As minhas cachadas no Geocaching

Profile for jpngi

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Esquerda Volver

Andam o PS, o BE, o PCP, e outras Esquerdas com medo de assumirem o que são.
Ou seja são de Esquerda. 
E, agora afirmo o óbvio, é que se são de Esquerda, obviamente que não são de Direita.
Por isso seguem as ideias e ideais de Esquerda e não os de Direita.
Poderão estas Esquerdas ser divergentes em algumas matérias? Obviamente que sim, por isso é que são partidos diferentes, e assim se constituíram, porque o caminho que querem seguir, em algum lugar se separa.

Mas, e saliento isso, também são convergentes, na grande parte da jornada que percorrem, como por exemplo na sua ideia de Justiça, na sua ideia de Solidariedade Social, na defesa dos Direitos dos Trabalhadores e também noutros direitos fundamentais.

Faço aqui um reparo, à Direita o PSD e o CDS/PP, são dois partidos e não são só um, e também têm um caminho comum que a dada altura se apartam, e a conclusão é óbvia, é que se assim não fosse não seriam dois partidos mas sim um só.

Para os críticos de Direita, segue já este primeiro aviso: Este Governo (2011-2015) teve a sua génese numa coligação pós-eleitoral, e só assim foi conseguida a maioria. Não foi o programa do CDS/PP que foi sufragado e ganhou, foi o do PSD que melhor se posicionou e que embora não tendo a maioria, conseguiu que com alianças fosse governo. Foi esse programa que nos foi imposto (digo isto porque já sei que vão aparecer os simpatizantes e praticantes de Direita, que virão dizer que o BE e o PCP são radicais...mas, analisando bem também o é o CDS/PP nas suas políticas de Direita.

Sim, eles (PSD e CDS/PP) também são divergentes e têm divergências profundas, e são-no em muitas políticas, e no caminho que querem seguir, mas…souberam reconhecer que para governar, para mais facilmente chegaram a esse desiderato, conseguiram colocar de lado as divergências e fazer o seu melhor.

O problema (para nós todos) é que o seu melhor, é o seu melhor para as grandes multinacionais e não para  a maioria do povo, por muito que nos queriam fazer entender o contrário. E estes partidos estão rendidos a estas multinacionais (mais um que outro), e o melhor que conseguiram foi esta política de Direita monopolista e mercantilista.

O resultado disso foi para nós (povo) o pior que nos podia ter acontecido, constatamos que após este governo (2011-2015) tudo está nas mãos do capital que ninguém sabe a que nacionalidade pertence, nem sequer o seu rosto.


Agora a Direita diz que ganhou e preparam-se para formar Governo e privatizar o restante, vão-se assim os anéis e os dedos, e mais alguma coisa se houver.

E ameaçam-nos com um terrível papão, quando dizem que uma união de Esquerdas significa eleições lá para Junho, e isso é instabilidade política de que Portugal não precisa. Mas queria relembrar que o mesmo foi dito da Coligação PSD/PP, quando se formou, e infelizmente aguentou-se 4 anos apesar do "Irrevogável" esforço do povo para que isso não acontecesse.

Tivemos em portugal um Sheriff de Nothingam às ordens de um João Sem-Terra, o povo disse-lhes que não, que quer o Robin Wood e o Ricardo, mas eles insistem em fazer-se de moucos.


Mas analisemos mais ao pormenor:

Em 2011 os resultados foram:
PSD        teve          38,63;
PS           teve          28,05;
CDS        teve          11,74,
CDU       teve            7,94
BE          teve             5,19

Ou seja a Direita, a futura coligação teve em 2011 uma Maioria Absoluta inequívoca obtendo em termos percentuais 50,37 % dos votos, e assim governou.

Já em 2015 os resultados são muito diferentes:

PSD+CDS/PP (PAF)       teve         38,55;
PS                                     teve         32,38; 
CDU                                 teve           8,27
BE                                    teve        10,22%
PAN                                 teve          1,39 %


Aqui podemos fazer várias leituras, a soma do PSD com o CDS/PP é inferior ao resultado do PSD sozinho obtido em 2011.


Uma leitura (mais maquiavélica) que se pode fazer é dizer que o CDS/PP foi absorvido pelo PSD e desapareceu.


Outra leitura mais realística é que a direita desceu 11,82% (como dividem entre eles a percentagem da descida é com eles), e não obteve maioria, nem se aliando ao PAN.

Se olharmos para o resultado de 2011, nenhum partido obteve a maioria absoluta, só fazendo uma coligação (o futuro PAF) é que conseguiram uma maioria inequívoca.

Agora em 2015, o cenário inverteu-se, e o PS com o BE e o PCP obtêm uma maioria de 50.87 %, mais 0,50% que a maioria de direita em 2011.


Foi em 2011 a 2015, fruto da maioria por se ter coligado PSD e CDS/PP, dada a possibilidade à Direita de governar em coligação com o programa do PSD (relembro que  o CDS/PP disse cobras e lagartos do programa do PSD e que depois veio apoiar e a governar com ele).


Agora em 2015 querem-me convencer que a Esquerda que tendo obtido uma maioria de 50,87% mais 0,50 % que a Direita em 2011, não pode governar?

Isto realmente não há nada como a Direita ter os Media na mão para subverter estas lógicas, e querer impor a sua vontade.

A maioria em 2015 está inequivocamente do lado da Esquerda (sendo a Esquerda muito diferente uma da outra), como em 2011 esteve do lado da direita (sendo que as direitas também não são iguais, e todos sabemos que não se gramam una aos outros).

Mas porque é que não quer a Direita que a Esquerda governe?

Uma das razões é que não são eles que iriam dirigir os destinos do país, essa é a óbvia.


Tivemos com este governo de Direita, uma política onde perdemos direitos como cidadãos, onde foi privatizado e liberalizado o (pouco) bem comum que possuíamos, e ambos os partidos no governo, apesar das suas diferentes visões, seguiram uma política comum, e se pelo meio houve alguns desafinanços (e não foram poucos) rapidamente corrigidos (bem ou mal), mas continuaram a tocar.
Não concordo com a política que os de Direita que nos impuseram, foi uma política de Direita Radical, fora da matriz e da essência dos seus partidos, eles não foram só além da Troika, foram além da sua essência como partidos, refinaram, mas reconheço-lhes que se souberam entender e no entendimento souberam-se manter, e foram mais longe do que se propuseram.

Sim, foram longe, porque leram e souberam aplicar o que leram, e o que leram foi nada mais nada menos que o mestre Maquiavel, no seu livro “Príncipe”.

E, como bons alunos, aplicaram o que o Mestre preconiza, ou seja, quando tiverem que governar estrangulando direitos e aplicando austeridade, que esse mal seja feito todo de uma só vez.

Foi o que fizeram, e depois do mal e da caramunha (significado de caramunha: fazer mal a alguém e queixar-se, como se fosse vítima, sem se revelar como autor do mal) feita, lá foram aplicando novamente o livro de Maquiavel e foram dizendo que estavam a pensar em dar aumentos, e outras promessas (não deram, mas prometeram que davam).
E eis que chegaram as eleições, e, nesta altura fizeram-se de mortos, mudaram o nome dos partidos, passando a chamar-se coligação, e ocultaram o mais possível os protagonistas que aplicaram tudo aquilo que sofremos. E o pior é que  o fizeram quase brilhantemente….digo quase porque não conseguiram a desejada maioria absoluta.

Quero no entanto realçar que não sou radical a ponto de dizer que tudo foi mal feito, existiram pontos positivos na actuação deste governo de Direita (2011-2015).

Mas as Esquerdas também são capaz de fazer o mesmo, estou a referir-me ao facto de se conseguirem entender e não ao facto de aplicarem Maquiavel e os seus métodos claro está.

É que este é o tempo de entendimentos, não é o tempo das políticas mais radicais como aquelas de se sair do Euro (que, refira-se, se nada for feito, vai ser uma inevitabilidade, repito e sublinho se nada for feito).

Aqui neste aspecto concordo com o PCP, devemos preparar-nos para o pior cenário, mas acrescento…esperando que ele não aconteça, mas não faz mal nenhum irmos preparando para uma questão que a acontecer será dolorosa.


Claro que os que são conservadores, ou  liberais, ou cristãos-democratas e ou de direita, ou os que são tudo nisto num só, claro que não vão concordar (aliás nunca irão concordar) que a Esquerda se una e governe.


As razões são óbvias, e até ficava mal se não as dissesse, uma das razões prende-se com o seguinte, para eles as políticas de Esquerda não estão dentro dos seus horizontes cognitivos, não são a sua essência, são a antítese daquilo que defendem.


Mas a principal razão é a seguinte, é que se se forma um governo de Esquerda e este resulta, depois, depois… nada irá ser como dantes, voltamos a ter de negociar com os trabalhadores e a Segurança Social Pública, e a Justiça, e os seguros privados e as privatizações.
Existe uma matriz convergente na Esquerda, assim como existe na Direita, e é por esse caminho que a Esquerda, ou melhor as Esquerdas têm de ir e convergir.

Se sei que o principal adversário do PCP é o PS? Sim, sei.


Se sei que o BE também é adversário do PS, e que o PCP também não fica atrás nas suas desconfianças?, Sim, sei, claro que sei.
Mas também sei, que o Povo e o seu bem estar, os trabalhadores e os seus direitos, que a saúde e o seu Serviço Nacional de Saúde Universal independentemente da raça, cor, religião e fortuna, são bandeiras comuns aos 3 partidos, e estando isso em causa, são motivos mais que suficientes para que exista uma união à Esquerda.

Se entretanto me perguntarem se vai ser fácil uma governação à Esquerda?


Não, não será fácil, e vaticino que também não será feito o caminho das pedras.


Se existe a possibilidade de escolhos e divergências numa governação à Esquerda?

Claro que sim, claro que vão existir dificuldades, e que os nossos adversários estarão atentos, e os Media muito mais, e irão vasculhar tudo e mais alguma coisa.

O facto é que já sofremos muito às mãos desta direita, e o povo votou numa mudança, não é para que tudo fique na mesma.

Mas, existe um ponto importante, que eu não quero deixar passar em claro.


Eu, não acredito, nas frases do género “Só nós é que somos a alternativa, só nós é que conseguimos”, isso para mim não só não é verdade, como também não é argumento. É mais verdade dizer, “A nossa alternativa é diferente, é menos dolorosa, tem direitos, liberdades e garantias, mas estamos abertos ao diálogo, e todas as medidas positivas que beneficiem o nosso povo e o nosso país, e que não empobreçam a população são caminhos que podem contar connosco. Podem contar connosco para fazermos o que prometemos”, sim nesta última afirmação eu acredito pois é mais plausível e mais realística e abrangente.


Por falar nisso, O PS TEM DE ASSUMIR ERROS DO PASSADO

E afirmo com frontalidade: O PS não é o Diabo que pintam, nas também não é o Supra sumo da Barbatana, existiram coisas muito certas que foram feitas e opções que se revelaram menos boas/eficazes.

É verdade que na sua governação o PS cometeu alguns erros crassos, que optou por estratégias que não foram as melhores. Também não é menos verdade, que se o digo agora é porque na altura em que essas estratégias e erros que foram cometidos, quem tinha a governação possuía informação assimétrica e mediata, e como os governantes não têm, infelizmente, bola de cristal, acontece cometerem-se erros.

Eu sou dos que têm a opinião que deveríamos fazer uma “MEA CULPA”, ser sinceros e dizer ao povo, ou seja a todos nós, que optámos seguir um caminho que achávamos na altura que era o correcto, mas que se revelou não ser o mais benéfico para todos nós.

Mas também e ao mesmo tempo relembrar o povo, ou seja a todos nós, que existiriam benefícios (e não foram poucos) na governação Socialista, e que graças a essa governação, assistimos a avanços muito positivos e promissores, que hoje ainda estamos a beneficiar como povo.

Não, não me estou a referir a nível económico, porque quanto a esses avanços económicos nós já sabemos como é que são, ou seja, se a economia está em alta, nós estamos em alta, se estiver em baixa, nós seguimos a tendência. Estou a  falo daqueles avanços que orgulham a humanidade, os avanços tecnológicos, culturais, na ciência, no bem estar de todo um povo, e esses sem dúvida que o PS, na sua governação, em qualquer dos seus governos tem dado um excelente contributo.

Por isso, uma União à Esquerda é necessária, porque estamos do lado certo (do nosso ponto de vista está claro) da barricada, e temos ideias e ideais que o sustentam.

