As minhas cachadas no Geocaching

Profile for jpngi

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Retalhos da vida de um médico

O destaque do blogue do dia vai hoje para o blogue "Arrastão", um bloco que satiriza o dia a dia cá do burgo, com cartoons, e com sátiras bem conseguidas, também faz homenagens quando é preciso e necessário. Um blogue atento ao quotidiano, que a Democracia e a Liberdade tem um preço, a nossa constante atenção. Já sabem podem ver em http://arrastao.org/ basta clicar em cima

Não podia deixar passar em claro a morte de uma cantora combatente, de uma cantora de causas, de ideias e de ideais, que foi Miriam Makeba. Num post recente quando fiz um apelo aos arautos, desconhecia, que esta arauta pugnava e cantava pela Liberdade, erro crasso meu.

Ficámos sem uma importante cantora, que movia o povo africano e não só para causas justas. Era para transcrever o que alguns jornais dela disseram mas li no blogue "Arrastão" um comentário de um tal Luís, que resume tudo em poucas palavras, diz ele "Eugénio de Andrade escreveu: “num prato da balança um verso basta, para pesar no outro a minha vida” …. desta mulher basta ouvir soweto blues para se perceber a perda que a sua morte constitui."

A nossa homenagem.



Caros Bloguistas Militantes

Já andamos a brincar com a saúde, faz muito tempo.
E quando falo em saúde, não me refiro só a Portugal, falo também da saúde mundial.
Porque é que eu o afirmo?
A resposta é simples, disse-me alguém que: Para existir empresas de medicamentos tem de haver doenças.
E com isto já digo muita coisa.
As conjecturas que daqui se podem fazer são centenas, só um exemplo: a Malária ou paludismo é uma doença infecciosa aguda ou crónica causada por protozoários parasitas do género Plasmodium, transmitidos pela picada do mosquito Anopheles.
A Malária mata 3 milhões de pessoas por ano, o plasmodium desenvolveu resistência ao quinino que atenuava mas não o matava, no entanto os chineses descobriram a cura, a artemisinina, extraída de uma planta chinesa, tem dado resultados encorajadores. É extremamente eficaz em destruí-lo, causando efeitos adversos mínimos. No entanto, as quantidades produzidas hoje são insuficientes. No futuro, a cultura da planta artemisina na África poderá reduzir substancialmente os custos, mas como não pertencem a nenhuma multinacional, a cura não foi divulgada, porque se curarmos...não ficam as grandes companhias com dinheiro.
Um exemplo cá do burgo: Porque é que a Ordem dos Médicos, contrariando os procedimentos que existem na maioria dos países civilizados do mundo, não deixam que existam os seguintes prestadores de cuidados de saúde:
* Paramédicos
* Médicos de medicina chinesa, homeopática e outras.
Quanto a esta última o problema ainda é mais gritante, pois recuso-me a chamar-lhe de medicinas alternativas, pois por exemplo a medicina tradicional chinesa é muito, mas muito mais antiga que a medicina alopática que por cá praticamos.
[A Alopatia é a medicina tradicional, que consiste em utilizar medicamentos que vão produzir no organismo do doente reacção oposta aos sintomas a fim de neutralizá-los. Exemplo, se você está com uma dor tome um analgésico. É completamente diferente da Homeopatia que é a especialidade médica que utiliza doses mínimas do medicamento, tendo como objectivo evitar a intoxicação e estimular a reacção do organismo à doença.]
Com esta recusa teimosa, de um corporativismo atroz, que vai contra o que se pratica em muitos dos países da Europa, em que quem está enfermo pode escolher um tipo de medicina ou vários, e o interessante é que qualquer consulta, qualquer dos receituários prescritos tem comparticipação da segurança social desse país.
Cá é que a Ordem dos Médicos, é tacanha e curta de vistas.
Se analisarmos bem, se a maioria dos médicos se dedicassem aos doentes e os observassem como seres humanos que são, poupariam muito mais ao Serviço Nacional de Saúde.
Vamos mais fundo um pouco, os meios auxiliares de diagnóstico, são isso mesmo, meios que auxiliam o diagnóstico, ou seja serem para tirar dúvidas a um médico depois de auscultar, palpar, interrogar o doente, ouvir, observar os olhos, a língua etc... geralmente é suficiente para fazer um diagnóstico.
Mas não é a isso que assistimos, o que assistimos é chegarmos ao médico, e dizemos dói aqui ou ali, sinto isto ou aquilo, e mandam logo sem quase olhar nem tocar no paciente, fazer análises raios X, e uma catrefada de meios auxiliares de diagnóstico... para quê? Para o médico fazer um diagnóstico á posteriori.
Mais grave, os médicos a agirem assim, não são mais que prescritores de medicamentos orientados pela indústria farmacêutica.
O médico de província sem meios auxiliares de diagnóstico á mão, e que tinha de usar todo o seu conhecimento do corpo humano, e que só usava meios auxiliares de diagnóstico quando necessário, está a voltar… já vimos muitos médicos a ter consultas mais que 10 minutos que um paciente, chegando a estar 30 e mais minutos, fazendo uma “análise” completa, retirando possíveis dúvidas, bom quase um Dr. House, eles estão a voltar… mas não são a maioria…
Um amigo cardiologista, confidenciava-me que o sucesso dos medicamentos são controlados pelas marcas, ou seja os testes são feitos para uma média padrão e resultam e são aplicados como tendo resultados bastante positivos ou bastante satisfatórios, só como ele diz e bem, por exemplo na especialidade de cardiologia a maior parte dos doentes sai fora da média.
E os medicamentos assim não podem ser prescritos, pois não resultam. É deixada de fora assim uma parte importante da população alvo.
Acresce que, o facto da Ordem dos Médicos, não reconhecer os outros médicos de medicina que são tão ou mais antigas que a medicina alopática que se pratica na Europa Ocidental, mais particularmente em Portugal, deve-se a que os produtos naturais ou outros que são prescritos, não são pertença a multinacionais químicas.
Logo as viagens e os congressos técnicos no Havai iriam diminuir.
Sei que as medicinas tem de cooperar entre si, a medicina alópatica, serve para determinadas situações a homeopática para outras, a chinesa para outras etc... O importante é que a qualidade de vida melhore, e que as doenças diminuam, não é importante (que ingénuo que eu sou) os bolsos dos accionistas das multinacionais químicas e o luxo de alguns médicos.
Sim de alguns, porque felizmente, sejam alopatas, homeopatas, tradicionalistas chineses ou outros, ainda existe muita gente séria na medicina e que se preocupa, que a força esteja convosco.

Retalhos da vida de um médicoAry dos Santos

Serras, veredas, atalhos,
Estradas e fragas de vento,
Onde se encontram retalhos
De vidas em sofrimento
Retalhos fundos nos rostos,
Mãos duras e retalhadas
Pelo suor do desgosto,
Retalha as caras fechadas
O caminho que seguiste,
Entre gente pobre e rude,
Muitas vezes tu abriste
Uma rosa de saúde
[refrão]
Cada história é um retalho
Cortado no coração
De um homem que no trabalho
Reparte a vida e o pão
As vidas que defendeste,
E o pão que repartiste,
São lágrimas que tu bebeste
Dos olhos de um povo triste
E depois de tanto mundo,
Retalhado de verdade,
Também tu chegaste ao fundo
Da doença da cidade
Da que não vem na sebenta,
Daquela que não se ensina,
Da pobreza que afugenta
Os barões da medicina
Tu sabes quanto fizeste,
A miséria não segura,
Nem mesmo quando lhe deste
A receita da ternura

ELE HÁ CARGAS FANTÁSTICAS, NÃO HÁ? MAS A BRIGADA QUANDO ESTÁ DOENTE, NÃO ATACA ... VAI AO VETERINÁRIO...

Sem comentários: