As minhas cachadas no Geocaching

Profile for jpngi

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

O PROFANADOR

Hoje destaco um blogue de alguém que me visitou recentemente aqui no blogue e deixou um comentário. Fui cuscar o blogue deste visitante e gostei e como gostei deixo aqui o destaque.
É um blogue de esperança que como diz no seu epigrafe "Porque este país se constroi em cada punhado de terra, em cada candeia, em cada semente de esperança que nasce de uma canção qualquer onde cada dia é sempre o primeiro para tornar este Portugal maior", o blogue chama-se
Primo die -Viagens, opinião e cultura, http://primodie.blogspot.com/, já sabem é só clicarem em cima. Caros Bloguistas Militantes
Ontem fui à tomada de posse da Assembleia Municipal e da Câmara Municipal... de Lisboa.
Para a maioria desejo pessoalmente, em nome da cidade e em nome de uma boa gestão da cidade, um excelente mandato, a outros, poucos diga-se, desejo que o mandato lhes corra de igual feição ao tamanho do seu ego e da sua indiferença pelo povo que os elegeu.
Hoje sinto-me um PROFANADOR, um escarnecedor herético, contra esta pseudo reclamação moral , que um dia Philip.K.Dick escreveu, nesta sociedade em que todos pensamos que temos sido sempre felizes...
Nesta Sociedade em que até agora ninguém, nem o B.E. que é a oposição mais radical dentro do género, fez algo que profanasse e abanasse esta pseudo moral.

Estou farto de espíritos sádicos e obscenos que procuram explorar promenores sórdidos, para sujar qualquer acto inofensivo através da cosntante bisbilhotice, vendo procaria e culpa nas relações humanas normais.
Estou farto de ver casais desfeitos pelas bisbilhotices ou por terem asumido compromissos que sabiam à partida que era de conveniência ou por qualquer imposição moral ou social.
É por isso que depois vemo-nos a fazer-lhes perguntas concretas a elas e/ou a eles, como por exemplo:

  • Será que ele/a te compreende?
  • Ela/e compreende esse teu intímo que faz que tu sejas diferente e te mantém sempre fora do sistema?
  • Será que ele/ela te ode ajudar a trazer à luz este ìntimo, como deveria ser feito?

Sim, isso é que é importante, é mais importante do que tudo o resto!
Estou farto de acusações anónimas a cidadãos pacatos, de que os corruptores vão para a prisão preventiva enquanto os corrompidos continuam de fora e a continuarem a ser corrompidos "à bravier"... Hoje apetecia-me sinceramente, mandar uma série de pessoas à merda.
Sim, eu disse à merda, para não ter que dizer coisas piores.
E porque mandá-los aquela parte?
Porque eles não conseguem assumir um Não convicto, franco e directo e sustentado.
Porque eles não conseguem assumir um Sim sincero, leal e solidário.
São e estão nas meias tintas, estão em cima do muro a ver para que lado pendem e não cai... e não cai.
Porque usam subterfúgios para não perder os votos de potenciais eleitores, omitindo-lhes a verdade, pintando uma manta de retalhos lindos...
Porque não são pessoas rectas, livres, justas e solidárias.
Oh, sim a solidariedade... tantos que tem de ter essa obrigação acrescida e se fazem passar por "Columbinas" quando deveriam ser "Pierrots".
Dequalquer maneira com ou sem elegância não deixaram de ser palhaços...
Não são todos... claro que não .. muitas e honrosas excepções.

É incrível a quantidade de gente que se ajuda a chegar ao poder e quando o assume no mesmo dia são atingidos por "Alzheimer" e já não se lembram nem ligam a ninguém.
E falo de gente de todos os partidos, é transversal à sociedade política.
Estas transformações de humor, amores e espírito causam-me alguma estranheza e confusão.
Principalmente quando eles passam de bajuladores a mandadores.
Bem diz o ditado, não sirvas a quem serviu, nem peças a quem pediu.
São estes que me apetece mandar à merda.
Há sempre alguém que diz não... que não lhes dá os "Àmen" que eles tanto gostam,.
Àmen esses que são inócuos, castradores, graxistas e mascaradores da realidade.
Mas que hei-de fazer há sempre alguém que resiste, há sempre alguém que diz não, mesmo quando os outros ficam calados... as consequências... bom as consequências "quem diz Não sabe-as tão bem...", não é?



Trova do vento que passa- Manuel Alegre

Pergunto ao vento que passa
notícias do meu país
e o vento cala a desgraça
o vento nada me diz.

Pergunto aos rios que levam
tanto sonho à flor das águas
e os rios não me sossegam
levam sonhos deixam mágoas.

Levam sonhos deixam mágoas
ai rios do meu país
minha pátria à flor das águas
para onde vais? Ninguém diz.

Se o verde trevo desfolhas
pede notícias e diz
ao trevo de quatro folhas
que morro por meu país.

Pergunto à gente que passa
por que vai de olhos no chão.
Silêncio -- é tudo o que tem
quem vive na servidão.

Vi florir os verdes ramos
direitos e ao céu voltados.
E a quem gosta de ter amos
vi sempre os ombros curvados.

E o vento não me diz nada
ninguém diz nada de novo.
Vi minha pátria pregada
nos braços em cruz do povo.

Vi minha pátria na margem
dos rios que vão pró mar
como quem ama a viagem
mas tem sempre de ficar.

Vi navios a partir
(minha pátria à flor das águas)
vi minha pátria florir
(verdes folhas verdes mágoas).

Há quem te queira ignorada
e fale pátria em teu nome.
Eu vi-te crucificada
nos braços negros da fome.

E o vento não me diz nada
só o silêncio persiste.
Vi minha pátria parada
à beira de um rio triste.

Ninguém diz nada de novo
se notícias vou pedindo
nas mãos vazias do povo
vi minha pátria florindo.

E a noite cresce por dentro
dos homens do meu país.
Peço notícias ao vento
e o vento nada me diz.

Quatro folhas tem o trevo
liberdade quatro sílabas.
Não sabem ler é verdade
aqueles pra quem eu escrevo.

Mas há sempre uma candeia
dentro da própria desgraça
há sempre alguém que semeia
canções no vento que passa.

Mesmo na noite mais triste
em tempo de sevidão
há sempre alguém que resiste
há sempre alguém que diz não.

ELE HÁ CARGAS FANTÁSTICAS, NÃO HÁ? UM DIA DESTES CARREGAMOS À SÉRIA... HOJE AINDA NÃO É O DIA...

Sem comentários: