As minhas cachadas no Geocaching

Profile for jpngi

terça-feira, 7 de outubro de 2008

AI QUE ELES ANDEM AÍ

Hoje, por ser terça-feira, também podia ser outro dia qualquer, a nossa Brigada vai destacar mais um Blogue, e este é um blogue especial, porque também de poesia a vida é feita "poetrycafe" leva-nos a essa parte poética da vida. O nosso blogue também termina sempre com um poema, mas este só a poemas é dedicado. Uma vista de olhos nele e quem sabe se não se inspiram, já sabem vão ao http://poetrycafe.weblog.com.pt/ Basta clicarem em cima do link para lá irem visitá-lo

Caros Bloguistas Militantes

A lei é para ser cumprida, e por cumprida entenda-se na sua totalidade e alcance, e não só a parte que nos dá mais jeito.

Quando eu digo a lei é para ser cumprida, eu refiro que falo das leis justas, das leis com sentido e bem elaboradas.

A LEI Sendo geral e abstracta, não é para agradar a Beltrano e a Sicrano, mas sim à sociedade que naquela altura, naquele momento tem necessidade dela.

Por isso as leis que já não são necessárias ou estão desadequadas deveriam ser revogadas.

Seguindo esta linha de pensamento eu não consigo compreender aquelas pessoas que dizem que as brigadas de trânsito andam na chamada "caça à multa".

Portugal está horrívelmente no top das estatísticas mundiais, somos um território tão mortífero quea as nossas estradas assemelham-se a campos de batalha.

Sabemos que ao andar na estrada todo o cuidado, atenção e fiscalização são poucos para diminuir a sinistralidade.

Se os condutores e os peões cumprissem o código, se não fossemos facilitistas, nunca nos queixariamos da caça à multa, pois caça à multa é um conceito "Made in Portugal", que somos claramente um país de incumpridores, quem diz nas estradas diz no resto.

Claro que se o código serve para impor determinadas atitudes e tem um lado duro e inexorável para quem anda na estrada, o mesmo código também serve por outro lado para punir o agente da autoridade que passou do risco, que abusou da autoridade.

Se por um lado as autoridades policiais são um pouco laxistas na fiscalização e até elas próprias são incumpridoras (aplica-se a velha teoria: "quem policía o policia?") se os agentes da autoridade são capazes de perdoar a uma mulher vistosa, digamos BOA que lhe mostra o tornozelo quase até á anca (que nomem não se esqueceria que tinha de lhe passar uma multa, pergunto eu...) ou então mostra um decote bem generoso, como fez uma amiga minha e safou-se de uma multa (além dela iam mais 4 mulheres todas com os copos dentro do carro), resumindo por causa de uma situação confortável para os olhos do polícia (e podem crer que era mesmo confortável), aquele perigo para a circulação foi deixado passar, e lá seguiram as 4 com os copos pela marginal, deixando um polícia com um sorriso de orelha aorelha, mas sendo elas um perigo para o tráfego.

Rigor, rigidez e inflexibilidade no cumprimento da lei, estou eu convencido, diminuíria significativamente os acidentes.

Por outro lado, responsabilização do Estado (central e local) e das empresas que o código não cumprem, e quando falo em não cumprir o código, refiro-me á parte passiva (não menos essencial que a parte activa) que obriga os consecionários das estradas a colocarem as infraestruturas, sinalização e outros preceitos essenciais a uma boa e segura condução, estes agentes passivos deveriam ser particularmente punidos por incumprimento constante, sistemático e contínuo do código da estrada.

Quando digo particularmente, digo os responsáveis directos, os que assinaram desde o projectista até a quem deu a autorização final.

Porque isto é tudo muito bonito, o facto de se conseguir que o Estado quando réu seja condenado, mas os responsáveis da atitude passiva ou de omissão, continuam nos mesmos postos a fazerem igual ou pior.

Não podemos permitir impunidades.

Acabemos com as políticas de amnistias, o poder político que não mandar fiscalizar correctamente os centros de inspecção automóvel (que ainda deixam passar muito carro que não está em condições), poder político que deixa as vias serem mal construídas e não presta a devida atenção aos concursos públicos e a sua permanente fiscalização.

Caros Bloguistas militantes, caso não saibam, quando existe um ALCATROAMENTO ou um Re-Alcatroamento, em qualquer rua, o alcatrão antes de ser colocado, passa por testes e pela aprovação de um laboratório camarário, que após testes certifica se o alcatrão que vai ser colocado é resistente e adequado para aquela via.

Contrariamente ao que deveria ser feito, é exemplo gritante o que se passou na C.M.Lisboa (governo de Santana Lopes, mas que sabemos que não foi só durante o mandato dele, e não só na C.M.Lisboa), que no Re-alcatroamento da Av. Almirante Reis, estava ainda o alcatrão em testes de laboratório para ver se era aprovado ou rejeitado, e este já tinha sido sido aplicado na Avenida toda.

E agora perguntamos nós: Terá sido aplicado na Avenida a mesma qualidade de alcatrão que foi para o laboratório para ser testado?

A chefe do departamento que teve conhecimento directo disso informou a CML de queera necessário o empreiteiro ser punido por incumprimento? Terão sido os responsáveis do laboratório camarário responsabilizados ou ter-se-ão fecahado em copas, numa atitude do género " que se lixe, já está aplicado, deixemos andar"?

Neste caso, que não é o único, e que é publico e notório. houve uma nítida falta de fiscalização ou conivência dos fiscais.

Em último lugar, em relação ao cumprimento do código da Estrada, temos o poder judicial, que tem de ser chamado à colação.

Pois não se pode permitir que os magistrados do M.P., se fiquem somente pela acusação a um condutor embriagado que atropela mortalmente alguém e que como corolário disto tudo, se safa com uma pena suspensa e pela cobertura dos danos civis...

Nestas situações como não há apelo e não há agravo, temos uma situação que um homicídio sai praticamente impune.

Como o bom português costuma dizer "Devia ser eu a mandar", no mínimo ficaria para sempre inibido de conduzir, e se fossem provados os pressupostos legais da culpa e dolo, a pena de prisão efectiva teria de ser isso mesmo ... efectiva e não suspensa como tem-no sido.

Lembram-se daquele indivíduo que já foi apanhado 4 vezes com uma "Carroça em cima que mal se aguentava em pé"... que é como quem diz, com um grau de alcoolemia muito acima da média (isto no que consta da reportagem que se viu na TV), em que o próprio diz que nunca foi preso.

Ora uma afirmação destas, a passar nas TV´s dá origem a reincidências e transmite uma sensação de impunidade.

Temos de ter paz nesta "guerra civil" que nas estradas se passa.

Além do código, o cumprimento das regras de sã convivência é necessário.

Ou assinamos o tratado de paz ou qualquer dia a guerra acaba por falta de soldados.

Caros Bloguistas Militantes Justa ou injusta, cumpra-se a lei, porque eles "andem aí"....ai "andem" , "andem"... oh se "andem"

Tantas Vezes Fui à Guerra -Sérgio Godinho

Tantas vezes fui à guerra
que só sei é guerrear
eu gostava um destes dias
de ter tempo de amar
Tenho pistolas de prata
tenho uma bala dourada
se não tenho o teu amor
não me servem para nada
Nem aos deuses nem à morte
peço perdão do que fiz
já não suporto bem a dor
já só quero é ser feliz
Olarai, assim é que se vai
olarai, assim é que são
olarai, as gentes que farão
que os dias maus já lá vão
Nada vale o que é de mais
em lhe dou nenhum valor
eu só trago no bornal
valentia e destemor
Só me rendo, quando muito
quando a morte me atingir
a minha bandeira branca
é o lençol que me cobrir
Nem aos deuses nem à morte
peço perdão do que fiz
já suporto bem a dor
já só quero é ser feliz
Olarai, assim é que se vai
Olarai, assim é que são
Olarai, as gentes que farão
Que os dias maus já lá vão.

ELE HÁ CARGAS FANTÁSTICAS, NÃO HÁ? POR FALAR NISSO É MELHOR O REGIMENTO IR VERIFICAR OS TRAVÕES DOS CAVALOS.

Sem comentários: