros Bloguistas Militantes

O tempo passa.

Vamos vogando aqui pelo planeta... ainda por este planeta, pois isto de ir ao espaço não é para todos ainda... nem vai ser tão cedo infelizmente.

E o tempo passa.

E por falar em tempo a passar, achei piada aquela frase, "vive intensamente cada dia, como se fosse o último, vai haver um dia que acertarás".

Nós os humanos, temos uma esperança de vida, cerca de 80 anos.

Tanta coisa para fazer no mundo que nós não temos tempo para realizar.

Imaginem uma biblioteca imensa cheia de livros, e nós não temos tempo em 3 vidas para os ler todos.

Já imaginaram a partilha de conhecimentos que nós perdemos.

Um dia, uma hora, um minuto num segundo, tudo acaba.

Deixamos coisas por fazer, algo a meio... nunca teremos tempo para acabar a tarefa ou as tarefas.

Imaginem o quão triste não é deixar um livro a meio...

Nós com a história, ou comum artigo ciêntifico, ou seja lá o que for, estamos a ler e de repente, deixamos de estar vivos... e la se ficao livro numa palavra, a meio de uma frase, numa virgula ou num ponto final.

Já imaginaram, que existe e existirá sempre, uma passagem que será sempre a última vez que passamos, uma cara que será sempre a última vez que a contemplamos, um nascer ou um por do sol que será a última vez que o vemos.

A última vez que saboreamos determinada refeição, a ultima vez que apreciamos o rio a correr para o mar, a última vez que ouvimos o rouxinol a cantar.

A última festa que damos no nosso cão ou gato, a última vez que falámos com um nosso familiar, sem muitas vezes saber o que dissemos.

Tanta vez que nunca nos despedimos de alguém como esse alguém merceria.

É o tempo passa, e passa por todos, é inexoravel.

Tanto espaço que há para explorar, e nós aqui confinados à terra sem por ele poder vagar.

A terra é imensa, e no entanto é tão comum existirem pessoas quenem da sua terrinha saíram, nem 50 kilometros andaram.

Mas o tempo passa, e raramente lhe ligamos muito.

Não estou triste, não, pelo contrário, ainda bem que o tempo por mim passa, é bom sinal, enquanto vai passando.

Ganhamos umas faculdades, perdemos outras, vamos evoluindo... mas o tempo, esse passa.

E vemos crescer betão onde dantes eram árvores ou campos, ou verde, e ficamos tristes.

E vemos a paz acontecer em países que depois voltam á guerra, á maldita guerra que não nos deixa em paz.

O Tempo passa, e vemos tanta intolerância a andar á solta, tantos motivos estúpidos e fúteis.

Sim,porque qualquer motivo é estúpido e fútil, tanto para a intolerância, como para começar uma guerra.

E o tempo passa.

E já podíamos estar mais evoluídos, mais humanos, menos destruídores, mais conscientes do nosso papel.

Sim, porque o tempo passa.

Já evoluímos, já retrocedemos, já construímos, já destruímos.

E ainda nos falta tanto.

E eu que gostava tanto de ter uma nave espacial...

Porque sabem... o tempo passa e viajar à velocidade da luz, dá a sensação de se aproveitar melhor o tempo.

Mas, para nós Portugueses, isso não importa nada.

Nada.

Não importa que o tempo passe.

Não importa que haja guerra, ou fome, ou intolerância, ou que um louco anda a tomar conta do mundo destruindo-o provocando o caos com a desculpa que anda atrás de outro louco.

Não importa o aquecimento global, a poluição, a desflorestação, a extinção das espécies.

Não, não importa que o tempo passe.

Para nós Portugueses, o que realmente é importante não é nada disso.

O que importa ... para nós Portugueses

O que é mesmo , mas mesmo muito importante...

É que o Benfica ganhe...

Morte que mataste Lira - popular Açoreana

Veio um pastor lá da serra
Veio um pastor lá da serra
Veio um pastor lá da serra
que á minha porta bateu

Veio dar-me por notícia
Veio dar-me por notícia
Veio dar-me por notícia
que a minha lira morreu

A lira por ser ingrata
A lira por ser ingrata
A lira por ser ingrata
tiranamente morreu

Morte que mataste Lira
Morte que mataste lira,
Morte que mataste Lira,
Mata-me a mim que sou teu

Morte que mataste Lira,
Morte que mataste Lira,
Morte que mataste Lira,
Mata-me a mim que sou teu

Mata-me com os mesmos ferros
Mata-me com os mesmos ferros
Mata-me com os mesmos ferros
Com que a lira morreu

A morte a mim não me mata
A morte a mim não me mata
A morte a mim não me mata
quem mata a morte sou eu .

Ele há cargas fantásticas, não há?

terça-feira, 25 de setembro de 2007

Que cantam os poetas andaluzes de agora?

Caros bloguistas militantes.

É hoje que eu começo a revolução com o mundo.

Eu disse com o mundo e não contra o mundo.

Fazer revoluções sózinho, não está com nada.

Quando tanta gente diz que precisa de ideias e de ideiais, precisamos de nos juntar.

Nota prévia, para o que está escrito a partir de agora daqui para baixo, o que es´ta entre parêntesis pertence a um verso de uma canção.

(Que cantam os poetas andaluzes de agora?)

Quem quer um planeta melhor e mais solidário, que se junte a mim, muito poucos fazem muito.

Precisamos de poetas para fazer uma revolução, mas...

Tantos anos passados, tantas causas e coisas conquistadas.

Tantas coisas perdidas para sempre

Novas vagas de afrontas, velhas hipócrisias vestidas de novas roupagens.

Novas lutas para lutar, novos ideais para conquistar, velhas ideias para cimentar.

Andamos perdidos, parece que já não temos poetas para nos descodificar as palavras.

Já não temos poetas para apontar o rumo dos filosóficos caminhos.

Já não há mais poetas para nos apontar e interpretar os ideais.

Mas eu ainda creio na canção do poetas andaluces.

A canção é um farol para mim , um guia, uma inspiração, sempre o foi.

São com estes versos, com esta canção e com outras tão inspioradoras como esta que nós ainda acreditamos na bondade dste mundo.

Porque sei que não estou só, e sei que não sou só eu que assim penso.

Mas o canto dos poetas, de ontem, de hoje, de amanhã é o canto de todos os Homens.

Mas onde estão eles, e que cantam os poetas andaluzes de agora?

O povo necessita urgentemente deles, será que já não são poetas?

As grilhetas da economia que nos confinam a um jugo bancário, não nos deixam respirar, será que desinspiraram os poetas?

A má globalização que nos oprime, que nos conduz ao estereotipo, para o pensamento único e orientado, para a sincronização do falar e do agir e do vestir, é cada vez mais presente e forte.

E porque será que os poetas ficam calados?

A sincronização politicamente orientada, tira lugar á indignação.

Sim onde estão os poetas andaluzes de agora? eles e os outros...

Onde estão aqueles que escreveram, cantaram e leram sobre as ideias e os ideiais no passado?

Sim onde estão?

Poetas Andaluces (Aquaviva- no orignal e completo)
¿Qué cantan los poetas andaluces de ahora?
¿Qué miran los poetas andaluces de ahora?
¿Qué sienten los poetas andaluces de ahora?
Cantan con voz de hombre,
¿pero donde están los hombres?
con ojos de hombre miran,
¿pero donde los hombres?
con pecho de hombre sienten,
¿pero donde los hombres?
Cantan, y cuando cantan parece que están solos.
Miran, y cuando miran parece que están solos.
Sienten, y cuando sienten parecen que están solos.
¿Es que ya Andalucia se ha quedado sin nadie?
¿Es que acaso en los montes andaluces no hay nadie?
¿Qué en los mares y campos andaluces no hay nadie?
¿No habrá ya quien responda a la voz del poeta?
¿Quién mire al corazón sin muros del poeta?
¿Tantas cosas han muerto que no hay más que el poeta?
Cantad alto.
Oireis que oyen otros oidos.
Mirad alto.
Veréis que miran otros ojos.
Latid alto.
Sabreis que palpita otra sangre.
No es más hondo el poeta en su oscuro subsuelo.
encerrado.
su canto asciende a más profundocuando,
abierto en el aire,
ya es de todos los hombres.

Link para a música: http://ilusao.multiply.com/music/item/53

Ele há cargas fantásticas, não há? Então se carregarmos inspirados, a vitória será certa.

sábado, 22 de setembro de 2007

Prendam os suspeitos do costume

Caros Bloguistas Militantes

Para quem viu o filme Casablanca, lembrar-se-á certamente, da cena.

Elenco


A cena é a seguinte, Rick está no Aeroporto ao lado do Capitão de Policia Francês.

Despedindo-se do Amor da sua vida Ilsa Laslo (que era casada com o chefe da resistência dos Franceses Livres) e do Chefe da resistência Vítor Laslo, que iam partir para Nova York via Lisboa.

Iriam assim,continuar o fabuloso trabalho para fazer face aos alemaes nazis na II Guerra Mundial.

Estao os dois a desaparecer na bruma, entrando no avião, eis que chega o Oficial Alemão, querendo usar o telefone para a torre de controle para impedir que o avião partisse.

Então Rick, dispara 2 tiros sobre o Major Heinrich Strasser, matando-o.

Chega entretanto um carro com polícias, e, é aí, que o chefe da polícia, Capitão Louis Renault, tem a sua frase famosa (em Casablanca todas as frases ficaram famosas):

"Mataram o Major Strasser. Prendam os Suspeitos do Costume".

Voltaremos mais abaixo a esta frase...

Já repararam que quanto mais o país sobe na escala evolutiva económica, menos medalhas temos nos desportos.

Claro que eu não conto aqui com o futebol.

Longe vão os tempos em que Carlos Lopes, Rosa Mota, Joaquim Agostinho, as equipas de hóquei em patins, e outros davam alegrias ao país com as suas vitórias.

Eles foram os 10.000 metros, eles foram as maratonas.

E de repente Portugal entrou para a CEE (agora UE), e medalhas onde estão elas?

As condições eram péssimas para treinar, os apoios escassos, mas uma medalhita de vez em quando lá nos fazia esquecer por uns tempo o facto de morarmos no país mais ocidental da Europa, onde tudo chega com a data de ontem.

Agora que somos um país dos ricos, importamos e nacionalizamos atletas e treinadores, as condições vão melhorando...

Bem não tanto como os outros países da Europa, somos ricos mas só alguns, somos ricos mas nao exageremos.

Não renego, e até exulto os êxitos obtidos em outras modalidades, o Oblikuelo (nome difícil de escrever este português) nos 100 e 200 metros, a Vanessa no Triatlo, o Nelson ou a Naide no Salto em comprimento, nem a Carla a única que ainda brilha nas provas de corrida, e a Telma no judo (espero não ter esquecido de nenhum).

Já repararam, que (felizmente), estamos a evoluir nas modalidades técnicas, e a perder qualidades nas que éramos campeões?

Éramos, salvo seja,pois quem corre e dá o litro são eles, nós só damos o nome da marca Portugal...

Tenho pena, que não consigamos cimentar e materializar os desportos em que dávamos cartas, e ter uma estratégia para evoluirmos para os desportos mais técnicos.

Existe uma honrosa excepção, desde que existem os para-olímpicos, que esses VALOROSOS PORTUGUESES, escrevo de propósito em letra maiúscula, nos tem dado alegrias.

Sim, esses super-atletas, que poucos ou nenhuns apoios tem, consistentemente, vem trazendo medalhas para Portugal.

Se, atentarmos bem, só agora, é que este governo, tem dado apoios a esses Portugueses.

Espero que isso não signifique perda de medalhas, estou certo e convicto que não, pois esses portugueses são especiais, estão habituados a adversidades.

E, mesmo tendo apoios, vão continuar a levar mais alto o hino e a bandeira de Portugal.

Mesmo eu, considerando-me um cidadão do mundo (nestas modalidades gosto de ver isso)


Não, nada disso, há bom português, estamos a deixar ficar para trás os desportos em que éramos bons, e a começar a conquistar (felizmente) os desportos técnicos.

Nos outros desportos... em vez de somarmos, substituímos, ou seja no ranking das medalhas continuámos na mesma.

O governo, não investe, o povo não quer saber, os resultados não progridem... desde quo Benfica ganhe...

É o país que temos, é o país que temos.

Parafraseando o Capitão Louis Renault, (do filme Casablanca) diria- "Prendam os Suspeitos do Costume".

As Time Goes By...

Lyrics and Music by Herman Hupfeld;
© 1931 Warner Bros. Music Corp., ASCAP

This day and age we're living in
Gives cause for apprehension
With speed and new invention
And things like fourth dimension
Yet we get a trifle weary
With Mr. Einstein's theory
So we must get down to earth at times
Relax relieve the tension
And no matter what the progress
Or what may yet be proved
The simple facts of life are such
They cannot be removed
You must remember this
A kiss is still a kiss, a sigh is just a sigh
The fundamental things apply
As time goes by
And when two lovers woo
They still say, "I love you"
On that you can rely
No matter what the future brings
As time goes by
Moonlight and love songs
Never out of date
Hearts full of passion
Jealousy and hate
Woman needs man
And man must have his mate
That no one can deny
Well, it's still the same old story
A fight for love and glory
A case of do or die
The world will always welcome lovers
As time goes by
Oh yes, the world will always welcome lovers
As time goes by


Ele há cargas fantásticas, não há?

Something Stupid

Caros Bloguistas militantes

Se me quiserem tirar do sério é fácil.

Vou-vos dizer(vou-vos é uma palavra gira... algo parecido com ovo) ... faz-me lembrar a tropa... que quando perguntava-mos : Ouve bem? Muitos respondiam... OVO

Bom, mas dizia eu, antes deste interlúdio, se me querem tirar do sério.

Se me querem ver chateado... é fácil ( não, não vou dizer que basta respirarem).

É começarem com a guerra dos sexos e como os consequentes e subsequentes estereótipos e rotulagens em cada um dos sexos.

Os estereótipos irritam-me, e estes da guerra dos sexos toca-me particularmente.

Não gosto, nem nunca gostei de ver ninguém ser diminuído.

Não gosto nem nunca gostei que pague o justo pelo pecador.

Pior ainda, pois tenho de levar isto para o lado pessoal.

Eu não tenho de levar com isto.

Eu quero saber que "algum" pessoal das obras seja rude e mal educado, eu nem gosto de fazer cimento.

Não , eu não tenho de levar com este número.

É que atrás disto, vem toda uma "sociedade estereotipada.

Ideias pré concebidas, e com isto o avanço da humanidade anda mais devagar ou nao anda.

Não temos tempo para isto.

Nao tenho pachorra para isto.

Não tenho pachorra para a frase "homens, são todos iguais", se somos todos iguais porque é que as mulheres escolhem tanto?

"Something Stupid"


I know I stand in line
Until you think you have the time
To spend an evening with me
And if we go someplace to dance
I know that there's a chance
You won't be leaving with me

Then afterwards we drop into a quiet little place
And have a drink or two
And then I go and spoil it all
By saying something stupid
Like I love you

I can see it in your eyes
You still despise the same old lines
You heard the night before
And though it's just a line to you
For me it's true
And never seemed so right before

I practice every day to find some clever
lines to say
To make the meaning come true
But then I think I'll wait until the evening
gets late
And I'm alone with you

The time is right
Your perfume fills my head
The stars get red
And oh the night's so blue
And then I go and spoil it all
By saying something stupid
Like I love you
I love you...



http://br.youtube.com/watch?v=5T7fynhnmQ8

Há cargas fantásticas, não há?

sexta-feira, 21 de setembro de 2007

Start spreading the news

Caros Bloguistas Militantes

Hoje quero começar de maneira diferente.

Acabei de ouvir "New york, New York" com Liza Minelli e Luciano Pavarotti.

Gosto da Liza, gosto do Pavarotti e gosto do tema.

Vejam em :

http://br.youtube.com/watch?v=X23tIynbjCQ

É emocionante, e emocionado eu fiquei.

Confesso que fiquei triste, com o falecimento do Senhor Pavarotti.

Aquela voz, a assertividade que este Senhor tinha em palco, fiquei com pena de nunca o ter visto ao vivo.

Vi como muitos devem ter visto algumas actuações com os "3 tenores" através da TV, gravei e tudo.

Mas, para muita pena minha (estava a tentar evitar a palavra pena), nunca surgiu a oportunidade monetária ou outra de o ir ver, não poder dar-me a certos luxos é lixado.

Sabem, já estou farto de ver chegar a este nosso pequeno burgo, no princípio da Europa e no fim da mesma ... simultaneamente, tudo chegar em terceira ou quarta mão.

Estou farto de ver acontecer aqui, coisas que nos outros locais já não são novidade e a moda já é outra.

O nosso tempo de vida é tão pouco...

Sim, é verdade que o desenvolvimento do multibanco, a via verde, os descobrimentos, bom azeite, bom vinho, bom clima, boa comida...

Mas "Está escrito: Nem só de pão vive o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus."

N
ão sou religioso por isso uso a frase á minha maneira e medida "Está escrito: Nem só de pão vive o homem, mas de toda a palavra ..."

Faz-me falta esta vivência do mundo a tempo e horas, (eu que tenho a opini
ão que toda a humanidade já devia estar a vogar pelo espaço sideral em naves espaciais), ter estes atrasos presentes e permanentes, não me faz nada bem.

O nosso tempo é tão curto, as solicitaçoes são tantas, e os atrasos mais que muitos e o dinheiro pouco mais é que pouco.

Portugal é bonito, mas não é o centro do mundo, o centro do mundo é lindo ...mas não é o universo.

É hoje estou controverso... deve se rporque chegou o Outono, mais uma estação e ninguém deu por isso.
A que horas chegará o Outono?

VEJAM EM
http://www.rtp.pt/index.php?article=255566&visual=16

New York, New York

(Ebb-Kander)

Start spreading the news
I'm leaving today
I want to be a part of it, New York, New York
These vagabond shoes
Are longing to stray
And make a brand new start of it
New York, New York
I want to wake up in the city that never sleeps
To find I'm king of the hill, top of the heap
These little town blues
Are melting away
I'll make a brand new start of it
In old New York
If I can make it there
I'll make it anywhere
It's up to you, New York, New York.

I want to wake up in the city that never sleeps
To find I'm king of the hill, top of the heap
These little town blues
Are melting away
I'll make a brand new start of it
In old New York
If I can make it there
I'll make it anywhere
It's up to you, New York, New York.

HÁ CARGAS FANTÁSTICAS , NÃO
HÁ ?

domingo, 16 de setembro de 2007

Imaginação e inspiração e o direito à indignação

Caros Bloguistas militantes

Compreendo Camões e as suas musas do Tejo.

Não é difícil alguém se inspirar, com a tamanha beleza que a vista de Lisboa para o Tejo nos proporciona.

Quantos escritores, poetas, casais de namorados, não se inspiraram em tão bela paisagem?

O Tejo faz-nos correr a imaginação.

O Tejo inspira-nos.

É um elemento intemporal, que é belo não só por estar sempre presente, mas porque existem coisas assim naturalmente belas.

Explicar o belo, no nosso estágio de desenvolvimento, é algo que não nos é tangível.

O Tejo e a sua paisagem são belos, ponto.

Imagino quantos e quantos comunicadores da palavra, escrita e oral, não se terão inspirado aqui?

Foi daqui que partiram os descobridores.

Foi daqui que os nossos antepassados deram novos mundos ao mundo.

Existem coisas que deveriam ser preservadas, pois só a envolvência contribuí para o despertar da nossa inspiração.

Por essas e outras razões deveríamos preservar esta paisagem.

Por estas e outras razões não deveríamos permitir aberrações.

O património quer-se cuidado, não abandonado nem desleixado.

Caros bloguistas militantes, vou-vos dar 2 ou 3 exemplos.

Belém é um local turístico, lindo, ainda bem que moro perto, pois nunca me canso de o ver.

Mas em Belém, a par dessa beleza, o que é triste, o que é degradante,e principalmente o que é revelador de um povo que não se interessa, temos as seguintes pecas:

1- uma fonte luminosa que só de vez em quando funciona, e nem sempre com as cores que iluminam água que já nos tínhamos habituado..

O jardim envolvente da fonte luminosa em Belém perdeu o seu fulgor, quando retiraram os brasões coloridos dos distritos, o fundamentalismo e a falta de jardineiros capazes, deu num jardim trivial, sem esplendor.

2- Quando as pedras do chão, nos caminhos circundantes estão soltas, revela desleixo e falta de respeito por todos nós, isto num local turístico, será preciso dizer mais?

3- Quando existe um descuidado tratamento dos locais mais visitados, o chão sujo, os canteiros mal cuidados, uma envolvência não cuidada.

4- No local da torre de Belém existe um lago artificial, para simbolizar que a torre esteve e estará sempre no meio do rio, mas esse local não está cuidado, tem muito lixo acumulado, ninguém o apanha... e ainda por cima para agravar a questão é um local turístico.

5- Nesse local, a relva não está tratada, as lages estão partidas, tanto falta de tacto turístico que até mete dó.

6- Depois temos as aberrações que o lobby do betão anda a fazer, os "patos bravos" portanto. Esses desqualificados mentais, que só vêem o lucro além do lucro, a quem devem ter untado as mãos para conseguirem que no Porto de Lisboa, se edifique, á beira rio entre a Torre de Belém e o Padrão, um hotel de luxo.

No local onde a inspiração é maior, devido à sua envolvência,o fino recorte e veia artística dos "Patos bravos" resolveram colocar um hotel de luxo.

Se fica bem ou fica mal, tanto faz, com os tempos a "gentalha" habitua-se.

E o mais grave é que não se vê ninguém a protestar.

Parece que aquilo tudo é a coisa mais natural do mundo.

Desculpem a expressão, mas que bela "merda" estão ali a fazer.

Estou como o Mário Soares, tenho direito á indignação.

Não veremos assim o Padrão do lado da Torre e vice-versa.

Mas não fica por aqui.

7- Na magnífica paisagem envolvente, já não bastavam as esferas de gás e os tanques da banática ( do outro lado do Tejo), já não bastavam os silos da Trafaria e da ESSo, já não bastavam os condomínios privados que a D.Emília (Presidente da C.M.Almada) e o Porto de Lisboa autorizaram, ainda estão a construir em frente ao forte do Bom Sucesso, um magnífico... condomínio fechado...pois está claro.

8- Para terminar, um problema que se arrasta à anos. Refiro-me à linha férrea e à estrada frente à zona ribeirinha.

O comboio para Cascais é magnífico, não haja dúvidas. É uma das linhas mais lindas que conheço.

Só que deveria terminar em Algés.

A estrada deveria ser desnivelada, aí de 500 em 500 metros, durante pelo menos 100 metros.

Porquê? perguntam os Bloguistas militantes.

Para deixarem o "povo" usufruir livremente do rio, sem barreiras artificiais- digo eu.

9- Existem falta de alternativas neste momento para chegar á torre de Belém, e ao padrão dos descobrimentos, para quem vai a pé.

Ou passa pela minúscula travessia aérea que foi construída frente a vela latina, ou vai pelo túnel que sai em frente ao padrão ou passa pelo túnel da estação de Algés.

É manifestamente insuficiente (enquanto não desnivelarem a estrada e o comboio não parar em Algés), e nota-se quando existem festas ou aos Domingos, que a passagem aérea está sempre sobre lotada.

Deliberadamente somos afastados do rio. A nossa inspiração vai-se desvanecendo por falta de contacto e "ambiência" com a fonte inspiradora.

Não cuidamos da mente, nem do coração.

Alheamos-nos e consentimos estes atentados permanentes ás fontes da nossa "culturalidade".

Alienados com o bem estar económico, que nos vendem ilusões de felicidade passageira, nada dizemos aos estragos que estupidamente os "patos bravos" e os arquitectos e outros técnicos e políticos sem escrúpulos que se intitulam "progressistas", quando na realidade nos vendem tigres de papel, nos impõem.

Pois caros bloguistas... é o país que temos, são os políticos que merecemos.

Acordemos que já é dia, não nos escondamos atrás "do sozinhos" não podemos fazer nada.

AQUARELA - TOQUINHO

Numa folha qualquer

Eu desenho um sol amarelo

E com cinco ou seis retas

É fácil fazer um castelo

Corro o lápis em torno da mão

E me dou uma luva

E se faço chover

Com dois riscos tenho um guarda chuva

Se um pinguinho de tinta

Cai num pedacinho azul do papel

Num instante imagino

Uma linda gaivota a voar no céu

Vai voando,

Contornando a imensa curva norte sul

Vou com ela viajando

Havaí, Pequim ou Istambul

Pinto um barco a vela,

Branco, navegando,

É tanto céu e mar num beijo azul

Entre as nuvens vem surgindo

Um lindo avião rosa e grená

Tudo em volta colorindo

Com suas luzes a piscar

Basta imaginar e ele está partindo,

Sereno, lindo,

E, se a gente quiser,

Ele vai pousar

Numa folha qualquer

Eu desenho um sol de partida

Com alguns bons amigos

Bebendo de bem com a vida

De uma América a outra

Consigo passar num segundo

Giro um simples compasso

E num círculo eu faço o mundo

Um menino caminha

E caminhando chega num muro

E ali logo em frente

A esperar pela gente o futuro está

E o futuro é uma astronave

Que tentamos pilotar

Não tem tempo nem piedade

Nem tem hora de chegar

Sem pedir licença

Muda nossa vida

E depois convida

A rir ou chorar

Nessa estrada não nos cabe

Conhecer ou ver o que virá

O fim dela ninguém sabe

Bem ao certo onde vai dar

Vamos todos numa linda passarela

De uma aquarela

Que um dia enfim

Descolorirá

Numa folha qualquer

Eu desenho um sol amarelo

(que descolorirá)

E com cinco ou seis retas

É fácil fazer um castelo

(que descolorirá)

Giro um simples compasso

E num círculo eu faço o mundo

(que descolorirá)

Corro o lápis em torno da mão

E me dou uma luva

(que descolorirá)

http://www.laboratoriodedesenhos.com.br/aquarela.htm - hoje arranjei-vos esta maravilhosa ilustração desta música vale a pena ir ver e ouvir.

ELE HÁ CARGAS FANTÁSTICAS, NÃO HÁ?

domingo, 9 de setembro de 2007

Algures sobre o arco iris

Ola Bloguistas Militantes

Se alguém me lê, verificará que quase sempre opino sobre o que acho que não está bem.

A democracia é para ser exercida em toda a sua plenitude.

Eu não quero entregar a outrem o que a mim me cabe, não quero ter esse espirito de português de sempre.

Quero aqui e agora fazer valer a minha voz.

Aqui, nas urnas e onde seja preciso.

O éter da internet também pode contribuir para isso.

Já passei por alguns lugares de decisão, para saber que vale a pena juntarmos e fazer valer a nossa voz.

Os políticos, eleitos por nós, que exercem o poder com a nossa quota parte de poder que lhes demos para nos representar, tem "medo" disso.

Medo de quem faça valer as coisas pela sua voz.

Mas, para não sermos como eles, e quando vemos coisas positivas, também convém assinalar, é de bom tom realçar.

Por isso caros bloguistas, foi com enorme surpresa, diria mais foi com grande alegria que vi há cerca de 2 dias atrás, que a Fonte Luminosa, na Alameda Afonso Henriques, está a funcionar.

A fonte luminosa, palco de tantos momentos históricos.

Tantas actividades para crianças e adultos.

Uma Alameda Afonso Henriques, com aquele magnifico relvado, encimado de um lado pelo Técnico e do outro pela fonte luminosa.

Anos e anos protestei, porque estava ao abandono, suja, sem água, sem luz sem nada.

Abandonada, aliás, como tanta coisa em Lisboa,.

Os bons jardineiros desapareceram, os bons calceteiros esfumaram-se, os "bons pedreiros" não interveem...

A cidade cresce com a orientação dos patos bravos...leia-se construtores civis, e as belas zonas verdes são votadas ao abandono, não dão dinheiro aos fiscais ... nao interessa.... nem a eles nem as presidentes da CML distraídos...

Preservar o antigo? Zonas verdes? Qual quê?

O que interessa é o betão. O Betão é que lhes dá dinheiro...

Também dá conflitos sociais, aumenta a depressão colectiva, tira a beleza à cidade, mas que se lixe... tomem XANAX e viva o velho.

Mas eis que chegou à cidade o novo Presidente da CML.

Eis que a Fonte luminosa começou a funcionar.

E que linda ela estava.

Emocionei-me confesso.

Emocionei-me , porque amo Lisboa, e quando se ama uma mulher assim toca-nos o coração quando a vemos com um vestido novo.

A esperança renasceu.

Posso protestar sobre muita coisa, protesto...é verdade.

Mas protesto porque quero a que a minha namorada LISBOA seja eternamente a mais linda do mundo.

E há dois dias emocionei-me , porque algures sobre o arco irís, ela tornou a mostrar o brilho da sua beleza.

Over The Rainbow (Arlen-Harburg)

Somewhere over the rainbow

Way up high
There's a land that I heard of
Once in a lullaby

Somewhere over the rainbow
Skies are blue
And the dreams that you dare to dream
Really do come true

Some day I'll wish upon a star
And wake up where the clouds are far behind me
Where troubles melt like lemondrops
Away above the chimney tops
That's where you'll find me

Somewhere over the rainbow
Bluebirds fly
Birds fly over the rainbow
Why then, oh why can't I?
Some day I'll wish upon a star
And wake up where the clouds are far behind me
Where troubles melt like lemondrops
Away above the chimney tops
That's where you'll find me

Somewhere over the rainbow
Bluebirds fly
Birds fly over the rainbow
Why then, oh why can't I?

If happy little bluebirds fly
Beyond the rainbow
Why, oh why can't I?


ELE HÁ CARGAS FANTÁSTICAS, NÃO HÁ?

quinta-feira, 6 de setembro de 2007

Adeus a uma grande voz

Caros Bloguistas Militantes

O mundo perdeu hoje uma grande voz.

Luciano Pavarotti, o tenor italiano, que tinha uma voz magnifica, faleceu.

Muito há para dizer de um homem que nasceu de famílias humildes e que praticava o bem, principalmente a favor das crianças.

Singrou como tenor, ganhou dinheiro com o canto, mas no entanto foi nobre ao nunca esquecer das crianças desprotegidas.


Podíamos dizer tanta coisa acerca do Tenor Luciano Pavarotti, por exemplo como ele trouxe o público a escutar música clássica e óperas, a sua bondade, a técnica da sua voz.

Sim, poderíamos dizer, mas o mais certo era não sermos exactos ou pecarmos por sermos curtos demais

O melhor é deleitarem-se a ouvirem os videos, e a procurarem mais.

Tinha interpretações magníficas, vejam por exemplo a magnífica intrepretação em vários trechos clássicos:

Luciano Pavarotti - La Donna È Mobile

http://br.youtube.com/watch?v=xCFEk6Y8TmM

nesta magnífica interpretação de

Luciano Pavarotti - "O Sole Mio"

http://br.youtube.com/watch?v=dHYmiCy9sxc

ou esta

Luciano Pavarotti - Ave Maria - Schubert

http://br.youtube.com/watch?v=2uYrmYXsujI

ou ainda

Luciano Pavarotti - Nessun Dorma

http://br.youtube.com/watch?v=A_lZyvf7P58

Luciano Pavarotti - "Cosi Fan Tutte", de Mozart

http://br.youtube.com/watch?v=hhxR17z3-uk

Luciano Pavarotti - Celeste Aida

http://br.youtube.com/watch?v=l_eWsuMekSw

Deu-nos a ouvir a sua magnifica voz, não só em trechos clássicos, mas também em outros ritmos musicais.

Queen + Luciano Pavarotti - Too Much Love Will Kill You

http://br.youtube.com/watch?v=C7FGPIRJx6I

Eros Ramazzotti + Luciano Pavarotti - Se bastasse una bella canzonne

http://br.youtube.com/watch?v=I9SvcggOAX8


Live Like Horses (Luciano Pavarotti and Elton John)

http://br.youtube.com/watch?v=leIy-OioY-0

Luciano Pavarotti feat. Tracy Chapman - Baby Can I Hold You

http://br.youtube.com/watch?v=eLSmsf08VSs

Mas o trio quando se juntou o mundo em silêncio ouviu as três magnificas vozes.

Mostraram-nos a todos que eram complementares, infelizmente o trio passou a dueto agora.

Placido Domingo, Jose Carreras, Luciano Pavarotti

http://br.youtube.com/watch?v=udqE_ouF5lg


Como ouvi alguém dizer o céu ganhou mais uma estrela.

Para mim a melhor dele que ouvi até hoje, a que me toca mais ... é esta

Pavarotti Vesti La Giubba - I Pagliacci

http://br.youtube.com/watch?v=Ky271W94VHA&mode=related&search=

Há cargas fantásticas, não há?
Mas sem música elas não são tão alegres.

quarta-feira, 5 de setembro de 2007

Oh pátria sente-se a voz

Meus caros bloguistas militantes

Andava eu à procura de óperas no YOUTUBE, quando me surgiu "La Marselhaise" (hino francês).

Fui ouvir, não resisti. Como eu gosto muito do Hino francês, tem muito significado, muito apelo à revolta, um vigoroso Não ao conformismo.

Aquilo que estamos a precisar neste momento, de uma revolta dos cidadãos. (mas isso é para outro post).

Não pude deixá-lo de ouvir... o hino claro.

No YOUTUBE, vemos "La Marselhaise" cantada na sua integral versão e com orquestra e um tenor a interpretar.

Vemos uma França moderna, mas com um hino antigo, somente com a interpretação.

Um contraste bem feito, de um país que temos tantas coisas a apontar, mas que olha para a frente, para o futuro, foi isso que eu vi, foi assim que eu interpretei.

Não sou patriota, já há muito que deixei de o ser, acho isso um conceito absurdo e que só nos leva a guerras estúpidas e fratricidas.

Eu, explico, a minha pátria é o Planeta TERRA, é aqui que eu pertenço, a este planeta AZUL (por enquanto), o meu planeta.

Se por algo mais tiver de lutar, espero que seja pela sobrevivência da TERRA e não a mando de uns senhores para satisfazer os seus caprichos de um país contra o outro.

Ah! E lutar contra a tirania... sempre.

Eu pertenço ao planeta TODO, não só a Portugal, não só à península Ibérica, não só à Europa, não só a placa euro-asiática.

Pertenço ao planeta TERRA todo!

O que fazem, no Oceano Atlântico, na China, no Japão, na Austrália, no Oceano Índico, na Argentina, na África do Sul, em Marrocos, nos EUA, afecta-me ou beneficia-me ou melhor afecta-nos ou beneficia-nos a todos.

A minha pátria é a terra, o meu país é Portugal, não escondo um carinho particular por esta "divisão" do planeta, assim como tenho carinho por outras "divisões, mas desta "divisão" guardo gratas recordações, não é que guarde outro tipo de sentimentos, mas isso agora não interessa nada.

Bom, já que fui ver "La Marselhaise" que eu tanto gosto, fui á procura de "A Portuguesa" que eu também adoro e conheço a versão integral.

O hino Português é um hino com tanta força, como também o é o hino francês.

E lá digitei eu "A Portuguesa".

E caros bloguistas militantes, sabem o que apareceu?

Um tenor a cantar o hino? Não!

Um barítono? Não !

O trio Odemira? Quase...

Apareceu-me uma evocação ao passado, a um passado duvidoso, para não ser chamado de sectário não apelido de outra maneira.

Mas uma evocação ao passado, não apareceu uma nação com os olhos postos no futuro, nada disso.

Apareceu uma nação com os olhos postos no passado..
E que passado é esse? Perguntam vocês.

Não o passado dos reis, nem dos descobrimentos, nem de 1640 (embora façam essa evocação) mas o passado do Regime Ultraconservador do Prof. Oliveira Salazar.

Cliquem em

http://www.youtube.com/watch?v=DfPiFnlYZOo [felizmente já aparece esta mensagem Este vídeo foi removido por violação dos termos de uso.]

Mas não ficamos por aqui... pois não é o único vídeo do YOUTUBE, sobre o hino de Portugal...

Temos um que é destinado a portugueses e ingleses.

Começa mais ou menos bem, tocam e cantam o hino nacional, dão uma retrospectiva histórica portuguesa e mostram umas quantas paisagens.

O que o anterior exagera em evocação ao Prof. Oliveira Salazar, este nem sequer lhe faz menção, pronto uma peca mas... estava aquilo a ir tão bem eis que se não quando, aparece...

Versão para KARAOKE do hino nacional, está bilingue...

Esquecem-se que o hino português onde diz contra os canhões tinha escrito contra os bretões, e foi escrito contra o mapa cor de rosa...

Até esquecendo isso dos ingleses... UMA VERSÃO PARA KARAOKE???!!!!!!!!

Será que eu vi bem?

Mas estamos a gozar com o pagode ??????

E o respeito pelos símbolos nacionais?

Mas não fica por aqui, até temos uma brasileira a cantar o hino, com muito boa vontade, quer divulgar, nós compreendemos.... mas ... olhem confiram.

http://www.youtube.com/watch?v=ulBQLctwBeI&mode=related&search=

E ainda ...

Um quarteto de vozes que além de assassinarem o hino todo, as imagens que tem por trás é o Portugal do futebol... isto para compor o ramalhete.

confiram ...

http://www.youtube.com/watch?v=qC4-MXT_hHs&mode=related&search=

Depois temos uma espécie de Diácono Remédios a cantar o Hino, além de desafinado está descompassado...

confiram...

http://www.youtube.com/watch?v=p-yDtwLchM4&mode=related&search=

Temos uma criança, cujos pais, tiveram o despudor de coloca-la no YOUTUBE, a criança até canta a segunda melhor versão que eu vi, mas por decoro não coloco aqui o endereço.

Estes pais sem cuidado, não sabem o que anda por aí de pedofilia... enfim.

Ah , mas temos as mulheres a cantar o hino, só pode sair bem ....

Não acredito ... estilo fado ... ai se eu fosse religioso dizia: Meu Deus!

A copiarem os americanos a cantar o hino, que são os que mais assassinam o hino deles, e cada um com a sua versão...

Não acredito ela trocou palavras ao hino .... fogo nem as mulheres nos safam ...ai ... que isto vai mal ... ai vai, vai. confiram

http://www.youtube.com/watch?v=4QekpzeobBQ

Ah! Safa-se este ...

http://www.youtube.com/watch?v=2mbmrary_t4&mode=related&search= [o únio que se safava aconteceu isto Este vídeo foi removido pelo usuário. ]

...mas é só música não tem letra.

Eis que finalmente chega o exército.

Cantam bem os rapazes e afinadinhos... as imagens também não estão más, mostra as grandes coisas que Portugal tem, mas tínhamos de roçar a lamechice... ok ... mas de todos foi o melhor... mas muito longe dos franceses.

Eu sei que o YOUTUBE é como os blogues, cada um coloca o que quer e como quer, mas não haverá uma réstia de decência e de bom gosto cá no burgo?

Será que só os franceses é que tem?

Temos de pedir desculpa ao Sr. Keill e ao Sr. Mendonça.

Comentários para quê? É o país que temos.... é o país que temos, não aquele que eles queriam que nós fôssemos.

A Portuguesa

Data: 1890 (com alterações de 1957) Letra: Henrique Lopes de Mendonça
Música: Alfredo Keil

I
Heróis do mar, nobre povo,
Nação valente e imortal
Levantai hoje de novo
O esplendor de Portugal!
Entre as brumas da memória,
Ó Pátria, sente-se a voz
Dos teus egrégios avós
Que há-de guiar-te à vitória!
Às armas, às armas!
Sobre a terra, sobre o mar,
Às armas, às armas!
Pela Pátria lutar
Contra os canhões marchar, marchar!
II
Desfralda a invicta Bandeira,
À luz viva do teu céu!
Brade a Europa à terra inteira:
Portugal não pereceu
Beija o solo teu, jucundo,
O oceano, a rugir de amor,
E o teu Braço vencedor
Deu mundos novos ao mundo!
Às armas, às armas!
Sobre a terra, sobre o mar,
Às armas, às armas!
Pela Pátria lutar
Contra os canhões marchar, marchar!
III
Saudai o Sol que desponta
Sobre um ridente porvir;
Seja o eco de uma afronta
O sinal de ressurgir.
Raios dessa aurora forte
São como beijos de mãe,
Que nos guardam, nos sustêm,
Contra as injúrias da sorte.
Às armas, às armas!
Sobre a terra, sobre o mar,
Às armas, às armas!
Pela Pátria lutar
Contra os canhões marchar, marchar!

Data: 1890 (original) Letra: Henrique Lopes de Mendonça
Música: Alfredo Keil

I
Herois do mar, nobre povo,
Nação valente e imortal
Levantai hoje de novo
O esplendor de Portugal!
Entre as brumas da memoria,
Oh patria, sente-se a voz
Dos teus egregios
A voz que há-de guiar-te à vitória!
Às armas, às armas!
Sobre a terra, sobre o mar,
Às armas, às armas!
Pela patria lutar!
Contra os Bretões marchar, marchar!
II
Desfralda a invicta bandeira,
À luz viva do teu céo!
Brade a Europa á terra inteira:
Portugal não pereceu!
Beija o teu sólo jucundo
O Oceano, a rugir de amor;
E o teu braço vencedor
Deu mundos novos ao mundo!
Às armas, às armas!
Sobre a terra, sobre o mar,
Às armas, às armas!
Pela patria lutar!
Contra os Bretões marchar!
III
Saudai o sol que desponta
Sobre um ridente porvir;
Seja o eco de uma afronta
O sinal do resurgir.
Raios dessa aurora forte
São como beijos de mãe,
Que nos guardam, nos sustêm,
Contra as injurias da sorte.
Às armas, às armas!
Sobre a terra, sobre o mar,
Às armas, às armas!
Pela patria lutar!
Contra os Bretões marchar!!
Ele há cargas fantásticas, não há?