As minhas cachadas no Geocaching

Profile for jpngi

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Justiça para a justiça volume 1 -A função Pública

Nada como um blogue ecológico para nos alegrar a alma. Por isso recomendo http://bioterra.blogspot.com/, epá isto hoje parece um anúncio...eheheheh

Caros Bloguistas Militantes
Este post é grande, e pensamos que é especificamente concreto... que redundância agradável...

Vai por isso a Brigada dividir em duas partes ou dois volumes, pois andam sempre a queixar-se e com razão que tem muito para ler e pouco tempo para o fazer.

Este é um esboço daquilo que nós achamos que qualquer pessoa faria na justiça, só para começar, muito há a fazer processualmente depois..

Sempre nos interrogámos... Porque é que insistimos em ser o país mais atrasado da Europa?

Porque é que insistimos sempre em desvalorizar ou não ligar importância ás boas medidas que os nossos governantes de vez em quando tomam?

Ninguém sabe ou se lembra que os novos países da U.E. apesar de neste momento serem um pouco mais pobres que nós, tem a taxa de analfabetismo quase a zero, e que a percentagem de licenciados está no topo da U.E.; e em licenciaturas que realmente interessam á competitividade.

Não quero com isto dizer que os cidadãos não possam tirar os cursos que quiserem ou entenderem está e é do seu livre arbítreo... ou quase...

Estes países novos que aderiram à UE, possuem potencial e rapidamente nos vão ultrapassar. Não andam aí pelos cantos a lamentar como nós, fazem das dificuldades janelas de oportunidade, enquanto nós fazemos um muro de lamentações.

Urge fazer algo, e por isso temos de começar por qualquer lado.

Comecemos pois... por exemplo... a tratar melhor o cidadão, o contribuinte, o utilizador do bem público, para isso temos de ter uma função pública eficaz, mais leve, mais dinâmica, ou seja a antítese de tudo aquilo que ela foi e ainda é agora.

Todos esquecemos da nossa descolonização entre 1974 e 1976 e quer queiramos quer não, quer tenhamos consciência disso ou não, essa descolonização teve um impacto na época e que se reprecutiu a longo prazo no nível populacional de Portugal.

Ainda hoje estamos a sofrer as consequências disso.

Recebemos mais de um milhão de pessoas, num país que não estava estruturado fisica e administrativamente nem preparado psoicologicamente para isso.

População implica habitação, o afluxo de população foi foi tão grande e repentino que com o caos instalado as pessoas que vieram dos territórios das nossas ex-colónias tiveram de começar a fazer pela vida.

A procura tornou-se brusca e urgente, logo dispararam os preços das habitações, em Lisboa tudo era e é caro, e esses cidadãos optaram por ir para os arredores, para as cidades emergentes onde surgiam casas como cogumelos em bairros muitas das vezes clandestinos ou optaram por fazerem barracas e morar nelas.

Quem voltou (forçado) dos países que tínhamos colonizados, veio ocupar não só as casas, mas também necessitou de emprego, porque a maioria veio como se costuma dizer com uma mão atrás e outra á frente.

Em Portugal não estávamos preparados para tão brusca subida de população e o governo da altura veio com a solução milagrosa que foi colocá-los na Função Pública e nas empresas que tinham sido recentemente nacionalizadas.

Isso implicou uma sobrelotação da função pública.

Politicamente tínhamos de as colocar em qualquer lado, era a nossa obrigação no mínimo, tínhamos de ser solidários com os nossos era isso o mínimo que se pedia.

Mas não estávamos preparados, e todos em conjunto temos de pagar essa factura durante anos.

Isto, quanto a mim teve como consequência, consciente ou inconsciente, uma maior burocratização da função pública, tiveram de se criar organismos e mais burocracia, ou seja foi necessário ligar o complicómetro e não esitámos e ligámos.

Criamos lugares não necessários, duplicámos tarefas e competências ou seja empregámos pessoal e fornecemos trabalho, e assim continuámos por muitos anos.

Entretanto, a tormenta já passou mas as ondas de choque ainda se fazem sentir, não é de um dia para o outro que conseguimos estabilizar a "nau".

Várias medidas tem de ser tomadas, para que não estejamos a sofrer mais com as ondas de choque.

Estas medidas apesar de tardias tem de ser tomadas, uma delas é a informatização da administração pública.

Os funcionários são cerca de 700 mil, uma função pública mal dimensionada e mal estruturada, existem funcionários a mais nuns lados e a menos nos outros.

A regionalização com descentralização é urgente e necessária, aproximar muito mais a função pública dos cidadãos e retirá-la de Lisboa, não obrigar os cidadãos a deslocar-se quilómetros para tratar de assuntos.

Se se pode tratar informaticamente e on line que se faça, se existem pessoas que são infoexcluídas, que se arranje equipas para que no terreno as possam ajudar a passar essas dificuldades, arranjem-se mais lojas de cidadão, que as juntas de freguesia tenham postos de acolhimento para ajudar essas pessoas a tratar dos assuntos burocráticos.

Mas temos mesmo de informatizar a função pública, de os dotar fisicamente de meios informáticos capazes e á altura da sua função.

Se são 700 mil funcionários, são necessários 700 mil PC's ou MACKINTOSH com WinVista ou com outro programa adequado.

Tem de ter computadores que estejam compatibilizados uns com os outros, que tenham no mínimo 500 gigas de disco e já com programas adequados às funções e ministérios a que são destinados.

É claro que precisamos de formar esses funcionários públicos, e dizer-lhes especificamente quais os seus objectivos individuais, os objectivos e metas a alcançar pelo seu serviço, pelo seu departamento e pelo seu ministério.

Não podemos continuar a ter funcionários públicos que se dizem bons trabalhadores, e até acredito que o sejam, mas que não saibam quais são os objectivos individuais e metas colectivas.

Assim não existe produtividade para a coisa pública.

A função pública é isso mesmo...uma FUNÇÃO QUE É PÚBLICA, e não para servir interesses privados de alguns...

Queremos a Função Pública a servir o colectivo ou seja o POVO, já e em força.

No próximo capítulo veremos a JUSTIÇA nos tribunais, fim do primeiro capitulo, continua no próximo post . Publicação dia 5/2/2009
BUROCRACIA (Eduardo Galeano)
No meio do pátio desse quartel havia um banquinho.
Junto ao banquinho, um soldado montava guarda.
Ninguém sabia porque se montava guarda para o banquinho.
A guarda era feita porque sim,
noite e dia,
todas as horas,
e de geração em geração os oficiais transmitiam a ordem e os soldados obedeciam.
Ninguém nunca questionou.
Assim era feito, e sempre tinha sido feito.
E assim continuou
até que alguém não se sabe qual general ou coronel,
quis conhecer a ordem original.
Foi preciso revirar os arquivos a fundo.
E depois de muito procurar, soube-se.
Fazia trinta e um anos,
dois meses
e quatro dias,
que um oficial tinha mandado montar guarda junto ao banquinho,
que fora recém pintado,
para que ninguém sentasse na tinta fresca.
ELE HÁ CARGAS FANTÁSTICAS NÃO HÁ? A JUSTIÇA DA BRIGADA É MILITAR...POR ISSO É MAIS CÉLERE.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Every Sperm Is Sacred -Todo o Esperma é sagrado

Hoje destacamos o Random Precision, porque o Bloguista, não é um tipo qualquer. É alguém que pensa e não tem fronteiras no seu pensamento. É portanto um livre pensador, e todos os livres pensadores são bem recebidos e divulgados neste meu humilde blogue. Já sabem podem ver o blogue e em particular este post em ... http://rprecision.blogspot.com/2009/01/intolerncia-como-doutrina-oficial-da.html

Caros Bloguistas Militantes,

Longe de mim cercear a opinião de alguêm. Todos tem direito a ter opinião.
Por mais absurda ou estúpida que ela seja, pois quanto a nós até os estúpidos tem direito a ter opinião... e até eu tenho uma.
O que achamos dessas opiniões... isso já são outras contas.

Os Políticos tem direito a ter opinião, os Juízes também e até os Ministros do Culto, quer sejam eles Imãs, Padres, Rabis, Pastores, Missionários seja lá o que forem, tem esse direito e esse dever.

Todos nós temos direito a ter uma opinião. Mas a nossa opinião é isso mesmo... É NOSSA, a nós nos cabe, a nós nos individualmente nos pedem a responsabilidade por ela.

Já quanto ao facto das opiniões individuais emitidas em nome colectivo, principalmente por aqueles que se escondem atrás do uso saias, refiro-me unica e exclusivamente aos Ministros do Culto, vulgo Sacerdotes, esse uso das saias não lhes dá o direito de dizerem que a sua opinião é "orientadora", ou que "falam em nome de", ou que "a quererem impor, subrepticiamente".

É caso para se dizer: Valha-nos o Deus dos Cristãos, Valha-nos o Alá dos Muçulmanos, Valha-nos o Deus dos Judeus, Valha-nos os mil Braços de Shiva e os Deuses de todas as religiões.
Os Ministros do culto, ou os sacerdotes como lhes quiserem chamar, são muito mais políticos que os políticos, pois fazem autenticos comícios dentro dos templos.

Acham que não?
Pois eu acho que sim!
E cada um tem a sua opinião, mas deixem-me sustentá-la.
Todos os dias e várias vezes ao dia, fazem de cada reunião religiosa (isto para abranger todas as religiões, não lhes chamo encontros, missas ou cultos) um comício.
Do Dicionário vemos que Comício: "é uma reunião de cidadãos que se juntam para discutir assuntos políticos ou de interesse público; assembleia popular entre os antigos Romanos."

Cada púlpito é um lugar para "orar" num comício, para impor as ideias que esta ou aquela "Igreja" esta ou aquela "Religião" quer impor aos seus fiéis.
Não interessa se as ideias são anti-cientificas, se são propiciadoras de guerras santas ou de moralidades duvidosas, pois o que é dito pelos "ministros do culto" estão a coberto da capa "religiosa", da capa do "revelado", da capa do "sagrado" livro e das suas inclusas escrituras.
Agem como se o mundo fosse imutável, como se não tivesse evoluído, foram e são contra a evolução, tem resistência ao novo, os valores seguros do passado é que são bons, são os valores por eles inventados e que a eles dão lucro.

Por eles só não andamos de tanga e nas cavernas, porque já não podemos voltar a isso.
A religião e os seus ensinamentos sábios, foram e são colocados de lado, só se usam os que interessam para determinado fim especifico e com a interpretação que por eles foi revelada.

Sabemos que qualquer palavra sujeita à interpretação dos homens e dos seus poderes temporais, e das suas ambições, sofre distorções e serve a quem delas as quer usar, com os fins onde as querem empregar... bons... ou maus.

Se assim não fosse porque é que religiões que dizem ser de paz e amor se combatem à séculos?
A minha religião é melhor que a tua. Parecem os putos a dizer: "a minha pilinha é maior que a tua."

Mas tudo isto não é um contracenso?
Não vai contra os princípios e fins das religiões?
Porque é que um Cristão há-de ter, em termos religiosos, mais razão que um Muçulmano ou um Judeu?
Porque é que um Hindu tem de ter mais razão que um Sunita, ou um Xintuísta?
E por aí fora...

Teem razão porque está escrito nos livros?
Todos sabemos que os livros tem gralhas, os livros foram escritos por homens, quer se acredite ou não que tenha sido ditado ou não por um Deus revelado.
E além disso existem muitos livros...

Porque é que só um em particular é que tem de ter a verdade toda?
E se todos tiverem razão?
E se nenhum tiver razão?
E o nosso livre arbítreo de podermos escolher ou não o que queremos, não conta?

Mas o facto do diálogo inter-religioso não passar de uma sucessão de monólogos inter-religiosos e de haver tantos constrangimentos e guerras, tem explicação e razões, mas tudo se resume a esta simplicitude...

Tudo se traduz nas pequenas ou grandes ambições dos pequenos ou grandes homens da igreja, ou seja dos que a dirigem, como não poderia deixar de ser.
E perguntais vós Caros Bloguistas Militantes, porque é que a Brigada hoje fala do templo?
Será que é contra o templo e o que se lá faz?

A Brigada quanto a isso diz: Não! Não, não é contra o templo, mas também não é a favor dos que aproveitando-se do templo o usam para seu proveito e propósitos.

E vem isto a propósito, claro está, do sr. Policarpo.
E quem é o sr. Policarpo?
O sr.Policarpo é um dos chefes religiosos que resolve propagandear as suas ideias através do megafone religioso.
E quando isso acontece, algo se dá na sociedade, pois os poucos que ainda lhe ligam fazem o que ele diz, o problema é que isso deixa mossa aos outros que não lhe ligam nem o ouvem, nem o querem gramar, nem querem saber dele para nada.

Mostro aqui duas ideias do Sr. Policarpo, uma em relação á vida e ao seu princípio e sua interrupção voluntária e outra que tendo em conta o actual momento veio incendiar ainda mais o diálogo inter-religioso, diálogo esse que, outrora, Homens de bem, acharam por bem existir e ser cultivado, pois estavam fartos de guerras religiosas gratuitas.

O Sr. Policarpo num dos seus comícios a que ele chama homília dominical em Lisboa, lança atuardas contra alvos específicos, entre eles: a investigação em embriões excedentários.
E não o faz inocentemente, fá-lo precisamente a propósito da legislação sobre procriação medicamente assistida que está em preparação.

O Sr.Policarpo e os seus apaniguados, querem esquecer deliberadamente que somos um Estado laico, ou seja, que existe um propositado afastamento do Estado em relação à Igreja, o que é da igreja fica na igreja e a igreja não interfere no que o Estado faz.

Só que a ambição dos homens é muita, e das instituições seculares ainda mais, e não querendo perder protagonismo e com o propósito de influenciar, o sr. Policarpo, diz palavras que apelidam a lei que está em preparação como "um exemplo preocupante", afirmando "nem todas as descobertas da ciência, aplicadas sem o rigor ético de defesa da dignidade da pessoa humana, são factores de paz".

O Sr. Policarpo defendeu que "a dignidade da procriação humana, ligada à família e ao amor, os direitos inalienáveis do nascituro, entre os quais sobressai o direito de ter uma família, com um pai e uma mãe, sobrepõe-se, do ponto de vista moral, ao entusiasmo de aplicar, ao sabor dos critérios individuais, todas as possibilidades que a ciência abriu".

Do ponto de vista de quem está proíbido pela sua hierarquia eclesiástica de procriar, é algo estranho de o ouvir falar em procriação e em moralidade e em ciencia... Ciencia essa que a sua teologia em tempos combateu e combate e mandou queimar e fez proscritos os cientistas que contra a teologia falavam.
É que a política do abjure agora que nós daqui a 300 anos ou mais pedimos desculpa, não me serve.

Como sabem eu acho que o Planeta TERRA tem população em demasia, baseio-me em factos cientificos, mas, por outro lado, também acho que as pessoas devem ser felizes e se acham que um filho é essa via, teremos todos de negociar essa felicidade para bem e sobrevivência de todos.

Eu não concebo ideias de que exista algo ou alguêm, Deus, Alá ou Shiva que nos queiram ver a nós humanos infelizes, isso são conjecturas de mentes humanas pequeninas,obscuras e com problemas.

E também tenho a convicção que as pessoas só são pessoas completas e com vida após o seu nascimento, tal e qual consagra a lei.
Não aceito, seja de quem for, em nome do que quer que seja e com invocações de morais duvidosas que servem interesses mais obscuros que o breu da noite disfarçados com capas de religiosidade, me imponham ideias que eu não aceito nem quero, nem cabem numa sociedade que passou o limiar do Sec XXI (contagem desse século imposto pela própria hierarquia eclesiática).

Mas o Sr.Policarpo, não é só contra a "procriação médicamente assistida", também é contra o "aborto" qualquer que seja a sua finalidade.

Mas vai ainda mais longe, possui uma espécie de Xenofobia católica.
E então "decidiu colocar as cartas na mesa para separar águas" - dizendo noutro comício homilia, dirigindo-se às jovens católicas - «Pensem duas vezes. Casar com um muçulmano, é meterem-se num monte de sarilhos.»

Afirma, o sr. Policarpo, quanto a isso, conhecer «casos dramáticos»... de casamentos entre jovens católicas e jovens muçulmanos, esqueceu foi do resto o sr.Policarpo.

Disfarça a sua preocupação com as jovens portuguesas, para tentar impor casamentos intra-religiosos, de preferência católicos com católicos, para poderem criar pequenos catolicozinhos no futuro.

Sabemos que o diálogo é fonte do conhecimento, e quanto mais se conhece mais se põe em causa dogmas que são absurdos.

Nós, que não somos Policarpo, e não temos megafone religioso, também conheçemos casos dramáticos entre jovens portugesas católicas que se casaram com jovens portugueses católicos (os tais casamentos que o sr.Policarpo, só defende)...

A violência doméstica em Portugal está aí para o comprovar, infelicidade conjugal, desadaptação, más escolhas... e nunca é demais relembrar que a igreja não aprova o divórcio. Quem daqui quiser tirar ilações é livre de o fazer, como é óbvio.

Encornem-se uns aos outros, mas uma coisa é certa diz o sr.Policarpo "o que Deus uniu..."

Continuo a dizer não concebo nenhum DEUS ou seja que nome lhe derem que queira ver os seus devotos infelizes.

Já havia pouco fogo no Médio Oriente, ainda temos o Sr. Policarpo armado em incendiário e protector das virgens jovenzinhas portuguesas... sim porque sexo antes do casamento é pecado, e sexo é só para os fins de conceber.

Como diz alguém num blogue a propósito disto "É claro que D. José Policarpo não diz nada sem ter pensado duas vezes (ou mais) e suspeito mesmo que este tipo de doutrina terá sempre indicação superior. Sinais de mudança numa Igreja de Ratzinger, onde a intolerância tem lugar e as ideias vincadas, assumidamente conservadoras, seguem um caminho que já pertence ao passado e parece agora rejuvenescido. "

Ora isto não é preocupante, é mais que isso, é catastrófico.

Tenho de concordar com alguém que diz noutro blogue "Num mundo em que os contrastes se acentuam, parece não haver espaço para o ecumenismo. Com os ortodoxos russos sim, mas não com os muçulmanos. É uma posição honesta, mas com custos óbvios na relação com as pessoas com esse credo."

O sr. Policarpo admite que "a comunidade cristã é muito ignorante em relação à muçulmana, sendo o conhecimento o primeiro passo para um diálogo, que classifica de “muito difícil”.

Então não há-de ser difícil?

É que com "Diplomatas" assim, não vai ser difícil, vai ser impossível.

Alguém num comentário disse e deixo aqui como final "Nenhum legítimo representante de Deus deve colocar fronteiras nos territórios de crença e comunicação. E muito menos tentar armar os seus com couraças imunológicas."

Realmente existe gente que pensa que os papagaios comem alpista.

Every Sperm Is Sacred - canção do filme "O sentido da vida" dos Monty Python

DAD:There are Jews in the world.There are Buddhists.
There are Hindus and Mormons, and then
There are those that follow Mohammed,
but I've never been one of them.

I'm a Roman Catholic,
And have been since before
I was born,
And the one thing they say about Catholics is:
They'll take you as soon as you're warm.

You don't have to be a six-footer.
You don't have to have a great brain.
You don't have to have any clothes on.
You're A Catholic the moment Dad came,

Because Every sperm is sacred.
Every sperm is great.
If a sperm is wasted,
God gets quite irate.

CHILDREN: Every sperm is sacred.
Every sperm is great.
If a sperm is wasted,
God gets quite irate.

GIRL: Let the heathen spill theirs
On the dusty ground.
God shall make them pay for
Each sperm that can't be found.

CHILDREN: Every sperm is wanted.
Every sperm is good.
Every sperm is needed
In your neighbourhood.

MUM: Hindu, Taoist, Mormon,
Spill theirs just anywhere,
But God loves those who treat their
Semen with more care.

MEN: Every sperm is sacred.
Every sperm is great.
WOMEN:If a sperm is waaaasted,...
CHILDREN:...God get quite irate.

PRIEST: Every sperm is sacred.
BRIDE and GROOM: Every sperm is good.
NANNIES:Every sperm is needed...
CARDINALS:...In your neighbourhood!

CHILDREN:Every sperm is useful.
Every sperm is fine.
FUNERAL CORTEGE:God needs everybody's.
MOURNER #1:Mine!
MOURNER #2:And mine!
CORPSE:And mine!

NUN:Let the Pagan spill theirs
O'er mountain, hill, and plain.
HOLY STATUES: God shall strike them down for
Each sperm that's spilt in vain.

EVERYONE:Every sperm is sacred.
Every sperm is good.
Every sperm is needed
In your neighbourhood.

Every sperm is sacred.
Every sperm is great.
If a sperm is wasted,
God gets quite iraaaaaate!



TODO ESPERMA É SAGRADO
Pai: Há judeus no mundo, há Budistas
há Hindus, e Mormons, e então
há aqueles que seguem Mohammed
mas, eu nunca fui um deles.

Eu sou um Católico Romano
e tenho sido desde antes de nascer
e uma coisa que dizem sobre católicos é
que eles apanhar-te-ão assim que aqueceres

Tu não precisas de ser alto
Tu não precisas de ser inteligente
Tu não precisas de ter roupa alguma
Tu és católico no momento em que o teu pai se veio

Porque cada esperma é sagrado
Cada esperma é "grande"
Se um esperma é desperdiçado
Deus fica completamente irado

Crianças: Cada esperma é sagrado
Cada esperma é "grande"
Se um esperma é desperdiçado
Deus fica completamente irado

Menina: Deixe os pagãos derramar os deles
No chão empoeirado
Deus vai fazê-los pagar
por cada esperma que não possa ser encontrado

Crianças: Cada esperma é desejado
Cada esperma é bom
Cada esperma é necessário
dentro do teu próximo

Mãe: Hindus, Taoístas, Mórmons
derramam os deles em qualquer lugar
mas Deus ama aquele que trata
o seu sêmen com mais cuidado

Homens: porque cada esperma é sagrado
cada esperma é "grande"
Mulheres: se um esperma é desperdiiiiçado
Crianças: Deus fica completamente irado

Padre: Cada esperma é Sagrado
Noiva e Noivo: Cada esperma é bom
Amas: cada esperma é necessário
Cardeiais: dentro de seu próximo

Crianças: cada esperma é útil
cada esperma é bom
Cortejo Fúnebre: Deus necessita de todos
Acompanhante:os meus.
Acompanhante:E meus.
Defunto:E meus

Freiras: deixe os pagãos derramarem os deles
nas montanhas, serras
Estátuas Sagradas: Deus vai derrubá-los
por cada esperma que é derramado em vão

Todos: cada esperma é sagrado
cada esperma é bom
cada esperma é necessário
dentro do teu próximo

Cada esperma é sagrado
cada esperma é "grande"
se um esperma é desperdiçado
Deus fica completamente iraaaaaaado

ELE HÁ CARGAS FANTÁSTICAS NÃO HÁ? A BRIGADA NÃO VAI COMBATER NENHUMA GUERRA RELIGIOSA. NA BRIGADA HÁ LUGAR PARA TODAS AS RELIGIÕES, PARA CRENTES E NÃO CRENTES.

Publicação do Próximo post dia 30/1

domingo, 18 de janeiro de 2009

CHEGUEI ATRASADO capitulo 3 -OS TRANSPORTES GRATUITOS

Mais uma vez a Brigada destaca este blogue http://luisalvesdefraga.blogs.sapo.pt/ , um blogue de reflexão que convem ter como farol, já que parece que ás vezes não vivemos apenas aguentamos... ter uma luz que nos guia é sempre bom, pois "Lanterna que vai á frente..."
Caros Bloguistas Militantes
Na continuação da saga que já dura à dois posts, hoje debruçamo-nos sobre a Carris.
Mas antes quero protestar, sabiam que para as companhias transportadores o ano só tem 360 dias? Sim, os transportadores arranjaram maneira de nos fazer gastar dinheiro por mais 4 dias.
Eu explico, antigamente um passe era, e realço era, válido durante um mês, ou seja de 1 a 30 ou de 1 a 31 ou de 1 a 28 ou 29 conforme os meses.

O pessoal reivindicou, desejava comprar o passe a qualquer altura do mês. Isto no pressuposto que nem toda a gente recebe o salário na mesma altura do mês. E vai daí que acederam ao nosso desejo, mas como nos dizem muitas vezes vejam lá o que desejam que esse desejo pode tornar-se realidade ... e tornou... e as empresas transportadoras aproveitam a boleia e ... TINGAS... qual Imperador JULIANO, resolveram modificar o calendário a seu belo prazer.

Resumindo: qualquer passe só é válido por trinta dias, a contar do dia em que o adquiriu, resultado, o Zé Povo desejou, o desejo concretizou-se, e agora tem o zé povo de pagar mais 4 dias por ano. Pois se qualquer um de vós fizer as contas, verão que é isso que fica a faltar.
Mas reparem, e chamo a atenção para isso, o que as empresas transportadoras lucraram com esta jigajoga: Somos alguns milhares a usar o passe numa média de gasto por mês de 59.45€, ora dividimos por 30 dias e dá a quantia que gastamos por dia que é cerca de 1,98€ para podermos andar de transportes.

Façamos as contas por baixo: 1,98€x 4 dias = 7,92€ multiplicamos isso por 2 milhões de pessoas que tem passe (que é muito mais estimo em 4 milhões) dá um total de 15.840.000 milhões a mais.
Assim dá para ver como é que as companhias de transportes com uma manobra de charme, e alterando o calendário ficaram a lucrar com a brincadeira... e atenção eu só estou a fazer a média dos passes...

Estes senhores são useiros e vezeiros neste tipo de manobra.
Mas como o prometido, na continuação do post sobre a CP, falemos de bilhética, ou seja da forma de cobrar bilhetes e da maneira como eles estão implementados.
Há tanto a dizer sobre a companhia que fornece de transportes a capital... Ao invés da CP a Carris aboliu completamente as zonas como modo de cobrança de bilhetes faseada, aliás a Carris não tem cobrança de percurso faseada, tem cobrança de percurso ponto.

Ou seja quer andemos uma paragem, quer andemos o percurso todo o preço é igual, mas nem sempre foi assim, antigamente pagávamos por zona. Ora esta prática é injusta, pagamos pelo que andamos e pelo que não andamos e por isso temos aqui de protestar.
A crise, como já afirmei, é para todos e não só para alguns, tem de existir medidas solidárias. A Carris, é campeã de tratar mal o público, senão vejamos: o facto de existirem máquinas nos eléctricos articulados que só aceitam moedas, é algo de legalidade bastante duvidosa (quer dizer eu não tenho dúvida nenhuma). Ainda ninguém se lembrou de colocar a Carris em tribunal por causa desta atitude.

As máquinas de vendas de bilhetes a bordo do autocarro/eléctrico tem de aceitar o dinheiro corrente seja ele moedas e/ou notas.
Vejamos na Carris quem cobra bilhetes é o motorista. Logo este tem uma tripla função: conduz, fiscaliza e cobra bilhetes. Isto em termos de velocidade de circulação dos transportes tem influência pois diminui a velocidade de circulação e aumenta o tempo em que está parado.
A função do motorista é conduzir, não é vender bilhetes, já que a Carris despediu os "picas" dos autocarros e dos eléctricos, deveriam ter substituído por máquinas de vender bilhetes, aliás, como se passa na maior parte da Europa.

Por outro lado que deveremos dizer da reduzida mobilidade e funcionalidade nas entradas e saídas que os autocarros/eléctricos teem?
Eu explico: TODAS as empresas de transportes desconfiam dos utentes dos seus transportes, qualquer que seja a sua nacionalidade. Só assim se consegue entender que nos transportes as entradas só se fazem pela frente e as saídas só se fazem por trás.

Os transportadores portugueses contrariam o que se pratica há anos na Europa civilizada. Na Europa todas as portas dos transportes, sejam elas quais forem, frente ou trás, tanto servem para entrar como para sair, contribuindo assim para uma maior fluência tanto na entrada como na saída, reduzindo o tempo dos transportes nas paragens, tornando-os assim mais rápidos.
Mais, todos os transportes citadinos urbanos nas grandes cidades europeias, tem 3 portas e não duas como por cá se pratica. Assim a fluência de entradas e saídas de passageiros é muito maior, reduzindo o tempo parado nas paragens, aumentando assim a velocidade de circulação, tornando os transportes mais eficientes e menos poluidores, atraindo mais clientes.

Não podemos esquecer o protocolo de KIOTO. Necessitamos de atingir as metas a que nos propusemos, para não sermos duplamente penalizados, uma no ambiente e outra nas pesadas multas. E é a pensar no ambiente, apesar dos sistemas de pagamentos que atrás propus, que tenho uma alternativa para o sector dos transportes.
Se precisamos de reduzir emissão de CO e de outros gases, se parte destes gases são produzidos pelos automóveis e uma das soluções é a população andar de transportes, porque não pensarmos em tornar OS TRANSPORTES GRATUITOS?

Loucura total? Talvez não, sigam o meu raciocínio:
Se não cumprimos o protocolo de Kioto, temos de pagar milhões em multas porque poluímos acima do que nos propusemos.
Ora, qual é um dos factores principais da poluição? São os automóveis.
Se para cumprimos Kioto e atingirmos as metas a que nos propusemos temos de reduzir substancialmente as taxas de emissão de CO. Ora se os carros são os grandes contribuintes paras que essa taxa de CO seja elevada, então se os transportes públicos fossem gratuitos, as pessoas passariam a andar mais de transportes públicos e menos de carro, logo reduzir-se-ia as emissões de CO, logo o dinheiro que poupávamos nas multas para cumprirmos o protocolo de Kioto servia para a compensação dos fornecedores de transportes, por estes estarem a dar um serviço essencial e este ser gratuito.

Era só vantagens: A população poupava nos passes, pois se era gratuito não era necessário, depois o nível de consumo energético baixava pois não precisaríamos de tantos combustíveis, com os automóveis parados não se gasta combustível, depois não havendo tantos “nabos” nas estradas os acidentes diminuiriam, poupávamos em hospitais e segurança social, e ainda gastávamos menos tempo nas filas de transito, como vêem era só ganho. Claro que teríamos de melhorar a oferta e os percursos de transportes, mas o ganho era substancial.

Complementaríamos isso com a obrigatoriedade das empresas com mais de 100 trabalhadores terem transportes colectivos próprios, para levarem e trazerem os seus trabalhadores de casa para o trabalho e vice-versa. Proibir-se-ia os transportes não essenciais das empresas, ou seja, retirar-se-ia o privilégio na função pública dos chefes e directores terem carro próprio e tudo o que não é essencial mas privilégio.

Quem quer ter carro tem de pagar, o nosso Planeta está a ressentir-se deste nosso devaneio. Por outro lado, deveremos investir nos híbridos, e nos transportes de energia alternativa. Demasiado radical? Talvez, mas o Planeta tem estado a avisar-nos. Se não queremos carros na estrada assumamos isso. E procedamos em conformidade e tomem medidas. Se não é isso que querem acabem então com a hipocrisia.
Mas façam alguma coisa.

Poema da Utopia - Fernando Namora
A noite caiu sem manchas e sem culpa.
Os homens largaram as máscaras de bons actores.
Findou o espectáculo.
Tudo o mais é arrabalde.
No alto, a utópica Lua vela comigo
E sonha coalhar de branco as sombras do mundo.
Um palhaço, a seu lado, sopra no ventre dos búzios.
Noite!
Se o espectáculo findou
Deixa-nos também dormir.
ELE HÁ CARGAS FANTÁSTICAS NÃO HÁ? A BRIGADA ANDA A CAVALO E NÃO POLUI… SIM PORQUE O ESTRUME É BIODEGRADÁVEL E O COMBUSTÍVEL É FENO.

quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

Cheguei atrasado capitulo 2 - o transporte ferroviário

O blogue que a Brigada hoje recomenda, nem de propósito, o blogue http://escadinhas.blogs.sapo.pt/ , que no seu post de 27/12/2008 falou sobre a CP, deem uma vista de olhos, nesse dia.

Caros Bloguistas Militantes
(Continuando o último post publicado, hoje vamo-nos debruçar sobre a CP)
Como já tinha dito ando bastante de comboio, e adoro andar de comboio, só tenho pena de nunca ter andado em nenhum comboio a vapor.
Vejamos então a CP, na suburbana linha de Cascais, e tomo a linha de Cascais como exemplo, como poderia tomar uma do Porto, Coimbra ou qualquer linha suburbana.
Só existem duas vias na linha de Cascais, em contraponto com a Linha de Sintra passou de duas vias para 4, aumentando assim a oferta.
Partindo do pressuposto que a linha de Cascais, está física e geograficamente limitada a duas linhas e não se consegue expandir para as 4 linhas, conseguir-se-ia mesmo assim com todos estes "handicaps" e com boa vontade, aumentar as ofertas de comboios nesta linha.Como? Fácil, digo eu, basta existir coordenação e horários ajustados.
Eu explico: existem 4 estações fundamentais para o fazer, são elas: Algés, Oeiras, Carcavelos, São Pedro do Estoril.Estas estações permitem o cruzamento de pelo menos 3 comboios, logo permitiriam, que a oferta de comboios fosse aumentada, e não esteja reduzida, como está agora e se confine aos comboios de 20 em 20 minutos que ao longo da maior parte do dia é praticado.
Sim, sublinho durante a maior parte do dia, pois durante as horas que a CP definiu unilateralmente como hora de ponta, os tempos de espera entre comboios são reduzidos para no mínimo 2 minutos no máximo 8 minutos.
Portanto, pelos vistos, e na prática é possível reduzir o tempo de oferta de comboios.
E o porque de me preocupar com tudo isto, perguntais vós?
É fácil a resposta, se todos queremos que os cidadãos deixem os automóveis em casa algo temos de fazer.Para tal é preciso melhorar a oferta e atrair passageiros, para isso é necessário que os horários não sejam condicionadores para servir de desculpa para os potenciais passageiros não irem apanhar o comboio e existe também outro factor essencial, o material circulante tem de ser no mínimo bom.
Nós sabemos que na linha de Cascais a CP não quer investir na renovação do material circulante e que, ultimamente, afirmamos com tristeza, anda muito mal cuidado, e isso estende-se ás outras linhas suburbanas, é que é muito diferente andar num comboio novo e confortável a um comboio recauchutado e que tem sempre avarias nos seus sistemas.
Olhem para a qualidade dos comboios franceses ou alemães nas linhas suburbanas ou mesmo nós portugueses na linha da Azambuja ou na do Fogueteiro.Será que uns são filhos e outros são enteados?A qualidade dos serviços exige-se e a segurança das linhas também.
Assim também se exige que as passagens pedonais e automóvel na linha de Cascais e em todas as outras, sejam completamente abolidas, e sejam substituídas por passagens desniveladas.
Já chega de trucidamentos, já chega de acidentes onde são envolvidos comboios, pessoas e veículos.A linha de Cascais, como qualquer linha suburbana, ainda possui algumas destas passagens e contudo uma já seria demais.
Qualquer vida que se perca por acidente com um comboio tem um preço demasiado caro que não queremos ter de pagar.
Mas não são só desvantagens utilizar a CP nas suas linhas suburbanas, por exemplo o facto de não pagar o bilhete completo do trajecto mas sim pagar por zonas, é uma vantagem grande.
Porém é um retrocesso em relação ao que antigamente se praticava, que só se pagava o custo das estações que se andava, mas julgo que com alguns protestos de todos nós voltaremos a esse sistema. Afinal a crise toca a todos e no que toca a poupar dinheiro temos ás vezes de voltar ao antigamente.
Investindo nos transportes públicos, estamos a investir no ambiente
O post já vai grande e no próximo continuo com o tema, versando a companhia Carris.
No comboio descendente - Fernando Pessoa
No comboio descendente
Vinha tudo à gargalhada,
Uns por verem rir os outros
E os outros sem ser por nada -
No comboio descendente
De Queluz à Cruz Quebrada…
No comboio descendente
Vinha tudo à gargalhada,
Uns por verem rir os outros
E os outros sem ser por nada -
No comboio descendente
De Queluz à Cruz Quebrada…
No comboio descendente
Vinham todos à janela,
Uns calados para os outros
E os outros a dar-lhes trela
-No comboio descendente
Da Cruz Quebrada a Palmela…
No comboio descendente
Mas que grande reinação!
Uns dormindo, outros com sono,
E os outros nem sim nem não
-No comboio descendente
De Palmela a Portimão…
ELE HÁ CARGAS FANTÁSTICAS NÃO HÁ? A BRIGADA QUANDO PERDE O COMBOIO E OS CAVALOS ESTÃO CANSADOS FICA APEADA OU PEDE BOLEIA... C'EST LA VIE.



sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

Cheguei atrasado outra vez

Hoje não destaco um blogue mas o filme sobre o título deste meu blogue, se no primeiro post com que iniciei esta jornada transcrevi o poema de Alfred Tennyson "The Charge of the Light Brigade" hoje deixo a sinopse do filme, para aguçar a curiosidade. http://www.2001video.com.br/detalhes_produto_extra_dvd.asp?produto=8985

CAROS BLOGUISTAS MILITANTES
Por causa de teimosia de alguns, pagamos todos e por isso cheguei outra vez atrasado ao emprego, e já me constipei.
Detesto ser constipado por falta de respeito.
Como sabem não tenho carro e sou um utilizador dos transportes públicos.
Sigo os ventos europeus, só faço aquilo que qualquer cidadão Europeu, não Português, faz ou seja não me pauto pelos padrões e pelas desculpas nacionais.
Ando de transportes públicos. Sim! Ando, e sabem lá com que sacrifício, mas ando, ando todos os dias, e todos os dias vejo desrespeitos higiénicos, desrespeitos de pessoas que não sabem o que é tomar banho para tirar o cheiro a raposinho do sovaquinho, pessoas que não sabem que com um pequeno gesto poderiam evitar espalhar a epidemia da gripe, pessoas que não tem mãos nos seus filhos e por isso que nos fazem ouvir gritos de crianças malcriadas e outras coisas que tais.
Os transportes que frequento mais assiduamente são: a Carris, a CP e a Scotturb, só para conseguir chegar ao emprego.
As razões de eu apanhar tantos transportes e ter de atravessar 3 Concelhos, portanto as razões do facto de o meu trabalho estar tão longe de casa, isso talvez para um outro post quando eu tiver mal disposto.
Mas a verdade é que apanho os transportes, e a teimosia/desconhecimento, má formação, birra e a falta de coordenação das empresas ou seja dos OUTROS... fazem com que EU chegue atrasado ao emprego.
A maioria dos cidadãos que anda nos transportes sabe e já repararam e já sentiram na pele, os transportes não andam coordenados. Se o comboio como é sabido não espera para conseguir andar á tabela então para compensar isso temos as camionetas que podem esperar e/ou ajustar-se ao horário dos comboios, aliás ambas as companhias poder-se-iam, ou melhor já se deveriam ter entendido para servir verdadeiramente o público e não os seus interesses.
Nos transportes, como em tudo tem de haver respeito, porque se não é um factor dissuasor de passageiros, e quem sofrerá com isso é o ambiente.
No próximo post vou-me referir particularmente á CP, hoje fico por aqui porque dizem que ando a escrever posts grandes e depois ninguém os lê.
Constipação Escrito por: João Filipe Ferreira (Direitos Reservados)
Atchimatchimm
Já espirrei mais uma vez…
Já estou farto de estar assim…
Porque raio o frio isto me fez??
Nariz entupido
Que me surgiu com timidez
Agora o lenço anda sem sentido
Pois espirrei outra vez…
Um cházinho voltei a tomar
Para um comprimido acompanhar…
Já estou a desesperar
Por não conseguir respirar…
Maldita constipação que fui apanhar
Logo agora que é natal
Será que ela veio para ficar
?O que quer ela de mim afinal?
Será que me quer pôr com febre e a delirar?
Ou apenas se rir com tremenda malvadez?
Sei apenas que me está a irritar……
Bolas! Já espirrei outra vez!!!
ELE HÁ CARGAS FANTÁSTICAS NÃO HÁ? A BRIGADA NÃO TEM VEÍCULO MOTORIZADO, ANDA A CAVALO E RESPEITA OS OUTROS.

segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

Cuidado Casimiro

Para a ementa do dia hoje servimos um blogue chamado Vulgar de Lineu. O autor deste blogue, já não escreve lá mais, encerrou o blogue. Nós que já o destacámos uma vez, pensamos que apesar de não ter mais novidades as imagens que lá se encontram são bonitas e vale a pena sempre lá ir http://vulgardelineu.blogspot.com/ já sabem é carregar em cima para lá ir ter
Olá Caros Bloguistas Militantes
Desde já vos alerto que este post é Longo e é sobre política,
Este post, salvo a presunção, pode conter verdades inconvenientes...
É uma republicação melhorada do post que a Brigada publicou em 29/7/2007...
Quando o escrevemos previmos que o ano de 2008 ia ser um ano rico em política interna e externa, não nos enganámos, mas como demorámos uns meses a publicar o post por isso não contam como contam as previsões astrológicas de início de ano.
Mas para não ficarmos descalços, diremos que nos anos 2009 e 2010, vamos assistir a uma transformação profunda da sociedade, que vai continuar por mais uns anos e vão ser uns anos conturbados.
Esta transformação já começou, mas só agora estamos a ver e sentir os seus efeitos, pois as causas há muito que se manifestavam.
Mas adiante, vamos ao que interessa… sabem que isto de mexer em poderes e podres instituídos, é como a frase que nós já ouvimos em tempos: “A "merda" quando bate na ventoinha, é espalhada para todo o lado, e todos levamos com uma quota parte.”
Enquadremos o assunto... o que é actual agora, tem raízes no passado, a história começa sempre antes… digamos que o nosso governo, não deveria ter interferido com a OPA da SONAE sobre a PT. Sim já lá vai tanto tempo, mas sabem a vingança é um prato que se serve frio e os empresários bons sabem esperar.
O nosso Governo também não deveria ter anunciado a abertura a privados de um quinto canal de TV.
Resultado, o Sr. Belmiro e o Sr. Balsemão (os B.B), estão furibundos com o nosso governo, e estão-lhe fazer a folha e mais não digo pois não sou Bastonário da Ordem dos Advogados…felizmente.
Depois disto tudo, eis senão quando, rebenta a crise mundial, e Oh tio! Oh tio! que os bancos vão á falência e os clubes de futebol agudizam-se em dívidas ao mesmo tempo que os bancos.
Cai o Carmo e a Trindade, os tipos do dinheiro que mandavam nisto finalmente foram afectados... Nacionaliza-se o BPN e injectam-se una quantos milhões na banca. Para se manter as aparências, para que os lucros de milhões do ano passado, este ano sejam ainda uma realidade.
Para que a maioria dos administradores, possam ir passar as férias a locais paradisíacos e nós a contribuir.
Resumindo e baralhando, o Zé Povo se deve ao fisco está lixado com "f" de faca e nem lhe perdoam, mas se for um clube de futebol ou um banco... aí o caso muda de figura, os primeiros pagam em suaves prestações mensais a perder de vista e para os segundos injectam-se milhões de euros para se manterem.
Isto tudo ao mesmo tempo que os nossos políticos falam de crise, e que se tem de tomar medidas, eis que avançam com uma medida milagrosa, A CANDIDATURA AO CAMPEONATO DO MUNDO DE 2018...
Quem me conhece sabe que gosto de falar de política, tanto externa como interna, não é que entenda muito do assunto, mas gosto de falar de política sempre tendo em vista a conjuntura global e não somente aqui o nosso pequeno burgo.
Nunca HAMLET teve tanta razão "algo está podre no reino da Dinamarca"... e nos outros também.
Sim, porque não estamos nem vivemos isolados. A teoria da física que fala sobre a Acção-Reacção é aqui aplicada. Nós não temos pouca politica interna, temos a que temos e é toda comandada pela União Europeia, e a política da UE é toda orientada por "Roma", leia-se EUA.
Somos uma República... ou melhor uma republicazinha, que não tem problemas ... tem probleminhas.
Somos no entanto uma República Democrática... ah isto faz-me lembrar a antiga Alemanha Oriental... esta não me saiu muito bem... enfim siga para Bingo.
Ah, mas se vocês sonhassem de que tijolos e cimento é feita a parede da Democracia...
Quero previamente sublinhar,que existe gente honesta na política.
Espantados? Não estejam, é a sério que falo, eu conheço alguns... só que são abafados... a falta de cultura democrática Portuguesa quase que os aniquila.
Já alguma vez se perguntaram. Será que temos uma democracia? Ou será que temos uma "Espécie de Democracia?"
Tentarei cingir-me a critérios científicos (que é para isso que eles servem), tentarei... não disse que irei conseguir...
Democracia é o governo do povo, ou seja a soberania está no povo, quer dizer, teoricamente, é ao povo que cabe ter o poder...
Mas, Caros Concidadãos e Bloguistas Militantes, sabem, apesar de isto não ser a Suíça, não somos assim tão poucos e não temos um Estado do tamanho do Alentejo, se fosse esse o caso até poderíamos dar ao luxo de ter referendos permanentes (se calhar até podemos), para questões prementes ou não.
Ou seja verdadeiramente temos o povo a decidir... mas para isso teríamos de aprender tanto...
A Soberania na sua génese... cabe ao povo... os conceitos de soberania levam-nos a outros lados, mas se reduzirmos, é ao povo que cabe a soberania de uma nação... de um Estado.
Ora o nosso Estado tem 10 milhões de cidadãos, fazendo contas, dividimos a soberania (e isto não fazendo contas à moda de um ex. 1º ministro) deixa cá ver... pronto dá 1/10.000.000 de soberania a cada português, ou seja é um cagagésimo a cada um.
Os teóricos concluíram, que para um Estado ser forte, a soberania não poderia estar dispersa e entregue irresponsavelmente ao povo, por isso disseram que não poderia ser entregue ao povo, para o país ser funcional teríamos de abdicar concentrando a nossa soberania.
Impuseram-nos assim umas Democracia mitigada, os grandes senhores disseram-nos ao estilo de D. CORLEONE em "O Padrinho" ..."I will make him an offer he can not refuse", e vai daí, concentraram e distribuíram a nossa soberania por uma Assembleia… a da República (A.R.).
A nossa quota parte de soberania passou assim para os Deputados.
É por esta razão que os eles nos representam, e nós os elegemos.
Teoricamente Votar seria utilizar a nossa "arma". Só que... fomos sabotados, forneceram-nos munições de salva, aqueles de nós que ainda tentam disparar, nada conseguem mudar e fica tudo na mesma. Logo não vale a pena andarmos por aí aos tiros.
É por essa razão que eu acho que temos nas eleições uma abstenção consciente e por isso elevada.
Na A.R., são 230 deputados que representam os 10 milhões de portugueses, logo a soberania quase toda está na A.R. Dividindo essa soberania por cada deputado, cada um deles representa 43.478,2 cidadãos portugueses, o que não significa obrigatoriamente que estes sejam eleitores, pois os cidadãos eleitores são muito menos que o total da população.
Se representam tantos portugueses ao mesmo tempo, obviamente que não representam ninguém. Se falam por toda a gente, logo não falam por ninguém em concreto.
Os deputados são eleitos por distritos e representam uma área geográfica enormíssima.
Todos os concelhos desse Distrito são representados por eles e isso incluí o território, os cidadãos eleitores e não eleitores que lá vivem, é isso que determina a quantidade de deputados que são eleitos por distritos o rácio População e área. A divisão dos 230 deputados é feita por distritos, a fórmula é achada consoante a população do distrito. Lisboa e Porto são os que elegem mais.
Mas depois vem algures na C.R.P. está escrito que o Deputado representa o todo nacional.
E como é que esses deputados são escolhidos?- Perguntais vós Caros Bloguistas Militantes.
Pois eles são escolhidos por partidos, e, é aos partidos que os deputados devem fidelidade, foram os partidos que os escolheram e indicaram e voltarão a indicar se se portarem bem.
A maioria dos partidos está dividido por distritais (representam geograficamente o distrito) e estas em concelhias (são as células que representam o partido no concelho), e todas são supervisionadas pelo partido nacional.
A escolha é feita da seguinte forma, as distritais tem direito a um número X de deputados, dividem esse número de deputados a eleger pelas concelhias que fazem parte do seu distrito, as concelhias indicam o número de pessoas que lhes coube para candidatas a deputadas pela distrital e assim se obtém a lista de deputados pelo distrito.
Isto seria linear e até democrático, se Presidente do partido não impusesse uma quota sua, para indicar quem muito bem entende (nos lugares elegíveis) para poder ter o controlo do grupo parlamentar. Isto seria de somenos importância, se o Presidente o fizesse só numa distrital, mas fá-lo em todas e a sua escolha varia de 1 a 5 deputados dependendo do número a eleger (são 18 os distritos).
Os Presidentes das Distritais por sua vez também impõem uma quota (de 1 a 3 deputados) e para cúmulo o Presidente da Concelhia ainda tem uma quota sua (1 a 3 deputados)... sendo que nas concelhias pequenas que só teem direito a indicar um deputado... adivinhem quem é que o presidente da Concelhia escolhe? ...
Ele indica-se a si próprio (what else...), ou seja existe aqui um jogo de poder, mas isso já sabíamos e agora eu disse como é... estão a ver porque é que eles se querem eternizar no poder e o conseguem, pois deputado gera poder, poder gera distribuição de favores e lugares e assim isto é um ciclo vicioso.
Os restantes deputados são escolhidos pelos seus correlegionários que pertencem à concelhia... mas não pensem que o universo é o de 100% dos eleitores daquela concelhia... não claro que não , mas vocês pensam que isto é a República das Bananas ou quê?
Existe um colégio eleito (aí sim pelo universo dos 100% de correlegionários que estão inscritos no partido, naquele concelho e com as cotas em dia) que votam no número de deputados disponível, que eles não sabem pois só são depuradas e subtraídas as quotas que acima mencionei quando são entregues as listas finais rectificadas pelo Presidente do Partido.
Bolas já estou cansado de escrever descrevendo esta democracia...
Estas escolhas são feitas entre 3 a 6 meses antes das eleições serem marcadas, por isso está quase na altura... (alguns não são escolhidos simplesmente mantêm-se, estes são a maioria, a escolha para as eleições para este ano já está a ser feita) e são feitas nos partidos (porque só os partidos podem apresentar listas de candidatos a deputados) dois anos antes já começaram a afiar as facas, para espetar nos correlegionários do partido para serem eles a concorrer a cargos, é o que dentro de um mês vai acontecer no PS, PSD, CDS e nos outros, excepto no PCP que estão sempre de acordo... estejam atentos.
Por isso é que existem tantas “broncas”, pois as broncas existem por causa do Poleiro, ah pois é... ou julgam que determinado individuo e a sua equipa concorrem a uma concelhia ou uma distrital só porque gostam do partido? Se fosse assim não mudavam de partido…
Isto tudo é por causa do poleiro, do poder de designar as quotas, do protagonismo, do lugar na Assembleia da Republica ou no Governo, ou de assessor... A vida de um Presidente de uma Distrital/Concelhia, não é fácil.
Imaginem a chuva de telefonemas dos correlegionários a dizerem mal deste e daquele, e a auto-promoverem-se, prometendo eles que sempre foram e serão fieis, vale tudo, como alguns tratam da promoção no emprego lixando os colegas (eu que o diga que só me ponho a jeito para me lixarem) eles assim tratam de concorrer a deputados.
No final das eleições internas de um partido, existe muita gente furibunda... lixada mesmo... e então aí é que começam as manobras de bastidores... e alguns conseguem através dessas artimanhas políticas entrar nas listas... e até retirarem aqueles que eleitos “democraticamente” o foram...
Resumindo, Caros Bloguistas Militantes, entenderam que quando as listas de deputados chegam até nós, já passaram por primárias internas, e pela depuração da distrital, pelos jogos de bastidores e pela aprovação final da nacional do partido e pelo sancionamento do Presidnete do Partido. A escolha foi feita plutocraticamente.
Para deputados, nós escolhemos a escolha da escolha, das escolhas conjuntas, ou seja nós escolhemos a quarta depuração. Já perceberam que isto é a Democracia dos amigos, é por isso que são sempre os mesmos...
Até lá Cuidado com as imitações.
Cuidado com as imitações - Sérgio Godinho
Estimado ouvinte, já que agora estou consigo
Peço apenas dois minutos de atenção
É p'ra contar a história de um amigo
Casimiro Baltazar da Conceição
O Casimiro, talvez você não conheça
A aldeia donde ele vinha nem vem no mapa
Mas lá no burgo, por incrível que pareça
Era, mais famoso que no Vaticano o Papa
O Casimiro era assim como um vidente
Tinha um olho mesmo no meio da testa
Isto pra lá dos outros dois é evidente
Por isso façamos que ia dormir a sesta
Ficava de olho aberto
Via as coisas de perto
Que é uma maneira de melhor pensar
Via o que estava mal
E como é natural
Tentava sempre não se deixar enganar
(E dizia ele com os seus botões:)
-Cuidado, Casimiro
Cuidado, Casimiro
Cuidado com as imitações
Cuidado, minha gente
Cuidado, minha gente
Cuidado justamente com as imitações
Lá na aldeia havia um homem que mandava
Toda a gente, um por um, por-se na bicha
E votar nele e se votassem lá lhes dava
Um bacalhau, um pão-de-, uma salsicha
E prometeu que construía um hospital
Uma escola e prédios de habitação
E uma capela maior que uma catedral
Pelo menos a julgar pela descrição
Mas... O Casimiro que era fino do ouvido
Tinha as orelhas equipadas com radar
Ouvia o tipo muito sério e comedido
Mas lá por dentro com o rabinho a dar a dar
E... punha o ouvido atento
Via as coisas por dentro
Que é uma maneira de melhor pensar
Via o que estava mal
E como é natural
Tentava sempre não se deixar enganar
(E dizia ele com os seus botões:)
-Cuidado, Casimiro
Cuidado, Casimiro
Cuidado com as imitações
Cuidado, minha gente
Cuidado, minha gente
Cuidado justamente com as imitações
Ora o tal tipo que morava lá na aldeia
Estava doido, já se vê, com o Casimiro
De cada vez que sorria à plateia
Lá se lhe viam os dentes de vampiro
De forma que p'ra comprar o Casimiro
Em vez do insulto, do boicote, da ameaça
Disse-lhe: "Sabe que no fundo o admiro
Vou erguer-lhe uma estátua aqui na praça"
Mas... O Casimiro que era tudo menos burro
E tinha um nariz que parecia um elefante
Sentiu logo que aquilo cheirava a esturro
Ser honesto não é só ser bem falante
A moral deste conto
Vou resumi-la e pronto
Cada qual faz o que melhor pensar
Não é preciso ser
Casimiro pra ter
Sempre cuidado pra não se deixar levar
-Cuidado, Casimiro
Cuidado, Casimiro
Cuidado com as imitações
Cuidado, minha gente
Cuidado, minha gente
Cuidado justamente com as imitações"
Há cargas fantásticas, não há? Mas carregar nesta Democracia... é de pensar 2 vezes.