As minhas cachadas no Geocaching

Profile for jpngi

segunda-feira, 1 de março de 2010

A Formiga já tem catarro- Liberdade e Libertinagem

Hoje destaco o blogue ... “Já a formiga tem catarro” e explica que é uma expressão popular usada para, entre outros motivos, contestar a opinião de alguém, que pela sua idade, pouca experiência, de vida ou outra, emite opinião sobre determinado assunto para o qual, aparentemente, não está habilitado. é um Blog que pretende pôr o dedo na ferida, espicaçar consciências, sem insultos, nem acusações não fundamentadas. Blog de uma “formiga” que pretende mesmo ter “catarro”.ver em
http://ja-a-formiga-tem-catarro.blogs.sapo.pt/511.html
Caros Bloguistas Militantes
Não quisemos saber.
Não queremos saber.
Os "putos" estão cada vez pior, cada vez mais malcriados e fazem o que lhes apetece impunemente.
Isso é evidente no convívio social que temos de ter quando viajamos por exemplo em transportes públicos ou estamos no cinema ou em centros comerciais ou noutro qualquer local público.

O comportamento dos "putos" já passou dos limites e passou da Liberdade para a libertinagem.
Não me refiro ao falar alto ou às coisas próprias que se faz quando temos uma certa idade (ou outros como eu fazem em qualquer idade e depois dizem -nos pareces um puto) dou exemplos:

  • A quantidade de asneiras que são ditas em público, não querendo eles saber, se estão senhoras ou pessoas mais velhas presentes;
  • Temos nos transportes públicos ou outros locais que gramar a sua pseudo-música, que eles insistem em nos dar altos berros vindas dos seus telemóveis;
  • São os pés em cima dos bancos... bom esta até eu no meu tempo fazia, só que levava logo um calduço e o respectivo ralhete;
  • Se os putos são chamados à atenção ainda refilam e são capazes de dizer que se os pais não lhes dizem nada, quem somos nós para lhes dizer alguma coisa?;
  • Vão para as discotecas e bares de shots, putos com 14 anos saindo de lá bêbados e os papás ainda por cima vão buscá-los de carro á porta do bar, quando deviam estar todos a dormir andam na moinice.
Fizéssemos nós os que temos entre 37 e 50 anos, 1/4 do que eles fazem hoje, e já tínhamos levado com uma "berlaitada nos cornos" uma "cachaporrada" ou com um "calduço" bem aplicado, para nos portarmos bem e aprendermos.
E que bem "ensinados" que nós ficávamos ...
E não era vindo da família que vinham estes "ensinamentos, era de alguns anciãos da aldeia, que cuidavam pela sua boa educação, na minha escola tinha um que "aviava" calduços que nos educavam bem ...
Em casa quem se portava mal ficava de castigo e em podia berrar ou chorar, que muitas vezes se ouvia "Quanto mais choras menos mijas"...
Hoje em dia, parece mal dar um correctivo nas criancinhas, que fazem uma birra descomunal se não conseguem aquilo que querem.
É a ditadura dos pequenos a fazer o inferno ao s grandes.
Esta é a época da FAST-FOOD que originou o FAST-LIVING.
De quem é a culpa?
A CULPA é de todos nós, sem excepção, dos que não educaram e dos que por omissão calaram.
E quando digo de todos, refiro-me pelo menos de à 3 ou 4 gerações atrás.
Sim, a geração que nos educou a nós que temos 30 e muitos até 50 anos,
A geração que passou pelos loucos anos 60 do SEC XX e pela revolução de Abril, deixou o país em roda livre e os políticos a fazerem de nós cobaias das suas inexperiências, principalmente no ensino.
Dessa geração e subsequentemente da nossa e das vindouras que entregaram e entregam ao Ministério da Educação a tarefa de educar os petizes (Por isso, mas não só por isso, defendo que o Ministério se devia chamar Ministério do Ensino).
Quando a culpa é colectiva (e esta sem dúvida nenhuma que o é) não é de ninguém originando que existam acusações mútuas e que ninguém nunca tem razão, tentando todos sacudir a água do capote.
Reparem, substituímos os avós pelas creches e pelos Jardins de Infância, aos avós colocámo-los num lar, depois não nos admiremos que nos aconteça o mesmo que aconteceu naquela história, que se passa numa aldeia onde os anciãos eram abandonados pelos filhos numa montanha para lá morrerem. Um dia um ancião disse ao seu filho quando ele lhe fez o mesmo: "Não te esqueça que um dia será velho e os teus filhos te farão a mesma coisa", o filho repensou a atitude e trouxe o ancião para casa novamente.
O testemunho dado pelos nossos anciãos foi cortado, essa passagem de testemunho já quase não existe.
Das creches/Jardins de Infância, chegam-nos relatos de pais que entregam muito cedo os sues filhos e muitas vezes se esquecem de os ir buscar à tarde/noite ou de pais que no Verão vão para a praia e deixam os seus filhos na creche...etc...
Ao entregarem a estas instituições o "ensino colectivo" dos seus filhos, quando uma criança merece e lhe deve ser dado uma educação individualizada e familiar e não um "ensino colectivo", não existindo perdem-se valores.
Existe uma total despreocupação e desresponsabilização parental e societária.
Se não eles não tem capacidades para educar, amar, criar um filho, porque é que tem aos 2 e 3?
Será que os pais nunca ouviram falar de métodos anticoncepcionais?
Aquele provérbio "É preciso uma aldeia inteira,para educar uma criança" nunca foi tão verdade como hoje.
Crianças/Jovens/Jovens Adultos mal educados equivale a uma aldeia descuidada, desinteressada, que regrediu em vez de evoluir e que só se interessa pelos bens materiais e o bem estar que estes lhes proporcionam.
Este materialismos deu em laxismo, transformando a liberdade em libertinagem e é assim que a formiga já tem catarro.


Os putos - José Carlos Ary dos Santos
Uma bola de pano, num charco
Um sorriso traquina, um chuto
Na ladeira a correr, um arco
O céu no olhar, dum puto.

Uma fisga que atira a esperança
Um pardal de calções, astuto
E a força de ser criança
Contra a força dum chui, que é bruto.

Parecem bandos de pardais à solta
Os putos, os putos
São como índios, capitães da malta
Os putos, os putos
Mas quando a tarde cai
Vai-se a revolta
Sentam-se ao colo do pai
É a ternura que volta
E ouvem-no a falar do homem novo
São os putos deste povo
A aprenderem a ser homens.

As caricas brilhando na mão
A vontade que salta ao eixo
Um puto que diz que não
Se a porrada vier não deixo

Um berlinde abafado na escola
Um pião na algibeira sem cor
Um puto que pede esmola
Porque a fome lhe abafa a dor.

ELE HÁ CARGAS FANTÁSTICAS, NÃO HÁ? O RESPEITINHO É BONITO E A BRIGADA GOSTA. ALÉM DISSO A BRIGADA É RESPONSÁVEL, SÓ TERÁ FILHOS QUANDO E SE HOUVER CONDIÇÕES PARA ISSO.

2 comentários:

Marta disse...

Nós os que temos entre 37 e 50 anos, somos os pais dessas malcriadas criancinhas.
Orgulho-me da educação recebi por parte dos meus pais, educadores escolares, familiares, vizinhos mas cada vez mais fico incrédula e indignada com aquilo que vejo nós a fazermos aos nossos putos. Nós ponto e vírgula que eu não tenho filhos mas tenho sobrinhos e um irmão mais novo 10 anos e todos nós estudámos e estudamos pela mesma cartilha.
Eu acho que o erro é nosso pois tivemos tudo, deram-nos tudo para sermos uns bons homens de amanhã, contudo a arrogância é de tal ordem, a mesquinhez é tão pequenininha que tudo vale para sermos melhor que o outro na aparência e na superficialidade. Em suma, ACHAMO-NOS, ou seja, somos uns tristes ingratos parvos todos os dias.

Cabo Napol "eao" disse...

Concordo inteiramente consigo Marta.Eu também não tenho filhos e tenho sobrinhos, felizmente bem educados e respeitadores, mas um caso não é a generalidade... infelizmente.