As minhas cachadas no Geocaching

Profile for jpngi

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

TERRA SÓ HÁ UMA - e nós estamos todos juntos

Caros Bloguistas Militantes


Ia começar e acabar este post só com uma linha que era simplesmente para dizer BOAS FESTAS E UM EXCELENTE 2010 para todos vós.
Mas a Cimeira de Copenhaga, a Hopenhagen como alguns lhe queriam chamar, foi uma esperança vã... não chegámos, e sublinho chegámos, porque nas Democracias todos somos responsáveis, porque todos somos habitantes da Terra... NÃO CHEGÁMOS a nenhum acordo.
Estamos á beira de ser das últimas gerações de humanos a habitar este planeta, a continuarmos assim é para aí que caminhamos, e levamos muitas espécies de mamíferos e não só connosco.
Temos 4 pontos fundamentais e estratégicos pra atingir
1 -Este é um momento crucial para toda a humanidade em que são necessárias serem polítcamente tomadas decisões , Impor medidas, Arranjar soluções, Arranjar alternativas, Ter ideias.
Mas infelizmente atravessamos um tempo em que não vemos nos actuais políticos e nos seus assessores "alguém" que crie o "ELAN" necessário para que a humanidade que já está empenhada concilie os seus esforços.
Várias medidas para reduzir as emissões perigosas de CO2 tem de ser tomadas, e a utilização GRATUITA DE TRANSPORTES PÚBLICOS, é uma delas. Em Kioto impuseram-se quotas de emissão de CO2 aos países que assinaram o tratado, com a multa subsequente para quem não cumprisse. Mas em Kioto para mim foi um jogo de aparências, pois os países quiseram dar a impressão que se preocupavam com o ambiente, mas deram como sinal contrário, a possibilidade de comprarem as quotas de emissão de CO2 dos países não desenvolvidos que não as atinjam, em vez de arranjarem soluções para efectivamente reduzirem a emissão de CO2.


Uma espécie de poupa-se na farinha e gasta-se no farelo.
Com os TRANSPORTES GRATUITOS, a contribuição para a redução de CO2 seria visível , pois implicaria com mais uma ou duas medidas, como por exemplo taxar a entrada de carros dentro das cidades, que os cidadãos andassem mais de Transportes Públicos. Para os países era fácil financiar este tipo de iniciativa, pois o dinheiro que poupavam pela não emissão de CO2 dos transportes particulares, implicaria não atingir as quotas de CO2 e com o dinheiro que tinham de canalizar para multas ou para comprar quotas a outros países, serviam para pagar aos operadores de transportes para os compensar da gratuitidade.
2- Outro factor, é o da consciencializção dos povos. MUITO POUCOS FAZEM MUITO. Se os apartamentos que por exemplo os Portugueses Compram e que custam balúrdios, fossem climatizados, como nos países nórdicos, se a energia solar, o aproveitamento das águas de escorrência dos telhados que correm livremente e não são aproveitadas, se separássemos os esgotos pluviais dos residuais, e reaproveitássemos as águas dos pluviais para limpeza e descarga das águas na casa de banho, se utilizássemos lâmpadas económicas, se aproveitássemos as águas que vão para os esgotos para gerarem electricidade, se utilizássemos tachos e panelas na cozinha que precisam de menos calor para cozinhar, então as casas consumiriam menos energia e a emissão de CO2 para a atmosfera seria menor.

3- Por outro lado Mais Verde, Mais Verde, Mais Verde e despoluir os rios. Quem transforma o CO2 em O2 pela acção da fotossintese, são as árvores.
O abate maciço de árvores, a desflorestação, os incêndios sistemáticos, a falta de limpeza das matas e dos matos, destrói a biodiversidade, reduz a transformação de CO2 em O2.
Por isso mais verde, mais verde, investir mais verde, nas cidades, nos campos, nas planícies, nas montanhas e montes, ao longo das autoestradas, mais jardins, mais parques ecológicos como o de Monsanto ou similares, e deixarmos de investir no betão.
Despoluir os rios, salvaguardar as bacias hidrográficas, salvaguardar as águas de escorrência de modo a protegermos, abastecermos e restaurarmos os lençóis freáticos, que são tão importantes para reter água doce.
Limpar os leitos do rio e as suas margens do lixo e das construções em leitos de cheias.
Acabar de uma vez por todas com a emissão de poluentes que as indústrias fazem para a água e para os solos, investindo em indústrias e soluções de poluição zero ou quase zero, diminuir o consumo de energia pelas indústrias e fazer o reaproveitamento da energia despendida ou que esta seja auto-gerada.

5- Mas mesmo que estas medidas fossem tomadas, eu, que sou pela visão catastrofista, penso que este planeta em termos ambientais, depois do que já lhe fizemos nestes últimos 2 séculos, aliado a uma inevitável ordem natural, ele não vai deixar espaço para nós.
A Terra já mudou de pólos, de clima, já avançou e recuou mares, etc.. uma série de vezes, e vai continuar a fazê-lo. É INEVITÁVEL.
Nós, seres humanos, que nos dizemos inteligentes, já deveríamos ter pensado, em canalizar todos os nossos esforços e imaginação, não para as guerras ou não para a indústria do armamento, mas sim para a indústria espacial. Já deveríamos estar a explorar, novos mundos, novos planetas, já deveríamos estar a explorar fora do sistema solar.
Já deveríamos estar a colonizar esses planetas "civilizada e ambientalmente"com responsabilidade, cuidando do futuro da raça humana.
É A NOSSA ÚNICA SAÍDA, É A NOSSA ÚNICA ESPERANÇA... Nós já deveriamos estaer nas geração seguinte na ida par ao espaço
Mas estamos estão longe disso, tão longe...que duvido que consigamos, e se não conseguimos não sei se sobreviveremos...
Se conseguirmos então aí sim e porque estamos todos juntos...... serão BOAS AS FESTAS.

"We All Stand Together" - Paul McCartney
BOM BOM BOM,
BOM BOM BOM,
BOM BOM BOM BOM BOM.

WIN OR LOSE, SINK OR SWIM,
ONE THING IS CERTAIN, WE'LL NEVER GIVE IN.
SIDE BY SIDE, HAND IN HAND,
WE ALL STAND TOGETHER.

BOM BOM BOM - BY-I-YAH,
BOM BOM BOM - BY-I-YAH.

PLAY THE GAME, FIGHT THE FIGHT,
BUT WHAT'S THE POINT ON A BEAUTIFUL NIGHT?
ARM IN ARM, HAND IN HAND,
WE ALL STAND TOGETHER.

BOM BOM BOM BOM BOM BOM BOM.

LA-LA-LA-LA-LA-LA-LA-LA,
KEEPING US WARM IN THE NIGHT.
LA-LA-LA-LA-LA-LA-LA-LA-LA-LA-LA,
WALK IN THE LIGHT, YOU'LL GET IT RIGHT.

DOO, DOO, DOO,
DOO, DOO, DOO,
DOO, DOO, DOO, DOO, DOO, DOO, DOO, DOO, DOO,
MEOW, MEOW, MEOW,
MEOW, MEOW, MEOW,
BOM BOM BOM BOM BOM.

LA-LA-LA-LA-LA-LA-LA-LA,
KEEPING US WARM IN THE NIGHT.
(BA-BA-BA-BA-BA BOM BOM)
LA-LA-LA-LA-LA-LA-LA-LA-LA-LA-LA,
WALK IN THE LIGHT, YOU'LL GET IT RIGHT.

WIN OR LOSE, SINK OR SWIM,
ONE THING IS CERTAIN, WE'LL NEVER GIVE IN.
SIDE BY SIDE, HAND IN HAND,
WE ALL STAND TOGETHER.

BAM -

LA-LA-LA-LA-LA-LA-LA,
LA-LA-LA-LA-LA-LA.
LA-LA-LA-LA-LA-LA-LA-LA-LA-LA,
LA-LA-LA-LA,
LA-LA-LA-LA.

WE ALL STAND TOGETHER!
ELE HÁ CARGAS FANTÁSTICAS NÃO HÁ? A BRIGADA JÁ TEM EM MARCHA UMA EQUIPA ESPACIAL.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Aminetou Haidar - A Ghandi Saharaui

Hoje destaco não um mas dois blogues:
o Primeiro que se chama "Blogo Social Português" tem como subtítulo-
"Que la pluma sea también una espada, y que su filo corte el oscuro muro por el que habrá de colarse el mañana [Subcomandante Marcos]", é como o nome indica um Blogue Social, de causas. Podem ver em
http://blogosocialportugues.blogspot.com/
E o segundo é O blogue "Pimenta Negra"; Um blogue sobre os movimentos sociais, a ecologia, a contra-cultura, os livros, com uma perspectiva crítica sobre todas as formas de poder (económico, político, etc)
http://www.pimentanegra.blogspot.com/
Caros Bloguistas Militantes
Ainda não havia internet, e já os membros da Brigada apoiavam moções sobre a Autodeterminação de dois povos que eram oprimidos: Os Timorenses (ao tempo oprimidos pela Indonésia) e o Povo Saharaui (ao tempo e ainda hoje invadidos e oprimidos por Marrocos).
Devemos dizer que até temos uma certa simpatia pelo Reino de Marrocos, excepto nesta pequena, triste e importante matéria.
Após muitos anos de aprovação de moções, foi com uma alegria imensa que invadiu os nos nossos corações que assistimos à independência do Povo de Timor, largando o julgo ditatorial e sangrento da Indonésia.
Mas o sofrimento do Povo Saharaui continua, e nessa parte do globo não tivémos ainda a alegria que vivemos em Timor.
Mas afinal o que se passa no Sahara Ocidental, e porque é que faz greve de fome Aminetou Haidar?
Antes de ir directamente ao assunto deixem-me só enquadrar a situação.
Continua a ser com profunda tristeza que ainda se assiste à ocupação, tortura e outras atrocidades que Marrocos infere ao Sahara Ocidental.
Já deixei por limite de idade a organização que politicamente colocava em relevância estas causas e não as deixava cair no esquecimento.
Passados alguns anos, o dia a dia que nos consome, e nos faz ser egoístas e nada societários, fez com que esta causa dos Saharauis não fosse uma prioridade no nosso dia a dia mas sim uma leve lembrança.
Agora infelizmente o caso veio de novo à baila, e nós não poderíamos nem queremos ignorar.
historicamente, assim temos que o Sahara Ocidental (Sara Ocidental ou Sahara Ocidental) é um território na África Setentrional, limitado a norte por Marrocos, a leste pela Argélia, a leste e sul pela Mauritânia e a oeste pelo Oceano Atlântico, por onde faz fronteira com a região autónoma espanhola das Canárias.
Capital: El Aaiún.
O Sahara Ocidental está na Lista das Nações Unidas de territórios não-autónomos desde a década de 1960.
O controlo do território é disputado pelo Reino de Marrocos e pelo movimento independentista Frente Polisário.
Quando, em 1975, a Espanha abandonou a sua antiga colónia, deixou para trás um país sem quaisquer infra-estruturas, com uma população completamente analfabeta e desprovida de tudo. O vazio criado pela Espanha foi aproveitado pela Mauritânia (que se assenhora de 1/3 do território) e por Marrocos (que fica com o restante) para, ambos invocando direitos históricos, invadirem o território, sem que até hoje nenhum país ou instituição tenha reconhecido a soberania marroquina sobre esse território.
A situação é grave, tão grave como a que ocorreu em Timor-Leste, pois a força ocupante, Marrocos, não permite ao desde há 18 anos que o Povo Saharaui e as Nações Unidas apliquem aquilo que foi apresentado como a solução do problema e que, na altura, foi aceite pelas duas partes em conflito – o Reino de Marrocos e a Frente Polisário: um Referendo de Autodeterminação Livre e Justo (a ONU procedeu já ao censo da população com direito a votar e definiu as questões a colocar no referido referendo: Integração em Marrocos; Autonomia dentro do Reino de Marrocos ou Independência).
Aminatu Haidar, que tem tido uma atitude exemplar, comparada a de Mahatama Ghandi, foi expulsa a 14 de Novembro de 2009 do Sahara Ocidental para a Espanha pelas autoridades marroquinas, que lhe confiscaram o passaporte no aeroporto de Lanzarote (Espanha), faz hoje um mês que a activista Saharaui está em greve de fome para que as autoridades ocupantes lhe reconheçam a cidadania Saharaui e o direito de regressar ao Sahara Ocidental.
Ela faz parte "do Povo Saharaui que nos últimos 34 anos tem sido forçado a viver ou sob uma injusta e brutal ocupação no Sahara Ocidental ou em desolados campos de refugiados no deserto argelino", escreveu ela ao lideres da U.E. Aminatu Haidar pede para que "pare com as detenções arbitrárias, a tortura e o desaparecimento de defensores dos direitos humanos no Sahara Ocidental ocupado" e que liberte os presos de consciência nas prisões marroquinas."
A activista pede ainda pressão sobre Marrocos para que seja autorizada a voltar a casa para junto dos filhos.
Não compreendo como é que a Espanha Socialista de Zapatero tem uma atitude tão vil e tão baixa, escudando-se na "Burocracia Internacional" e nas "Tramas Diplomáticas" para dizer que nada pode fazer.
Não entendo porque é que internamente e no campo das ideias os partidos sejam eles de que ideologia forem, dizem uma coisa, e tem princípios e depois perdem-nos todos quando se trata de relações internacionais ou de situações especificas que os seus ideários dizem para fazer exactamente o contrário. Também não entendo onde e como é que podem ser diferentes a autodeterminação do povo de Timor e a dos Saharauis ou seja como é que o Governo de Portugal teve uma voz em relação aos primeiros e agora tem outra vez um ensurdecedor silêncio em relação aos segundos.
A política dos sorrisos e dos enganos e do "Laisser faire, laisser passer" não me convence e desilude-me, vou mais longe... deixa-me possesso.
É com grande preocupação, embora não visível, que assistimos à greve da fome que a lutadora Saharaui Aminetou Haidar está a fazer desde 14 de Novembro, no aeroporto de Lanzarote, para que as autoridades ocupantes lhe reconheçam a cidadania Saharaui e o direito de regressar a casa para junto dos seus filhos, em El Aiun, no Sahara Ocidental.
TIMOR-LESTE tem uma atitude coerente e de firmeza, pois sebe bem do que se trata, passou pelo mesmo, Ramos-Horta lançou um apelo “à libertação imediata e incondicional dos sete activistas Saharauis dos direitos humanos presos no dia 8 de Outubro de 2009 no aeroporto de Casablanca”, para além de ter exigido que se acabe imediatamente com este atentado aos Direitos humanos e ao direito de Autodeterminação. Não podemos ignorar, como diz o poema: vemos, ouvimos e lemos.
Para terminar, duas notas:
A primeira, admiro a posição da Srª Aminetou Haidar que tem levado a sua luta tal como Mahatma Ghandi idealizou e levou Avante a sua, e a segunda é a seguinte:
Como já devem ter lido em posts anteriores, sabem como a Brigada é por um mundo sem fronteiras, mas admitimos que para chegar lá concedemos que temos de dar pequenos passos, e casos como este do Sahara Ocidental, são um passo que inevitavelmente teremos de dar, para chegar à situação que preconizamos como ideal (ver o post que publiquei em 14/02/2009).
Não ignoremos, não tomemos isto como banalidade, não tomemos isto como um caso típico que acontece diariamente e que encaramos como mais uma fatalidade, não condenemos, não nos refugiemos no nosso consumismo individualista quando toda uma sociedade humana grita por nós.
Não, é preciso saber dizer não, para que um dia todos oiçam o Sim desejado.
Não julgues nenhum Homem até teres caminhado com os seus sapatos durante um tempo... diz-nos um Provérbio Índio.

Clandestino - Manu Chao
Solo voy con mi pena
Sola va mi condena
Correr es mi destino
Para burlar la ley
Perdido en el corazón
De la grande Babylon
Me dicen el clandestino
Por no llevar papel
Pa' una ciudad del norte
Yo me fui a trabajar
Mi vida la dejé
Entre Ceuta y Gibraltar
Soy una raya en el mar
Fantasma en la ciudad
Mi vida va prohibida
Dice la autoridad
Solo voy con mi pena
Sola va mi condena
Correr es mi destino
Por no llevar papel
Perdido en el corazón
De la grande Babylon
Me dicen el clandestino
Yo soy el quiebra ley
Mano Negra clandestina
Peruano clandestino
Africano clandestino
Marijuana ilegal
Solo voy con mi pena
Sola va mi condena
Correr es mi destino
Para burlar la ley
Perdido en el corazón
De la grande Babylon
Me dicen el clandestino
Por no llevar papel
Argelino clandestino
Nigeriano clandestino
Boliviano clandestino
Mano negra ilegal
HÁ CARGAS FANTÁSTICAS, NÃO HÁ? A BRIGADA TEM DE INTERVIR NESTA E NOUTRAS SITUAÇÕES,POIS JÁ ANDA CALADA E PARADA HÁ MUITO TEMPO, A BRIGADA JÁ ESTÁ A TOCAR A REUNIR...NOVAMENTE

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Aproveitamento da frente ribeirinha

Hoje o blogue em destaque é "Greeman" um blogue sobre jardinagem, com fotos de plantas, insectos e animais mais frequentes de serem encontrados num jardim. http://musgoverde.blogspot.com/ já sabem é só clicar em cima
Caros Bloguistas Militantes
O Porto, Coimbra e Lisboa, possuem frentes ribeirinhas de invejável beleza.
Cada uma das cidades temo perfume com as fragrâncias particulares do Rio que as banha.
Umas possuem um rio com caudal mais abundante outras tem-no com caudal mais exíguo e ainda dependendo da época do Ano.
Quando falo das frentes ribeirinhas não me restrinjo só a Lisboa, Porto e Coimbra. Abro o leque todo e falo de todas as cidades de Portugal que tem perto de si um magnífico rio.
No que toca a estas 3 cidades, quando falo em sub-aproveitamento refiro-me às duas margens.
Particularmente em relação a Lisboa falo em 60 km para montante e 40 km para jusante já apanhando Oceano)e no que concerne ao Porto 15 KM para Montante e 15km para jusante, já Coimbra só mesmo dentro da cidade, já que entramos em paisagem rural muito rapidamente, e descer o Mondego, quer de dia quer de noite é bem bonito, o aproveitamento aqui é bem mais limitado.
Se formos a Paris, vemos as margens do Sena bem aproveitadas.
O sena tem uma espécie de dupla margem, uma em cima e outra em baixo, em baixo poderemos assistir numa espécie de anfiteatros: espectáculos de ensino de capoeira, tango, artes marciais na parte inferior das margens.
Na margem superior temos as pequenas lojas, os artistas plásticos e os alfarrabistas, a dar vida e cor às agradáveis margens do rio.
Em muitas outras cidades europeias, nascidas perto de rios, vê-se uma série de aquanautas a usufruírem daquele bem da natureza com bastante regularidade, ele são restaurantes á beira-rio enquadrados com a paisagem, quer sejam em terra quer sejam em barcos, ele são barcos à vela em actividade de ensino ou recreio, ele são provas ou treino de canoagem, vela, pesca desportiva, jogging e outra infinidade de actividades de lazer, que aproveitam bem a sua frente ribeirinha.
Quando olhamos para as nossas frentes ribeirinhas o desalento é enorme, mesmo sem compararmos com as outras cidades europeias.
O voltar de costas das cidades aos seus rios, muitas vezes até poluídos os deixam estar é profundamente desmotivador, triste, decadente, sem cor e de mau gosto.
A natureza deu-nos rios magníficos e condições excepcionais nas cidades, em particular nas que já citei.
O Porto com aquela encosta recortada é magnífico, tão magnífico que o Douro foi considerado património da Humanidade.
Falamos das encostas vinhateiras do Douro, agora quanto ao Porto própriamente dito, também não aproveita a sua frente ribeirinha.
As cidades acomodaram-se ao seu rio, não estão viradas para ele e teem-no só como paisagem.
Tivesse Portugal outro tipo de povo, outra tipo de gente com estas condições e não tínhamos o Tejo, o Mondego e o Douro tão poluídos e desaproveitados.
Por exemplo: As regatas Oxford/Cambridge efectuadas no Tamisa, poderiam ter em Lisboa qualquer coisa do mesmo género a ser realizadas pelas nossas universidades.
Aliás poderia até ir mais além pois o Rio tem largura e caudal para serem feitos muitos outros desportos.
Mas nós não optámos por essa via, optámos pela via dos contentores em Alcântara, da Fundação Champalimaud em Algés, e outras construções perto do rio e com altura que tiram a beleza toda da paisagem e o gosto de usufruir do rio na sua plenitude.
É o querer o rio só para alguns.
Um aparte, acho piada os cidadãos preocupados com a altura dos Contentores em Alcântara, quando nem 3 Km mais à frente a Fundação Champalimaud, que está a ser construída tem efeito igual ou pior ao dos contentores, mas ninguém se preocupa...
Será que tem a ver com a mudança de "cor" e de Concelho? ...

Neste aspecto o Porto e Coimbra estão muito melhores, talvez porque se faça sentir menos o jugo da gestão do "Porto de Lisboa".
Eu explico, só agora é que o Governo retirou ao Porto de Lisboa a gestão da frente ribeirinha, caso não saibam o "U" que faz a bacia do Tejo e que abrange obviamente ambas as margens, da Trafaria a Cascais, sendo que o meio do "U" é Vila Franca de Xira, não pertence aos terrenos das Câmaras locais, mas é gerido pelo Porto de Lisboa.
Ou melhor era,só agora passou parte da gestão para a C.M.L., o Porto de Lisboa deixou as margens do Tejo ao abandono, nuns locais ainda bem, noutros foi péssimo.
Quem andar pelas terras que Soeiro Pereira Gomes tão bem descreve no seu livro "Esteiros", vê com tristeza uma parte da frente do Rio Tejo nas margens de Alhandra sub-aproveitada, mas não melhora se formos para os lados do Samouco.
O que se quer é que se preserve o micro-clima e a nidificação das aves migratórias, que tem de ser preservada no lado de Alcochete/Montijo, deixando a vida selvagem em paz, mas as margens do rio e os arredores preservados para que a natureza não seja perturbada, e também se quer na outra margem que se crie espaços de lazer, de convívio, de formação como tem o rio Sena nos seus anfiteatros, locais para os artistas plásticos, locais para caminhadas e percursos de bicicleta e também virada para os desportos náuticos .
Ora esta vicissitude não é partilhada em grande parte na foz do Douro e nenhuma parte nas margens do Mondego, pelo menos até Coimbra.
Voltando ao Tejo, só quem nunca subiu o Rio da barra até Santa Apolónia, é que ignora a beleza de Lisboa de quem vem do Oceano Atlântico.
É um mais que um postal turístico, é uma beleza de cor, cheiro, e um despertar para os sentidos que é muito particular.
O facto de fazerem construções desproporcionais e não respeitando os declives dos montes em redor das margens do rio, o facto de colocarem Silos feios e incaracterísticos, acrescentando agora um terminal de contentores gigantes, a fundação Champalimaud, e mais uns quantos condomínios privados de luxo, não ajuda nada o turismo da região e afasta o direito que os cidadãos tem de usufruírem do rio.
A linha de comboio e a parte da marginal entre Cais-Sodré e Algés, funciona como um muro que não deixa também os cidadãos aproximarem-se do rio.
Algumas coisas já foram feitas, como por exemplo passarem finalmente a gestão do espaço para a C.M.Lisboa, não sei se com meios financeiros, mas passaram, assim o cidadão já pode opinar sobre o espaço... para bem ou para mal... veremos...
Qualquer das maneiras ainda não foi feito o suficiente, e assim vemos os centros comerciais cada vez mais cheios o consumismo a ganhar espaço em relação ao lazer e ao desporto e ao bem-estar social.
Um Incentivo à prática dos desportos náuticos, programas voltados para essa prática, pois são também desportos olímpicos e temos condições ideiais para estagiar/treinar.
O desporto e o lazer no rio fazem sentir um carinho diferente pela vida, que o contacto com a água/natureza nos faz reflectir, isso tem de ser incentivado.
A linha de comboio e a marginal entre Cais do Sodré e Algés, tem de ser repensada, talvez como alguém sugeriu uma espécie de ondas, em que alternadamente a linha e a estrada são subterrâneas e noutros locais estão à superfície, acabando assim as barreiras entre a estrada/linha e o rio. Houve tempo que se tomaram as decisões erradas em relação à frente rio nas cidades, já passou a hora de dizer basta, agora está na hora de reverter essas decisões, fazer a obra bem feita, harmoniosa e perfeita e justamente nos devolver o Rio a todos.
E por último que os rios sejam despoluídos, de modo a que os Golfinhos voltem... em particular ao Tejo.


P.S. A minha homenagem a Frederico de Brito, por esta canção com uma letra excepcional.
Canoas do Tejo Letra e música: Frederico de Brito
Canoa de vela erguida,
Que vens do Cais da Ribeira,
Gaivota, que andas perdida,
Sem encontrar companheira

O vento sopra nas fragas,
O Sol parece um morango,
E o Tejo baila com as vagas
A ensaiar um fandango

[refrão:]
Canoa,
Conheces bem
Quando há norte pela proa,
Quantas voltas tem Lisboa,
E as muralhas que ela tem

[1:]
Canoa,
Por onde vais?
Se algum barco te abalroa,
Nunca mais voltas ao cais,
Nunca, nunca, nunca mais

Canoa de vela panda,
Que vens da boca da barra,
E trazes na aragem branda
Gemidos de uma guitarra

Teu arrais prendeu a vela,
E se adormeceu, deixa-lo
Agora muita cautela,
Não vá o mar acordá-lo

[refrão]

ELE HÁ CARGAS FANTÁSTICAS, NÃO HÁ? A BRIGADA NAS HORAS DO LAZER DESFRUTA DO RIO QUANDO A DEIXAM, E RECORDA SEMPRE A ENTRADA EM LISBOA VINDO DA BARRA.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

os bons cozinheiros

Hoje destaco o blogue "bonspetiscos", um blogue de ler e salivar por mais ... já sabem é só ir a http://bonspetiscos.blogspot.com/ já sabem é só clicar em cima
Caros Bloguistas mIlitantes
Milénios de evolução e não passamos do mesmo...
Milhares de anos de aprendizagem e sempre vamos parar ao mesmo...
Nas Escolas, nas ruas, campos, construções, nos carros, nos autocarros, barcos e aviões.
Só ouvimos futilidades, conclusões sem o mínimo de espírito crítico ou bocejo de argumentação, sempre com profundidade zero.
Cada vez eu acredito mais que : sejam eles/as pedreiros, cientistas, professores, engenheiros, políticos, profissionais da limpeza, físicos nucleares ou motoristas de táxi.... só pensam numa coisa.
No que é que vai ser o almoço.
É por isso que eu acho que quem escolheu ser cozinheiro é a pessoa mais sábia e avisada do mundo.
Escolheu uma profissão de contentamento dos outros, em que todos com maior ou menor atenção, todos olham para ele/a.
Depois há aqueles que são requintados... e esses fazem dos comeres as delícias dos prazeres.
Esses são denominados de chef's.
Um bom chef satisfaz homens e mulheres na mesa... em quantidades por vezes exíguas...mas o que é bom é para ser apreciado nas quantidades certas... como um bom cozido à portuguesa, uma boa feijoada... e tantos e tantos pratos bons que os Franceses nem sonham...
Mas sem depreciação nenhuma, um/a bom/a cozinheiro/a é o/a maior da nossa sociedade, são eles que nos fazem mover todos os dias.
Hoje deixo-os aqui uma receita... simples de fazer... só demora 50 minutos...

Lombos de Salmão Marinados com Alecrim
Ingredientes
Bom azeite Q.B.,
Sal q.b.
Alecrim q.b.
1 folha de louro
4 postas de Lombos de salmão 300 gr.
alecrim que de para cobrir as postas de salmão
sumo de meio limão
Sumo de meia Laranja
2 colheres de sopa de molho de soja
1 colher de chá de Açúcar mascavado
pimenta q.b.
1 colher de sobremesa de vinagre de sidra
alho em pó q.b.
Couves de Bruxelas 3 por pessoa
4 Batatas grandes partidas em cubos ou entoa batatas pequeninas 4 por pessoa.
Preparação
Coloque os Lombos de Salmão numa travessa, tempere alho em pó, um toque de pimenta,coloque por cima o açúcar mascavado. Regue com o sumo de limão e da laranja, acrescente o molho de soja, o vinagre de Sidra e finalize colocando o alecrim por cima das postas de salmão.
Deixe marinar por 20 minutos ou mais.
Aqueça o forno a 200 graus e coloque o salmão com as batatas por 20 minutos, até as batatas e o salmão estarem ok.
Servir com legumes. (couves de bruxelas)
Et voilá
Por último chamar-me para ir lavar as mãos e ir para a mesa.
Mais uma vez esta é uma singela homenagem que eu deixo ao tempo que nos Escoteiros.
Muitos foram os cozinhados que lá fiz e aprendi, e sobretudo a arte de cozinhar a lenha (poucas ou nenhumas vezes deixámos queimar).
Quero em particular homenagear mais uma vez a meu pai, o Chefe Armando Inácio, que conjuntamente com o chefe Manuel Tacão Monteiro fez esta canção engraçada.
Canção que cantávamos quer na cozinha, quer nos Fogos de Conselho, vestidos de cozinheiro e com grandes colheres de pau na mão.
Belos tempos e a Saudade é grande.
Um grande abraço para eles todos, estejam eles em que parte do universo estiverem.
Até sempre.
OS DOIS COZINHEIROS Letra de Armando Inácio e Música de Manuel Tacão Monteiro
Somos 2 cozinheiros,
aventureiros
sempre alegres e contentes
Para fazermos guisados
somos chamados
nós os 2 por toda a gente

Faca na mão
para descascar batatas
e colherão para volta ao caldeiro
Somos 2 tipos com bastante lata
por isso somos
2 bons cozinheiros

No primeiro acampamento
em que entramos em acção
fizemos o alimento
para a nossa divisão
O rancho estava perfeito
qualquer coisa de espantar
só com um pequeno defeito
ninguém o pode tragar.

Somos 2 cozinheiros,
aventureiros
sempre alegres e contentes
Para fazermos guisados
somos chamados
nós os 2 por toda a gente

Faca na mão
para descascar batatas
e colherão para volta ao caldeiro
Somos 2 tipos com bastante lata
por isso somos
2 bons cozinheiros

Certo dia num banquete
fizemos um bolo rei
pouco açúcar
pouco leite
como ficou eu não sei
só sei que o dono escamado
quase nos partia os dentes
Ficámos desempregados
sempre alegres e contentes

Somos 2 cozinheiros,
aventureiros
sempre alegres e contentes
Para fazermos guisados
somos chamados
nós os 2 por toda a gente

Faca na mão
para descascar batatas
e colherão para volta ao caldeiro
Somos 2 tipos com bastante lata
por isso somos
2 bons cozinheiros

ELE HÁ CARGAS FANTÁSTICAS NÃO HÁ? O MELHOR DA BRIGADA É A HORA DA PAPAROCA... MIAM MIAM ..EHEHEHEH....