As minhas cachadas no Geocaching

Profile for jpngi

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

Palavras para quê? PARABÉNS




Caros Bloguistas
Apesar do que escrevi no texto anterior, palavras para quê?
Estou Orgulhoso destes dois.
Mas não estou insatisfeito com os outros, quem praticou desporto sabe que existem dias menos bons.
Não gostei dos jornais, que disseram que gastámos 15 milhões com os atletas.
Pois o Nelson, a Vanessa, a Naide, o Oblikuelo, a Telma, já nos começaram a habituar e deram-nos a nós Portugueses a honra de sermos campeões da Europa e do Mundo, o facto de falharem , o facto de alguns falharem nos Jogos Olímpicos não põe em causa os milhões que investimos neles.
Temos atletas colocados nos 10 primeiros do mundo, antes não tinhamos nada nas disciplinas técnicas, refilamos de barriga cheia...
Num país que só 5% da população pratica desporto, somos mais a dizer mal do que a praticar... amenos que o "dar á língua" seja considerado desporto olímpico , é que se for teremos todo o podium só para nós...
O certo é que em vez de incentivarmos enterramos...enfim...mas os nossos jornais já nos habituaram a isso (quantos jornalistas saberão pela prática o que é o verdadeiro espirito e esforço desportivo).
Agora, desses milhões que encaminhamos para o desporto, invistam pelo menos num curso de declarações aos atletas.
Porque eu também gosto de ficar na caminha ... if you know, what i mean...
Parabéns ao Nelson Évora e à Vanessa Fernandes, porque GLÓRIA AOS VENCEDORES... e em Portugal... ai dos vencidos...
ELE HÁ CARGAS FANTÁSTICAS NÃO HÁ? MAS AS CARGAS OLÍMPICAS SÃO AS MELHORES.

sábado, 16 de agosto de 2008

CÁ VAMOS CANTANDO E RINDO NOS J.O.

Este é o BLOGUE DO DIA, hoje destacado por este vosso soldado que pertence a uma brigada ligeira. A Brigada nas horas de lazer aprende com este blogue. Esta brigada que não escreve tão bem que de para um NOBEL, quer melhorar e cultivar-se e então dá uma "saltada" a este blogue para ver se fica menos ileterada. É um blogue em que o seu autor já nele não escreve, mas é interessante de ver: http://www.zoompalavras.blogspot.com/- Basta clicarem em cima do link para lá irem ter.

Caros Bloguistas militantes
Começaram os Jogos Olímpicos.
Com aquela maravilhosa e inesquecível abertura, eu só vi parte dela.
Esquecemos logo os Direitos Humanos, esquecemos tudo, de tão deslumbrante que foi.
Quanto aos Direitos Humanos, talvez um dia, falemos aqui deles.
Quanto aos J.O. propriamente ditos, medalhas para Portugal... pois nem por isso.
Poderíamos apontar a falta de capacidade de sofrimento, a falta de postura, o faltar-nos tudo, mas... mas a culpa não é deles.. ou seja dos atletas.
A situação não é conjuntural, ou melhor foi conjuntural quando ainda ganhávamos algumas medalhas.
É certo que não temos os meios ilimitados dos EUA ou de outros países europeus, mas o nosso problema é e sempre foi estrutural.
Sem investimento, não há rendimento.
O facto de termos perdido a liderança, na maratona, no fundo e meio fundo, e termos ganho medalhas em competições que até então não sonhávamos sequer lá chegar, é revelador de muita coisa.

Se repararem, não sabemos jogar em equipa, pois competições de equipa, até no hóquei patinado já não somos o que éramos, temos esse defeito como povo.
As modalidades medalhadas noutros J.O. não nestes, são modalidades digamos assim mais ricas, mais elitistas.
Melhor dizendo, precisam de outras condições que não seja só uma estrada, uns ténis, e um equipamento para treinar, e com treinos que se faziam depois da hora de saída do trabalho.
Isto revela que nós, portugueses, em termos de nível de vida evoluímos (basta vermos a série televisiva que passa na RTP1, " Conta-me como foi") bastante, mesmo dizendo mal dos nossos políticos evoluímos bastante, mas será que no caminho certo e em todos os sectores?
Não é alheia a esta evolução a nossa entrada na então CEE, em que o Sr. Dr. Mário Soares teve grande mérito nisso, que foi a decisão mais acertada, quanto a mim, do século vinte, mas essa decisão precisava de que os governos posteriores não esbanjassem dinheiro em coisa que claramente só beneficiaram alguns para a compra de "JEEPS".
Mas lá evoluímos, e ao progredirmos, deixámos de ser bons nos desportos de tostões e passámos a competir mais seriamente em desportos cujo investimento é mais avultado.
Não deveríamos nunca ter descurado os desportos em que já éramos bons e tínhamos referências.
Mas como dizia, aquelas medalhas no fundo e meio fundo foram todas conjunturais, estruturalmente continuamos mal.
E qual a razão? Qual a causa das coisas?
Correndo o risco de ser muito polémico, diria que a política de desporto do Dr. Salazar estava no caminho certo.
No caminho certo mas com razões erradas, o que não faz dessa política uma boa política, mas também não faz dela uma política em que deitemos tudo fora.
Eu explico. Refiro-me à "Mocidade Portuguesa".
A "Mocidade Portuguesa" é o exemplo da política certa por motivos errados, quanto a mim, era uma forma de disciplina e de incentivar o desporto na juventude.
Obrigava os jovens a tomar conhecimentos em diversos desportos, das suas regras, das suas realidades e sacrifícios.
Bem implementada esta política, daria oportunidade aos jovens de escolherem ou serem escolhidos para diferentes modalidades que melhor se adaptassem a eles. Quanto a mim, esta é a parte da política do Dr. Salazar que está certa.
A parte da política errada, e que é de repudiar, é que a disciplina, era uma disciplina militar imposta e não era mais que uma preparação psicológica para o regime e para a guerra de África que então se travava, para além de querer incutir desde pequenos as ideias de um regime ultra-conservador e que esteve sempre fora de moda desde o seu início.
Mas o certo é que a parte essa política, foi destruída com o Abril de 1974, e à boa maneira portuguesa, fez-se tábua rasa de tudo, não se aproveitando o que era bom e excluindo o que era mau... enfim o costume cá do burgo.
Por isso estamos habituados a dizer mal por sabermos que não vamos ter hipóteses de competir nas olímpiadas e noutros "meetings" ao mesmo nível que outros países, isto na remota hipótese de sermos classificados.
A crise é estrutural, porque não achamos novos atletas, e como será isso possível se não damos hipótese de dar a conhecer aos mais novos todas as vertentes do desporto?
Como será isso possível, se país e educadores, aceitam os pedidos da sua prole, quando se querem "baldar" a Educação Física?
Nunca iremos lá, se o único desporto apelidado de sucesso é o futebol?
Para depois assistirmos, a milhares de investimento das camaras municipais, em estádios que dão prejuízos e estão ás moscas como é o caso do Estádio do Algarve, e de milhões para clubes que depois vão á falência como é o caso do Salgueiros e do Boavista.
É que foram milhões de contos dos contribuintes, para esses clubes investidos pelas câmaras municipais, e que serviram para comprar jogadores e pagar os seus ordenados, para depois no fim, os clubes acabarem.
Ao invés de terem uma boa política de desporto que nos dariam atletas e condições para esses atletas chegarem a medalhas olímpicas e brilharem noutros meetings internacionais.
Em democracia ser livre, não é termos o privilégio de abandalharmos o sistema, isso não é democracia, nem sequer anarquia.
A proposta é simples, voltemos á "Mocidade Portuguesa", tornemos obrigatório o desporto, "Mens sana in corpore sano", desculpem o meu latim está tão enferrujado, mas a verdade é que nunca tive latim...
Tirávamos da "Mocidade Portuguesa" a carga ideológica e os propósitos "guerreiros" da coisa, e ficávamos com uma política de desporto, não muito diferente dos USA ou da França ou da Dinamarca.
Ah, claro que também mudávamos o nome, em vez de "Mocidade Portuguesa", os publicitários que inventassem um nome, o que interessa é o espírito da coisa.
Desde pequenos que deveríamos fazer com que os jovens tivessem conhecimento e experimentassem os desportos todos, equipas especializadas, veriam quais os mais aptos e com queda para este ou aquele desporto, ou mesmo aqueles que não tinham jeitinho nenhum para a coisa (acresço que o mesmo deveria acontecer com a música e o seu ensino, sei que não está bem dentro deste âmbito).
O desporto escolar deveria ser uma realidade, as férias desportivas também.
Só assim, tomando conhecimento com desporto e as regras das diversas modalidades, deixaríamos de ver pessoas a gritarem golo quando um basquetebolista encesta uma bola, ou mesmo no futebol as pessoas saberem as regras do jogo e não andarem a dizer disparates na TV e nos cafés e no trabalho.
Além disso quem pratica e praticou desporto, sabe que desporto é desporto e que a competição é e tem de ser saudável, e que uma derrota não é uma calamidade, e que uma vitória está longe de ser um endeusamento.
Quem praticou desporto, sabe, que para se saber ganhar, tem de primeiro saber-se perder, quem praticou desporto sabe, que a perfeição e as vitórias, só a elas se chegam com treino, treino e mais treino e espírito de sacrifício.
Quem pratica ou praticou desporto (que parece não ser o caso de muitos jornalistas e chefes de redacção desportivos), sabe que um segundo jogo, não é uma vingança, é apenas mais um jogo, quanto muito uma desforra sadia, não uma guerra que faz incendiar claques.
Quem praticou desporto, sabe respeitar o adversário em competição, e sabe que fora dela podem e devem ser amigos.
Quem pratica e praticou desportos colectivos sabe que jogar em equipa é a melhor forma de realçar as individualidades, e que ensina a saber viver em sociedade.
Uma política nacional de "Mocidade Portuguesa" é necessária, tiremos os pais e os filhos dos centros comerciais aos fins de semana, contribuamos colectivamente para que o nosso país melhore as suas prestações desportivas internacionais, contribuamos para uma melhor sociedade.
É necessário tirar das consolas e dos pc's, os nossos jovens. Ar livre e desporto precisam-se.
Quantos atletas de excepção, por negligenciarmos e não dar-mos condições aos jovens que na minha geração e da posterior, e ainda das vindouras, já perdemos?
Já para não falar da diminuição de jovens viciados e sem objectivos que a nossa sociedade estática está a semear neste terreno infértil para o desporto mas fértil para o vício e outros males.
Não estou a renegar as tecnologias e a nossa necessária adaptação. Não, claro que não, o que eu não quero é continuar neste marasmo, de malidicencia nacional que culpa os nossos atletas de irem lá fora e não vencerem, transportando para eles as nossas frustrações de não teremos sido ninguém em determinado desporto porque nunca nos deram oportunidade para isso.
Fico triste de não ganharmos nenhuma medalha nos J.O., mas fico mais triste quando vejo que o problema estrutural se mantém e vai continuar a manter e medalhas nos Jogos Olímpicos, só se forem os pin's que os nossos atletas trazem.
Mas enquanto assim for... lá vamos cantando e rindo...

Hino da Mocidade Portuguesa

Lá vamos cantando e rindo
Levados levados sim
Pela voz do som tremendo
Das tubas clamor sem fim
Lá vamos que o sonho é lindo
Torres e torres erguendo
Clarões, clareiras abrindo
Alva de luz imortal
Que roxas névoas despedaçam
Doiram os céus de Portugal
Querer querer e lá vamos
Tronco em flor estende os ramos
À mocidade que passa
Cale-se a voz que turbada
já de si mesmo, se espanta.
Cesse dos ventos, a infâmia
ante a clara madrugada,
em nossas almas nascida.
E por ti, ó Lusitânia,
corpo de Amor, Terra Santa.
Pátria, serás celebrada
e por nós, serás erguida.
Erguida ao alto da Vida.
Lá vamos, cantando e rindo

ELE HÁ CARGAS FANTÁSTICAS, NÃO HÁ? A BRIGADA RESPEITA OS JOGOS OLÍMPICOS E TAL COMO ANTIGAMENTE FAZ UMA TRÉGUA E NÃO ATACA,QUER DIZER SÓ ATACA DESPORTIVAMENTE... MEDALHAS...

quinta-feira, 7 de agosto de 2008

É O PAÍS QUE TEMOS

Caros Bloguistas Militantes

A nossa Brigada hoje escolheu para destaque o blogue "Frases e Perguntas Polémicas (ou apenas curiosas) ", um blogue e que segundo o seu autor "foi idealizado a partir de frases soltas, ideias mirabolantes e questões chocantes." Convida o leitor a participar, a intervir... coisa difícil neste nosso Portugal. É um espaço que pretende ser de "evasão mental e construção de pensadores livres. Bem vindos a todos os polémicos... a nossa hora chegou!" - Pois então visitem-no em http://polemicasincomodas.blogspot.com/ Basta clicarem em cima do link para lá irem visitá-lo

Caros Bloguistas Militantes

Nunca acordaram querendo mandar tudo para as urtigas? eu já...
BARDAMERDA, estou farto de ser tratado como se fosse estúpido.
Estou farto de ser maltratado,BARDAMERDA.
Estou farto! Estou farto! Estou farto!
BARDAMERDA. Pronto já disse.
Que raio de desígnio este, que triste fado, que malfadada sina, este país que teima em tratar mal os seus cidadãos...
É o funcionalismo público que em vez de servir e facilitar, serve-se a ele próprio e atrasa-nos, e mais grave, fica impune.
E para não dizerem que eu sou como o bastonário da Ordem dos Advogados que faço acusações sem fundamento, eu digo:
O Estado é mau pagador, o Estado não cumpre as leis e as sentenças que os tribunais a isso lhe obrigam, quem tem dívidas a receber do Estado, fica sem dúvidas que se as receber ( caso não desista) só o vai fazer depois de longa batalha judicial e passados alguns anos. Se o cidadão ganha contra o Estado e este é condenado a pagar, este não paga e o cidadão tem de colocar novo processo... Os advogados que percebem de direito fiscal, são os mais bem pagos porque os processos contra o Estado são intrincados, complicados e morosos.
Não quero saber dos orçamentos e das desculpas que eles inventam, se existe uma dupla dívida, o estado deve ao cidadão 120 euros e o cidadão deve ao Estado 100 euros, porque é que o Estado não faz como todas as empresas ou seja um encontro de contas? E não me venham com justificações porque nesta matéria não as aceito.
Estou farto! Estou farto! Estou farto! BARDAMERDA. Pronto já disse.
Mas não ficamos por aqui, o Estado para aligeirar a máquina burocrática do próprio, criou empresas, só que estas filhas daquele, são tão ou mais burocratas que o dito cujo.
E tem as empresas protegidas, como é o caso da CARRIS, que aparenta ter certificados de qualidade mas tem um péssimo serviço. Por exemplo, sabiam que para andar nos eléctricos novos, que já tem uns anos e que já estão a cair de podre, e nunca tiveram o uso para que foram comprados, e que dizem as más línguas (eu não estava lá não vi) quem os comprou embolsou 7 milhões de contos na altura... coisa pouca...
Mas dizia eu, comprar a tarifa de bordo nesses eléctricos, só com moedas, porque os tipos que embolsaram os 7 milhões, para não ganharem só 6 milhões e 990 mil, compraram uma máquina que só aceita moedas... é como diz o ditado para a mulher de César, para ser séria não basta sê-lo tem de parece-lo.
Estou farto! Estou farto! Estou farto! BARDAMERDA. Pronto já disse.
As empresas municipais que também é Estado, não é Estado central mas também é Estado. É a EMEL a cobrar o que não deve, a não pagar aos fornecedores, a BRISA por exemplo é uma das credoras, e como não recebe, o sistema de acesso aos bairros históricos, inaugurado pelo Sr. Santana, que não fez o contrato de manutenção técnica adequado, só se lembrou de o adquirir, anda constantemente avariado, o sistema não o Sr. Santana.
A verdade é que já deixámos a Monarquia quando a trocámos pela REPÚBLICA, mas os Presidentes de Junta e de Câmaras eleitos democraticamente, gerem como se de capitães donatários se tratassem ou de Marqueses. E assim gerem perpétuamente os espaços que lhes estão consignados, são uns autocratas que fazem tudo para se manter (existem honrosas excepções).
Cabe na cabeça de algum regime democraticamente são, que uma equipa de uma Câmara ou junta de freguesia, seja a mesma desde a revolução do 25 de Abril?
Democracias assim, nem ao melhor estilo da América Latina.
Parece que somos todos estúpidos, parece que não existe um mecanismo imediato de limitação de mandatos...
Estou farto! Estou farto! Estou farto! BARDAMERDA. Pronto já disse.
Meus CAROS o poder corrompe, o Poder absoluto, corrompe absolutamente, magister dixit.
E por último, então não é que andamos a ser influenciados para ponderar a energia Nuclear no nosso país?
Passam 67 anos que ontem foi largada a Bomba atómica, já morreram/mataram milhões de pessoas com a radiação, não controlamos a fusão nuclear, estamos longe da fusão a frio, e vêem com esta conversa?
Eu digo-vos, central nuclear em Portugal, e eu saio de cá... não é uma ameaça, nem é uma promessa é uma constatação de facto.
Estou farto de ser maltratado, para servir a senhores que só vêem dinheiro e não o futuro, só vem o lucro e não a sociedade. BARDAMERDA! Estou farto! Estou farto! Estou farto! PORRA. Pronto já disse.
É O PAÍS QUE TEMOS. É O PAÍS QUE TEMOS... e se continua assim qualquer dia acordo e só digo asneiras.

Rosalinda Fausto

Rosalinda se tu fores à praia
se tu fores ver o mar
cuidado não te descaia
o teu pé de catraia
em óleo sujo à beira-mar a branca areia de ontem
está cheiinha de alcatrão
as dunas de vento batidas
são de plástico e carvão
e cheiram mal como avenidas
vieram para aqui fugidas
a lama a putrefacção
as aves já voam feridas
e outras caem ao chão Mas na verdade Rosalinda
nas fábricas que ali vês
o operário respira ainda
envenenado a desmaiar
o que mais há desta aridez
pois os que mandam no mundo
só vivem querendo ganhar
mesmo matando aquele
que morrendo
vive a trabalhar
tem cuidado...
Rosalinda se tu fores à praia
se tu fores ver o mar
cuidado não te descaia
o teu pé de catraia
em óleo sujo à beira-mar
Em Ferrel lá p´ra Peniche
vão fazer uma central
que para alguns é nuclear
mas para muitos é mortal
os peixes hão-de vir à mão
um doente outro sem vida
não tem vida o pescador
morre o sável e o salmão
isto é civilização
assim falou um senhor
tem cuidado.

Ele há cargas fantásticas não há? Mas há armas que a Brigada não usa...por respeito à natureza, porque é leal no combate e também o faz com honra

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

O PATER FAMILIAS CONTRA ATACA

Caros Bloguistas Militantes
A nossa Brigada tem clube, não mistura política com futebol, como muitos por aí o fazem, principalmente se trabalharem numa redação jornalistica, se forem deputados e dirigentes de futebol, se forem magistrados e fizerem parte de algum conselho de jurisdição da FPF, e acho que com isto me referi a 90% da população portuguesa Pelo menos a julgar pelo enfoque que dão ás noticías do mundo futebolístico.
Mas dizia eu, a BRIGADA tem clube, e é do C.F. "OS BELENENSES", para quem não sabe é aquele clube a quem chamam o azuis do Restelo. Por isso o destaque hoje vai para os blogues " «Belém Livre» e «Belém até Morrer». Aqui vão os destaques do chefe para hoje: http://www.belemlivre.blogspot.com/ e http://www.belematemorrer.blogspot.com. Basta clicarem em cima do link para lá irem visitá-lo.
Caros Bloguistas Militantes
Vi escrito, numa repartição pública, "Para que simplificar as coisas se as podemos complicar?", nada mais apropriado para a maioria do funcionalismo público, fez-me logo lembrar o livro/filme "OS 12 TRABALHOS DE ASTÉRIX" em que ele tinha de andar numa repartição pública à procura do formulário A-38 formulário rosa, e que para o obter precisam de uma dúzia de outros formulários... e passam "as passas do Algarve" para conseguir o dito formulário.
Vem isto a propósito de inutilidades.
Inutilidades e fazer perder tempo foio que fez o nosso "PATER FAMILIAS" quando nos informou que se ia dirigir-se á Nação, que a mensagem era grave e séria...
Foi criada muita expectativa em torno da mensagem do Sr.Presidente da República no dia de ontem, dizia-se ser uma mensagem grave e séria, e conjecturamos sobre tal.
Conjecturei também, que isto de costuras, cozeduras e conjecturas são todas filhas do mesmo pano.
Mas por que raio irá ele interromper as férias? Pensei eu e pensámos nós com os nossos botões.
A coisa deve ser mesmo grave...tu queres ver que Portugal vai declarar guerra a alguêm?
Começaram logo a vir-me à cabeça as frases da Ditadura "Angola é nossa", "Portugal é um território uno do minho a Timor"... mas não isso não poderia ser, nada tinha vindo a público, trazido pelos narizes sempre farejadores dos jornalistas.
Excluí logo à partida a questão dos Açores; pois pensei eu o P.R. não iría descredibilizar-se por tão pouco, a matéria não tem relevância política nacional nem de qualquer outro meio, e não estou a minorizar o papel ou importância dos Acores.
Pensei, pensei, e cheguei à conclusão, bom... ele só pode falar dentro de dois âmbitos:
1- Dentro do constitucionalmente previsto
ou
2- Algo pessoal.
Dentro do ponto um pensei, irá decretar o estado de sítio ou algo parecido, depois dos acontecimentos em Loures e a sentença do APito Dourado que está para sair e outras coisas parecidas. Tirei logo o cavalinho da chuva, pois no Palácio de Belém, passei por lá a caminho do trabalho, e estava tudo calmo e sereno, nada de medidas reforçadas.
Irá ele dissolver a Assembleia da República? Após a aprovação do código de trabalho, a escalada do aumento dos combustíveis, o computador magalhães... sim porque um computador portuguÊs no mundo é algo perigoso... pois se nós com os descobrimentos "inventámos/criámos" as mulatas e só tinhamos umas caravelzitas, oque não conseguiremos com um PC chamado Magalhães... Mas logo tive de mudar de ideias, pois para isso o P.R. tinha de ouvir o Conselho de Estado e os lideres dos principais partidos, ora isso não aconteceu, e o Sr. Presidente não faz nada á socapa... que se saiba, portanto hipótese excluída.
Mas não sendo isso o que seria?
Será que o Primeiro Ministro se dimitiu? Para gáudio de uns e tristeza de muitos? Depois de aumentar impostos que não queria aumentar cujo déficit foi deixado pelo anterior governo e pelo anterior a esse e pelo anterior... "etc... etc...", depois de uma crise que nenhum Primeiro Ministro gostaria de apanhar pela frente, em que o Petróleo não tende a estabilizar dando cabo de qualquer previsão para economia? Não me parecia que fosse isso, até porque o Primeiro Ministro é homem de fibra e não é de desistir.
Será que o governo tem um anúncio grave para fazer, vai fechar mais hospitais e centros de saúde, e vai acabar com o lobby do betão, e vai despedir funcionários públicos e fazer um reset a Portugal...finalmente e como é muita coisa está dentro do âmbito das competências do Presidente da República?
Será que ele tem informações sobre a gravidade da crise e quer solidariezar-se com o governo, e criar uma "união nacional"? Esta confesso que era remota, mas era possível, apesar do barril do petróleo começar a descer para um preço mais baril.
Não estava a ver onde isto se encaixasse mas tudo é possível.
Pensei seriamente que o Sr. Presidente da República estivesse doente, e fosse renunciar ao cargo, se não ele a Maria dele (que aqui para nós não é a primeira dama, pois não tems essa figura na Europa, nem em Portugal, mas que os jornalistas do JET SET teimam em chamá-la assim, talvez pelo efeito do Jet Lag dos jornalistas)... e foi por essa hipótese que eu convictamente fiquei.
Caros Bloguistas Militantes, mas ..."Para que simplificar as coisas se as podemos complicar?", foi o que o P.R. fez, transformou um assunto de "lana caprina" num assunto de gravidade nacional.
O P.R. descredibilizou-se, pesoal e políticamente, e hipotecou a sua intervenção para uma futura questão verdadeiramente importante. O P.R. perdeu o crédito do PATER FAMILIAS, e isso é que é grave.
Caros bloguistas Militantes, sabem, eu acho que, passados tantos anos... eles não sabem nem sonham... e continuam sem saber e sem sonhar, e nós o povo continuamos a ver as "quintinhas" a ser geridas e "aqui d'el rei" ( neste caso "aqui d'el Presidente da República") se me tiram poderes.
Sabem o que eu digo: A montanha pariu um rato... presidencial.
Se o Presisdente queria criar suspense e depois dar uma noticia de jeito mais valia dizer: "A carne no pingo doce está em promoção, portugueses acorrei aos hipermercados, poupai alguns tostões" ou então já que ele é do Sul poderia dar a boa nova dizendo "No Algarve, este ano, só há gaijas boas (gaijos para elas), interessantes e disponíveis..." Ai... isso é que era... isso é que nos fazia esquecer a crise... ai se fazia... OLARÉ... mai nada.

Pedra Filosofal - In Movimento Perpétuo, 1956
Eles não sabem que o sonho
é uma constante da vida
tão concreta e definida
como outra coisa qualquer,
como esta pedra cinzenta
em que me sento e descanso,
como este ribeiro manso
em serenos sobressaltos,
como estes pinheiros altos
que em verde e oiro se agitam,
como estas aves que gritam
em bebedeiras de azul.
Eles não sabem que o sonho é vinho,
é espuma, é fermento,
bichinho álacre e sedento,
de focinho pontiagudo,
que fossa através de tudo
num perpétuo movimento.
Eles não sabem que o sonho
é tela, é cor, é pincel,
base, fuste, capitel,
arco em ogiva, vitral,
pináculo de catedral,
contraponto, sinfonia,
máscara grega, magia,
que é retorta de alquimista,
mapa do mundo distante,
rosa-dos-ventos,
Infante,
caravela quinhentista,
que é cabo da Boa Esperança,
ouro, canela, marfim,
florete de espadachim,
bastidor, passo de dança,
Colombina e Arlequim,
passarola voadora,
pára-raios, locomotiva,
barco de proa festiva,
alto-forno, geradora,
cisão do átomo, radar,
ultra-som, televisão,
desembarque em foguetão
na superfície lunar.
Eles não sabem, nem sonham,
que o sonho comanda a vida,
que sempre que um homem sonha
o mundo pula e avança
como bola colorida
entre as mãos de uma criança.

ELE HÁ CARGAS FANTÁSTICAS NÃO HÁ? A BRIGADA JÁ NÃO ABDICA DE FOLGAS E INTERVALOS PARA OUVIR MENSAGENS SEM CONTEÚDO