As minhas cachadas no Geocaching

Profile for jpngi

terça-feira, 31 de julho de 2007

Sesta

Caros Bloguistas Militantes
Adoro dormir, para mim não há nada como um sono descansado.
Mas num dia de trabalho, muitos de vós sabeis que nos dá aquela calanzeira...
Principalmente depois de almoço.
Por issouma sesta vinha mesmoa calhar, e o engraçado é que está provado científicamente, que essa pausa para descanso a meio da tarde, revitaliza e aumenta a produtividade.
Nisso eu admiro os espanhóis.
A Espanha tem a sua “Siesta”, e, a Hungria levou ao seu Parlamento, uma lei para instituir "finalmente" uma lei de jeito... a "lei da Sesta"
Esperem eu não quis dizer que a Hungria tem más leis.
Não! Nada disso.
O que eu quero dizer é: a Hungria vai (esperemos) aprovar uma lei que a todos nos agrada, e que a todos faz falta, pena é só ser para os HÚNGAROS.
O segundo país da União Europeia a aprovar a "Sesta" (em Espanha não tem a lei da "Sesta" escrita,mas... está instituída), pode ser que seja o começo do cair das peças de um Dominó que há muito todos esperam.... A SESTA...para a Europa inteira.
Estou mesmo a visualizar o slogan promocional.
"A saúde é a primeira, faça a Sesta a tarde inteira"
Como eu iría gostar...
Portugal que é um país com um clima "encalorado" uma grande parte do ano, é um país mediterrânico, bem podia instituir uma lei da Sesta.
Sim, sabemos o que a Sesta faz falta depois do almoço, depois daqueles almoços que nós gostamos de ingerir, e que não cabe nem mais um dedo , nem alho nem nada ;-) .
Não estou a falar dos McDonalds e companhias e das suas calorias de rápido desgaste.
Estou a falar dos bon pratos da culinária Portuguesa:

  • Bacalhau com natas, regado com um vinho Branco fresquinho à maneira,
  • Uma boa feijoada com tudo a que temos direito,
  • Um bom bifinho com ovo a cavalo, é verdade que o bife já não tem o sabor de há 20 anos atrás, mas é sempre bom;
  • Um Arroz de frango,
  • Um bom peixe assado,
  • Uns choquinhos sem tinta (não gosto de ficar com os dentes parecendo que os andei a engraxar)...

enfim das tantas coisas boas que temos na nossa culinária, e que eu não referi.
Temos uma culinária que os estrangeiros quando cá vêem deliciam-se.
Viva a culinária Nacional, que só cai bem com uma Sesta fenomenal.
Caros Bloguistas Militantes

Nunca ficaram com a sensação que não cabia mais nada e se ingerissem estragavam a refeição?
Sim, almoços como esses, que precisam de ser bem digeridos, sem stress, na boa e na calma ....que a nossa comida é boa e a bebida ainda é melhor.
Além de estar provado cientificamente que após a Sesta... vem sempre um Sábado... não era isso que queria dizer ....
Após a Sesta a produção no trabalho sobe, existe mais alegria no trabalho... então após uma feijoada até temos direito a efeitos especiais e tudo... mas faz parte.
Quem diz Sesta, diz descanso depois do almoço, pu seja não empregar logo as energias a trabalhar.
Por exemplo aproveitar para ir ás compras, desenvolver o comércio nacional, tudo menos trabalhar.
Isto porque como disse está cientificamente provado que depois de um descanso pós almoço, o trabalho é mais produtivo.
É a velha táctica, de dar um passo atrás para depois dar dois para a frente.
Sim, está provado cientificamente.
Sim, grande lei a da Hungria, sim "Viva a Espanha."
E eu que o diga, que depois de almoço já adormeci á frente do PC, até já dei cabeçadas involuntárias no ecrã... principalmente em dias de calor... que nos deixam moles, tão moles que invejamos os animais que se sabem precaver...
Até os animais fazem a Sesta, até os espanhóis e se os espanhóis fazem eu também quero fazer, não quero ser menos que os Húngaros.
Para quem me conhece sabe que isto de adormecer á frente do monitor do Pc não se passa só depois de almoço............ ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZ....
Mas eu sou eu , sou uma excepção.
Viva a Siesta, viva o Sábado e o Domingo....
Vai Trabalhar Vagabundo - Chico Buarque
Vai trabalhar, vagabundo
Vai trabalhar, criatura
Deus permite a todo mundo
Uma loucura
Passa o domingo em família
Segunda-feira beleza
Embarca com alegria
Na correnteza
Prepara o teu documento
Carimba o teu coração
Não perde nem um momento
Perde a razão
Pode esquecer a mulata
Pode esquecer o bilhar
Pode apertar a gravata
Vai te enforcar
Vai te entregar
Vai te estragar
Vai trabalhar
Vê se não dorme no ponto
Reúne as economias
Perde os três contos no conto
Da loteria
Passa o domingo no mangue
Segunda-feira vazia
Ganha no banco de sangue pra mais um dia
Cuidado com o viaduto
Cuidado com o avião
Não perde mais um minuto
Perde a questão
Tenta pensar no futuro
No escuro tenta pensar
Vai renovar teu seguro
Vai caducar
Vai te entregar
Vai te estragar
Vai trabalhar
Passa o domingo sozinho
Segunda-feira a desgraça
Sem pai nem mãe, sem vizinho
Em plena praça
Vai terminar moribundo
Com um pouco de paciência
No fim da fila do fundo
Da previdência
Parte tranquilo, ó irmão
Descansa na paz de Deus
Deixaste casa e pensão
Só para os teus
A criançada chorando
Tua mulher vai suar
Pra botar outro malandro
No teu lugar
Vai te entregar
Vai te estragar
Vai te enforcar
Vai caducar
Vai trabalhar
Vai trabalhar
Vai trabalhar
Ele há cargas fantásticas não há? A Brigada depois de almoço não ataa, fica a fazer a SIESTA.

segunda-feira, 30 de julho de 2007

Guantanamera

Transportes I

Pronto é oficial: ESTOU FARTO!!!

Cambada de energúmenos.

Não me deixam dormir, e ainda por cima eu que sou alérgico ao calor, a minha alergia ao calor dá-me para dormir.

É porque isto meus amigos... o que se passa é o seguinte: Apanho todos os dias o comboio, a viagem é repetitivamente linda, a linha Cascais -Cais do Sodré tem um regalo de paisagem, todos os dias igual, todos os dias muda.

É uma viagem anti-stress, relaxante, dá para tirar uma soneca com o embalar do comboio.

Quer dizer… dar até dava, não fora os “indianos” ou “ marroquinos” ou que raio de nacionalidade eles têm, quando entram com acordeões e pandeiretas e começam a tocar um “medley” de canções que deviam ser imortais a nível mundial.

E eles que possuem uma "particularidade sensível" para lhes "assassinar" as letras e a melodia.

Já sei o reportório de cor.

Ai que ainda os ouço “Guantanamera, guagira guantanameraaaaaaa”, depois vem o “ai ai ai ai , canta e no lhores”, “una casa portuguesa fican bem” e outras músicas do género.

Troquei em dois dias diferentes de carruagem.

Erro crasso. Tive de ouvir o reportório duas vezes, é sempre o mesmo, todos os dias, e não me deixa dormir.

Acresce a isto tudo que eles nunca descolam aquele estúpido sorriso da boca, devem ter colocado uma cola qualquer na boca e nos dentes pois até a cantar conseguem estar a sorrir.

Nem descolam as mãos do acordeão, excepto quando nos vêem pedir uma moedinha, aí conseguem descolar a mão, mas o sorriso nº3 da pepsodent continua, deve ter sido um piling aos dentes ou qualquer coisa do género.

É uma chatice um tipo a querer ainda dormir um bocadinho, quando vai a caminho do trabalho, e lá estão eles a cantar a “Guantanamera, sorridente pepsodente”, á noite quando me deito vejo "guantanameras pepsodent" por todo o lado, o que não seria mau pois Guantanamera são as lindas mulheres de Guantanamo... não aqueles feiosos de acordeão.

Está decidido vou sugerir à CP que nos de tampões para os ouvidos e vou mudar para a COLGATE. Olé.

Guantanamera - Capim Cubano

Guantanamera, guajira guantanamera
Guantanamera, guajira guantanamera
Yo soy un hombre sincero, de donde crece la palma
Yo soy un hombre sincero, de donde crece la palma
Y antes de morir yo quiero, cantar mis versos del alma
Estribilho
Cultivo una rosa blanca, en julio como en enero
Cultivo una rosa blanca, en julio como en enero
Para el amigo sincero, que me da su mano franca
Estribilho
Mi verso es un verde claro, y de un carmin encendido
Mi verso es un verde claro, y de un carmin encendido
Mi verso es un ciervo herido, que busca en el monte
amparo

ELE HÁ CARGAS FANTÁSTICAS, NÃO HÁ?

domingo, 29 de julho de 2007

Cuidado com as imitações

Ah se vocês sonhassem de que tijolos e cimento é feita a parede da Democracia...

Antes demais queria deixar aqui vincado que existe gente honesta na política.

Espantados? Não estejam, é a sério que falo, eu conheço alguns.

Será que temos uma democracia? Ou teremos um "espécie de Democracia?"

Vamo-nos cingir a critérios científicos (que é para isso que eles servem).

Democracia é o governo do povo, ou seja a soberania está no povo.

Quer dizer, teoricamente, que é ao povo que cabe ter o poder...

Mas caros concidadãos, sabem, isto não é a Suíça, não somos assim tão poucos e não temos um Estado do tamanho do Alentejo, se não teríamos referendos permanentes, para questões prementes ou não.

Vamos fazer as contas a 10 milhões de Portugueses, dividimos a soberania (e isto não fazendo contas à moda de um ex. 1º ministro) deixa cá ver...

Pronto dá 1/10.000.000 de soberania a cada português, ou seja é um cagagésimo a cada um.

Ora os ideólogos disseram que não poderia ser e que para o país (este e os outros) ser funcional teríamos de concentrar a nossa soberania.

Por exitir uma Democracia mitigada, os grandes disseram-nos ao estilo D. CORLEONE "I will make him an offer he can not refuse", e vai daí, concentraram e distribuíram a nossa soberania por uma Assembleia…a da República (A.R.).

Passámos assim a nossa quota parte de soberania para os Deputados, é por isso que os elegemos e eles nos representam.

Votar é utilizar a nossa "arma", só que nos deram munições de salva, nós bem que disparamos mas isto fica tudo na mesma.

Logo não vale a pena andarmos por aí aos tiros.

Na A.R., são 230 deputados que representam os 10 milhões de portugueses, logo a soberania quase toda está na A.R., pois o Presidente da Republica também tem uma quota-parte.

Dividindo, a soberania por cada deputado, cada um representa 43.478,2 dessa soberania ou seja representa quarenta e dois mil, quatrocentos e setenta e oito vírgula dois (o virgula dois são os anões) de portugueses.

Quem representa tantos portugueses ao mesmo tempo, obviamente não representa ninguém, fala por toda a gente e não fala por ninguém em concreto.

Os Deputados são eleitos por distritos que representam uma área geográfica enormíssima, que são todos os concelhos desse Distrito, ou seja além de representar aquela parte do território representam também os cidadãos eleitores e não eleitores que lá vivem.

De salientar que algures, na C.R.P. diz que o Deputado representa o todo nacional (daí a bronca do queijo limiano ou seja alguém local quiz fazer um acordo nacional.

Pois é caros leitores (isto já parece o estilo Almeida Garrett, a dirigir-se aos leitores...), mas vocês sabem como é que esses deputados são escolhidos?

São escolhidos por partidos, e, é aos partidos (não aos eleitores) que os deputados devem fidelidade e submissão, pois foram os partidos que os escolheram e indicaram e voltarão a indicar se se portarem bem.

A maioria dos partidos está dividido por distritais e estas em concelhias. As distritais representam geograficamente o distrito e as concelhias são as células que representam o partido no concelho, isto tudo supervisionado pelo partido nacional.

Os 230 deputados nacionais são divididos por distritos, é um rácio feito consoante a população do distrito, Lisboa e Porto são os que elegem mais .

A escolha é feita da seguinte forma, as distritais tem direito a um número X de deputados, dividem esse número de deputados a eleger pelas concelhias que fazem parte do seu distrito (os partidos democráticos está claro, os outros é o comité central que os escolhe).

As concelhias indicam o número de pessoas que lhes coube para candidatas a deputadas à distrital, e assim se obtém a lista de deputados pelo distrito,

Isto seria linear e até democrático, se Presidente ou o Secretario Geral(dependendo do partido) não impusesse uma quota sua, para indicar quem muito bem entende (nos lugares elegíveis) para poder ter o controlo do grupo parlamentar.

Os Presidentes das Distritais por sua vez também impõem uma quota sua e para cumulo o Presidente da Concelhia ainda tem uma quota ou seja nas concelhias pequeninas com direito a indicar um deputado... adivinhem quem ele indica… exacto a si próprio, ou seja existe aqui um jogo de poder, mas isso já sabíamos e agora eu disse como é.

Os restantes deputados são escolhidos pelos correlegionários que pertencem à concelhia... mas não pensem que o universo é o de 100% dos eleitores daquela concelhia... não claro que não...

No caso da concelhia, existem membros que fazem parte dos órgãos e que foram eleitos (aí sim pelo universo dos 100% de correlegionários que estão inscritos no partido, naquele concelho) que votam no numero de deputados disponível depois de depuradas as quotas que acima mencionei...

Bolas já estou cansado de escrever descrevendo esta democracia...

Isto é válido para quase todos os partidos, estas escolhas são feitas entre 3 a 6 meses antes das eleições serem marcadas.

Nos partidos (porque só os partidos podem apresentar listas de candidatos a deputados) dois anos antes já começaram a afiar as facas, para espetar nos camaradas/companheiros do partido para serem eles a concorrer a cargos.

Por isso é que existem tantas “broncas” no PSD/PS/PP isto só para falar de alguns...

As broncas existem por causa do Poleiro meus caros... ah pois é...

Ou julgam que determinado individuo e a sua equipa concorrem a uma concelhia ou uma distrital só porque gostam do partido?

Se fosse assim não mudavam de partido…

É por causa do poleiro, do poder de designar as quotas, do protagonismo, do lugar na Assembleia da Republica ou no Governo, ou de assessor...

A vida de um Presidente de uma Distrital ou de uma Concelhia, não é fácil, imaginem a chuva de telefonemas dos correlegionários a dizerem mal deste e daquele, pois eles e só eles é que são bons e os indicados para o lugar, eles que sempre lhe foram fieis, vale tudo, como alguns tratam da promoção no emprego lixando os colegas (eu que o diga que só tenho jeito para ser lixado) eles assim tratam de concorrer a deputados.

Chegada a hora da verdade, toca a votar internamente a escolha dos deputados... e a concelhia tem Y lugares para indicar á distrital, e esta possui a faculdade de ordenar os nomes...

No final das eleições internas de um partido, existe muita gente furibunda... lixada mesmo... e então aí é que começam as manobras de bastidores... e alguns conseguem através dessas artimanhas políticas entrar nas listas... e até retirarem aqueles que eleitos “democraticamente” foram...

Resumindo, caros bloguistas militantes, entenderam que quando as listas de deputados chegam até nós, já passaram por primárias internas, e pela depuração da distrital, pelos jogos de bastidores e pela aprovação final da nacional do partido.

A escolha foi feita plutocraticamente.

E não falei eu das eleições internas dos partidos, se não vocês veriam que os métodos Estalinistas ligeiros não foram erradicados.

Para deputados, nós escolhemos a escolha da escolha, das escolhas conjuntas, ou seja nós escolhemos a quarta depuração.

Já perceberam que isto é a Democracia dos amigos...

É por isso que são sempre os mesmos...

Um dia falarei sobre o método alternativo a este, até lá temos que gramar esta imitação de democracia...

Cuidado com as imitações - Sérgio Godinho

Estimado ouvinte, já que agora estou consigo
Peço apenas dois minutos de atenção
É p'ra contar a história de um amigo
Casimiro Baltazar da Conceição

O Casimiro, talvez você não conheça
A aldeia donde ele vinha nem vem no mapa
Mas lá no burgo, por incrível que pareça
Era, mais famoso que no Vaticano o Papa

O Casimiro era assim como um vidente
Tinha um olho mesmo no meio da testa
Isto pra lá dos outros dois é evidente
Por isso façamos que ia dormir a sesta

Ficava de olho aberto
Via as coisas de perto
Que é uma maneira de melhor pensar
Via o que estava mal
E como é natural
Tentava sempre não se deixar enganar
(E dizia ele com os seus botões:)

-Cuidado, Casimiro
Cuidado, Casimiro
Cuidado com as imitações
Cuidado, minha gente
Cuidado, minha gente
Cuidado justamente com as imitações

Lá na aldeia havia um homem que mandava
Toda a gente, um por um, por-se na bicha
E votar nele e se votassem lá lhes dava
Um bacalhau, um pão-de-, uma salsicha

E prometeu que construía um hospital
Uma escola e prédios de habitação
E uma capela maior que uma catedral
Pelo menos a julgar pela descrição

Mas... O Casimiro que era fino do ouvido
Tinha as orelhas equipadas com radar
Ouvia o tipo muito sério e comedido
Mas lá por dentro com o rabinho a dar a dar

E... punha o ouvido atento
Via as coisas por dentro
Que é uma maneira de melhor pensar
Via o que estava mal
E como é natural
Tentava sempre não se deixar enganar
(E dizia ele com os seus botões:)

-Cuidado, Casimiro
Cuidado, Casimiro
Cuidado com as imitações
Cuidado, minha gente
Cuidado, minha gente
Cuidado justamente com as imitações

Ora o tal tipo que morava lá na aldeia
Estava doido, já se vê, com o Casimiro
De cada vez que sorria à plateia
Lá se lhe viam os dentes de vampiro

De forma que p'ra comprar o Casimiro
Em vez do insulto, do boicote, da ameaça
Disse-lhe: "Sabe que no fundo o admiro
Vou erguer-lhe uma estátua aqui na praça"

Mas... O Casimiro que era tudo menos burro
E tinha um nariz que parecia um elefante
Sentiu logo que aquilo cheirava a esturro
Ser honesto não é só ser bem falante

A moral deste conto
Vou resumi-la e pronto
Cada qual faz o que melhor pensar
Não é preciso ser
Casimiro pra ter
Sempre cuidado pra não se deixar levar

-Cuidado, Casimiro
Cuidado, Casimiro
Cuidado com as imitações
Cuidado, minha gente
Cuidado, minha gente
Cuidado justamente com as imitações"

Há cargas fantásticas, não há?

sábado, 28 de julho de 2007

Não sei mesmo se Lisboa não partiu para parte incerta

Férias, ai eu quero férias!

Eu gosto é do verão (é o que todos dizem, eu por acaso gosto mais das férias de Inverno)... São os suspiros que eu ouço: no emprego, nas frases do MSN, no comboio, no autocarro, sim porque eu sou gente do povo, ando de transportes públicos, tento contribuir par minorar o impacte no ambiente...

Eles contam os dias que faltam...Toda a gente suspira por férias...

E eu acho isso tão estranho..

Das duas uma ou estão a mentir ou estão no gozo, só pode ser isso.

Porque afirmo isto?

Porque quando emito a opinião que não gosto de trabalhar, e assumo... todos me olham com ar de reprovação, abanam as cabeças e fazem TSC...TSC...(estou farto destes softwares que não deixam colocar pontuação).

Mas falai a eles em férias, falai... e verão então o caso muda de figura.

Os olhos cintilam, os planos começam a maquinar na cabeça... viagens, locais paradisíacos, ah se eu ganhasse o euromilhões tinha férias permanentes... para que?

Para acabarem numa praia do ALL GARVE (como agora é oficialmente designado, ... sim porque agora não vão ao Algarve...vão ao ALL GARVE ... a diferença é substancial .... na carteira... talvez...), a falarem de trabalho com aquele colega que por pura das coincidências foi passar as férias ao mesmo local que nós...

Coincidência?

Como pode existir coincidência? Todo o pé rapado do nosso país vai passar as suas férias no estrangeiro... ao All GARVE

Todo o país está no ALL GARVE ... ou a pensar ir para lá... aposto que se fizessem um censo por estas alturas, acabava-se o tal mito que no norte é que se trabalha, ou o outro que a população está mais no litoral que no interior, era limpinho... Portugal ficava com mais dois ou três milhões de pessoas a sul ... não sei se dois ou três milhões de trabalhadores...

No ALL garve estão lá todos, desde o pobre da classe média até ao empresário de classe.

Bom não contamos com os que são "pobres que mais pobres que nós não há", esses ficam esquecidos pelas praias das costas: da Caparica, da Figueira, da Foz do Douro, de Espinho... ou seja quanto mais dinheiro teem mais para sul vão.... olha se fosse assim com os pássaros?

Devia ser giro. As andorinhas passariam do trópico de Capricórnio? E os Estorninhos? ainda bem que no ar, para os pássaros, não há longe nem fronteira.

Quanto aos que restam... os miseráveis... esses estão ao abandono nas ruas da cidade... e contentam-se com os banhos de mangueira das barracas ou dos bairros sociais.

E aqueles mais pequenos... os sortudos, a quem a sorte municipal bate á porta?

Esses vão passear pelas acções praia-campo da câmara municipal, e até tem direito a um lanchinho, para enganar a fome da miséria envergonhada que a nossa sociedade à sorte das barracas abandonou.

Ressalve-se aqui que a acção das câmaras municipais é louvável e gostaria que continuasse, a nossa atitude indiferente perante os casos gritantes é que não.

Mas lá vão para o ALL GARVE o empresário de classe e as tias de Cascais e outros seres que tais.

Mudam-se para banhos nalgumas praias famosas... famosas porque as revistas da especialidade o dizem que são e não mudam de hábitos pois mudam-se de armas e bagagens para as discotecas do ALL GARVE.

Atrás de si levam a industria paparazzi... que agradecem estas férias (pagas pelo jornal ou revista) de câmara fotográfica numa mão a fotografar o Jet Set e na outra um copito de champagne.

E lá estão uns e outros do dito "jet set" comprado a peso do ouro jornalístico, a gozarem o dinheiro a que o Zé povo não tem acesso.

As discotecas de Lisboa é que ficam sem eles e nestas alturas ou fecham ou qualquer um pode entrar mesmo sem o exorbitante consumo mínimo do Inverno.

O que me faz lembrar, que já me fizeram rir á porta de uma discoteca quando me pediram 500 euros para entrar.

Eu digo onde foi... no BBC.

Que fortuna, o facto de não sermos espanhóis e não estamos em Madrid, tem destas coisas.

Sim porque lá são uns oferecidos, as discotecas lá oferecem a segunda bebida e quase te pagam para entrares...bimbos...não fazem selecção de gente fina...espanhóis é o que são ...huumppf... de que é que estávamos á espera?

Lá, em Madrid, deixavam entrar um tipo como eu ... vê-se mesmo que não me conhecem... coitados.

A classe média, bem essa não vai ás discotecas, esses discotocam noutros lados, contentam-se com um marisquito de vez em quando, a festa da aldeola, acaso houver (são algumas bem giras diga-se de passagem) ou entretêm-se a ver passar os turistas e a ouvir Quim Barreiros e companhia.

Ai que saudades dos palhinhas e do presunto e da broa que se levava de farnel para a praia... e das sestas no campo ...

Portugal fechou para férias, isso é que é verdade, felizmente os fogos de Verão também tiraram férias.... talvez cheguem mais tarde mas enquanto o pau vai e vem....

Mas andámos a brincar com o tempo, e o tempo este ano pregou-nos uma partida... tinha andado a ameaçar e este ano temos a concretização, este ano, o próximo e os outros que aí virão...

Portugal está de férias no ALL GARVE e eu fiquei em Lisboa de férias de todos eles, estava a ver que não ... que por lá fiquem muito e bom tempo ...


125 Azul - Letra: Luís Represas

Foi sem mais nem menos
Que um dia selei a cento e vinte e cinco azul
Foi sem mais nem menos
Que me deu para arrancar sem destino nenhum

Foi sem graça
Nem pensando na desgraça que entrei pelo calor
Sem pendura
Que a vida já me foi dura para insistir na companhia

O tempo não me diz nada
Nem o homem da portagem na entrada da auto-estrada
A ponte ficou deserta
Não sei mesmo se Lisboa não partiu para parte incerta

Viva o espaço
Que me fica pela frente e me deixa recuar
Sem paredes
Sem portas nem janelas nem muros para derrubar

Talvez um dia me encontre
Assim, talvez um dia me encontre

Curiosamente
Dou por mim pensando onde isto me ia levar
De uma forma ou d'outra
Há-de haver uma hora p'ra vontade de parar

Só que à frente
O bailado do calor vai-me arrastando p'ro vazio
E com o ar na cara
Vou sentido desafios que nunca ninguém sentiu

Talvez um dia me encontre
Assim talvez me encontre

Entre as dúvidas do que sou e onde quero chegar
Um ponto preto quebra-me a solidão do olhar
Será que existe em mim um passaporte para sonhar
E a fúria de viver é mesmo fúria de acabar

Foi sem mais nem menos
Que um dia selou a 125 azul
Foi sem mais nem menos
Que partiu sem destino nenhum
Foi com esperança sem ligar muita importância àquilo que a vida quer
Foi com força acabar por se encontrar naquilo que ninguém quer

Mas Deus leva os que ama
Só Deus tem os que mais ama



Ele há cargas fantásticas , não há?

A CARGA DA BRIGADA LIGEIRA

A loucura apoderou-se do nosso país há 900 anos... e como a diáspora portuguesa está pelos 5 cantos da terra, levámos essa loucura connosco... o mal está generalizado... querem um exemplo… olhem para o verde do nosso planeta azul ...



The Charge of the Light Brigade

Alfred, Lord Tennyson

1.

Half a league, half a league,
Half a league onward,
All in the valley of Death
Rode the six hundred.
"Forward, the Light Brigade!
"Charge for the guns!" he said:
Into the valley of Death
Rode the six hundred.

2.

"Forward, the Light Brigade!"
Was there a man dismay'd?
Not tho' the soldier knew
Someone had blunder'd:
Their's not to make reply,
Their's not to reason why,
Their's but to do and die:
Into the valley of Death
Rode the six hundred.

3.

Cannon to right of them,
Cannon to left of them,
Cannon in front of them
Volley'd and thunder'd;
Storm'd at with shot and shell,
Boldly they rode and well,
Into the jaws of Death,
Into the mouth of Hell
Rode the six hundred.

4.

Flash'd all their sabres bare,
Flash'd as they turn'd in air,
Sabring the gunners there,
Charging an army, while
All the world wonder'd:
Plunged in the battery-smoke
Right thro' the line they broke;
Cossack and Russian
Reel'd from the sabre stroke
Shatter'd and sunder'd.
Then they rode back, but not
Not the six hundred.

5.

Cannon to right of them,
Cannon to left of them,
Cannon behind them
Volley'd and thunder'd;
Storm'd at with shot and shell,
While horse and hero fell,
They that had fought so well
Came thro' the jaws of Death
Back from the mouth of Hell,
All that was left of them,
Left of six hundred.

6.

When can their glory fade?
O the wild charge they made!
All the world wondered.
Honor the charge they made,
Honor the Light Brigade,
Noble six hundred.

Copied from Poems of Alfred Tennyson,
J. E. Tilton and Company, Boston, 1870

Há cargas fantásticas, nao há?