Neste momento a Esquerda está a deixar-se ir no jogo da Direita, que habilmente está a minar e a subverter toda esta tentativa de União, e está a fazê-lo logo à nascença ( digamos que politicamente a direita não faz mais que a sua obrigação, que é tentar aniquilar o adversário), e ao fazê-lo e a Esquerda a responder a esse repto, está a ir atrás do engodo que lhe estão a lançar, em vez de tentar ter a iniciativa.

A direita tem uma arma que não é de desprezar, que é a comunicação social. Quanto a esta questão, as Esquerdas avisaram o PS atempadamente, mas o PS não quis ouvir.

É que quando foi da abertura dos MEDIA aos privados (já lá vão 20 e tal anos), a Esquerda avisou o PS que os grandes poderes da Direita (refira-se os que têm dinheiro) iam tomar de assalto os Media.

Bom, foi o que aconteceu. (para não ser faccioso, também digo aqui, que parte da direita também se queixa dos Media, para mim não possuem tanta razão de queixa como a Esquerda, digamos portanto que os MEDIA ficaram em roda livre, e que não sei se não estão a ser prejudiciais ao país com esta sua postura, ficará para outras núpcias esta análise).


A verdade é que hoje em dia, o que se constata, é que a Esquerda não tem um único jornal de referência, onde possa transmitir as suas ideias e os seus ideais, como por exemplo tem a sociedade francesa ou outros países que  privatizaram mas com sentido de equilíbrio.

O facto, e voltando à questão, há muito que a Esquerda está a responder aos ataques dos adversários, e não tem a iniciativa de ataque, e isto meus caros, quem joga no campo do adversário tem diversas desvantagens, uma delas é a  de não conhecer o terreno e a outra é de não ter as tropas posicionadas como deve de ser, a terceira é não poder antecipar os acontecimentos nem controlar esses mesmos acontecimentos dando essa iniciativa ao adversário.

A Esquerda tem de ir a jogo, com a sua iniciativa, e no seu terreno, até porque o árbitro é deles e já o demonstrou claramente.


E se daqui a  6 ou 7 meses tivermos que ir novamente a eleições que seja, que eu saiba as revoluções nunca foram lideradas por aqueles que seguiram os guiões pré-feitos, ou então seria dar isto ao heroísmo desportivo do marechal da Cornualha.


"o Heroismo Desportivo do Marechal da Cornualha"

Chegou o mensageiro ao Quartel-General
Trás de notícia que o heróico Marechal
Ao tomar banho nas águas do Nilo
Foi atacado por um crocodilo
Corre sentinela começa a berrar
Entra no quartel a gritar.

Às Armas!
Às Armas!
Às Armas!

Sai do quartel toda a guarnição
Pernas abertas e armas na mão
Chegam à zona do acidente
Está o crocodilo todo sorridente
Com a boca aberta e um escudo invisível
Sai de lá de dentro uma voz terrível.

Socorro!
Que eu morro!
Socorro!

Um general estuda a situação
Convoca a Junta de Salvação
Vem a Marinha, vem a Aviação
Chegam estrangeiros em legião
Dispõem-se as frentes espera-se o sinal
e na hora H grita o general:

À carga!
À carga!
À carga!

Chove a metralha por baixo e por cima
Bumba que bumba e bimba que bimba
Rebentam bombas, minas, granadas
Chovem os mísseis e as morteiradas
E de entre o fragor da grande descasca,
ouve-se o Marechal à rasca :

Cuidado!
Ao lado!
Cuidado!

Em 10 minutos está tudo acabado
O inimigo foi dominado
Um homem-rã abre o animal
E de entre o fumo surge o Marechal
Muito enfarruscado, bela cueca à risca,
o heróico esportivo fadista

Sentido!
Silêncio!
Sentido!

Chefes, sub-chefes mortos e aleijados
Todos eles foram condecorados
E o Marechal numa jantarada
Recebe a ordem da Torre e Espada
Brinda o Presidente, brinda o general
Brinda ao Secretário – Geral

À glória!
Vitória!
Vitória!

Desde esse dia sempre que se lava
Quer o marechal 4 forças de guarda
Uma aos esgotos, outra às torneiras
uma para as frentes e outra para as traseiras
E se acaso sente que o pica um Mosquito
Berra logo o herói aflito:

Às armas!
Óh Guarda!

Às armas!





A BRIGADA ESTÁ AQUI PARA O QUE DER E VIER, SEMPRE DE PRONTIDÃO!

Sem comentários: